Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Les Goûts du Vin

 

 

Mesmo em frente à Assembleia da República, descendo umas escadinhas, encontramos um fragmento de Paris em Lisboa. Nathalie Cojan recebe com um português impecável, num sotaque francês cerradíssimo. A sala é pequena, acolhedora e demasiado vazia para a comida e a bebida que lá se experimenta.

 

Les Goûs du Vin, na Rua de São Bento, vale bem uma visita prolongada, amorosa, tentadora e confortável, com música ambiente bem ao som de Paris.
 

Paris en colère

 

 

Paris en Colère

Canta Mireille Mathieu
(Maurice Jarre - Paris brûle-t-il?)

Que l'on touche à la liberté
Et Paris se met en colère
Et Paris commence à gronder
Et le lendemain, c'est la guerre.

 

Paris se réveille
Et il ouvre ses prisons
Paris a la fièvre:
Il la soigne à sa façon.

 

Il faut voir les pavés sauter
Quand Paris se met en colère
Faut les voir, ces fusils rouillés
Qui clignent de l'œil aux fenêtres

 

Sur les barricades
Qui jaillissent dans les rues
Chacun sa grenade
Son couteau ou ses mains nues.

 

La vie, la mort ne comptent plus
On a gagné on a perdu
Mais on pourra se présenter là-haut
Une fleur au chapeau.

 

On veut être libres
A n'importe quel prix
On veut vivre, vivre, vivre
Vivre libre à Paris.

 

Attention, ça va toujours loin
Quand Paris se met en colère
Quand Paris sonne le tocsin
Ça s'entend au bout de la terre

 

Et le monde tremble
Quand Paris est en danger
Et le monde chante
Quand Paris s'est libéré
.
C'est la fête à la liberté
Et Paris n'est plus en colère
Et Paris peut aller danser
Il a retrouvé la lumière.

 

Après la tempête
Après la peur et le froid
Paris est en fête
Et Paris pleure de joie.
 

Gripes

 

Desde Maio que as notícias sobre a gripe A inundam os media. Desde Maio que se preparam planos de contingência e se alertam as populações, a nível mundial, para a pandemia, para os anti-virais, para as vacinas, para os grupos de risco. Desde Maio que se vive em função daquilo que há-de acontecer nas escolas, nos hospitais, nos transportes públicos, quando a gripe atacar a sério, que a Ministra Ana Jorge se multiplica em afirmações que se pretendem calmantes e assegura que teremos vacinas e anti-virais suficientes para quem precisar.

 

A pouco e pouco começam a surgir vozes respeitadas e avisadas que explicam que o alarme é demasiado, que a preocupação é exagerada, que o susto não se justifica. Jaime Nina afirma que a mortalidade desta gripe é igual ou inferior à da gripe sazonal, a Organización Médica Colegial de España fez mesmo um comunicado em que deplora o alarmismo e acalma as pessoas, informando-as do que se está, na realidade, a passar – a gripe A é uma doença benigna, contagiosa, que na maior parte das vezes tem pouca sintomatologia, noutras tantas passa em 3 dias e tem uma taxa de mortalidade igual ou inferir à da gripe sazonal.

 

É importante que as autoridades sanitárias estejam atentas, que tenham planos de contingência, que preparem cenários mais gravosos, o que já não se percebe é o ambiente que se está a criar para uma obrigatoriedade de  vacinação, como o facto de ficar registado quem não se quiser vacinar, assim como a notícia repetida de meia em meia hora, na TSF, de uma significativa percentagem de funcionários da linha saúde 24 que não está disposta a ser vacinada.

 

A vacina está disponível e existem grupos de risco que deverão ser vacinados, tal como acontece com a vacina para a gripe sazonal. Mas não é obrigatória nem deve ser. Todas as pessoas deverão ser informadas, esclarecidas e assim decidirão o que fazer, tal como para tantos outros tipos de procedimentos e de terapêuticas. Será que estamos a preparar uma sociedade cujos indivíduos são penalizados por exercerem o seu direito à livre escolha?

 

Convém, no entanto, não acreditar em todas as teorias da conspiração que circulam por toda a parte. A última de que tenho conhecimento é protagonizada por Rauni-Leena Luukanen-Kilde, que nunca foi ministra e que já defendeu que os nazis foram à Lua na década de 40, que os americanos já foram a Marte, que teve diversos contactos com OVNIs, etc.

 

Governo

 

Foi apresentado o novo governo.

 

Apenas algumas notas. Parece muito sensata a manutenção do ministro Teixeira dos Santos na pasta das Finanças. Não há melhor que ele para o novo esforço de equilíbrio, tendo já provado que o sabe fazer.

 

A pasta da Saúde para Ana Jorge era já esperada. Espero que a política regresse a esta área e que as reformas iniciadas com Correia de Campos se continuem pois o país precisa de muito mais do que apenas um estilo tranquilo e paciente. Precisa de um SNS sustentável e que responda às necessidades da população.

 

A pasta da Educação será a grande incógnita. Desejo toda a sorte do mundo a esta ministra, que tem uma tarefa bem difícil.

 

Aguardo com expectativa quais os sinais para esta legislatura. Refazer tudo o que se fez durante estes 4 anos, como a oposição se prepara e já anunciou ou persistir no caminho da mudança. Foi para a segunda hipótese de recebeu novo mandato governativo.

 

Felicidades para o governo e para todos nós.

 

Nota: Também aqui.
 

Deste tempo

 

 

É um tempo novo, como todo o tempo pode ser. Serão novos desde que os olhemos de novo, com olhos de ontem e de hoje, com olhares voltados para o que há-de vir.

 

É um tempo novo, aquele que usamos para enfrentar o mundo, para nos encontrarmos, connosco e com os outros.

 

As regras com que jogamos são feitas por nós, naquilo em que somos diferentes, dentro do que temos de idêntico – o gosto de trocar ideias, uma certa noção de sociedade, uma certa forma de entender o serviço público.

 

Assim me junto a esta equipa. Vou a jogo.

 

Nota: também aqui.

Da revolta na dor

 

Tenho lido, desde há bastante tempo, os posts do Besugo, primeiro no blogame mucho e depois no gravidade intermédia.

 

Outro dia o Besugo escreveu um extenso post de alguém a sofrer, de alguém com uma revolta infinita contra tudo e contra todos, de alguém que se dedica de alma e coração à sua profissão de médico, que sofre com os seus doentes, que sofre com a impotência de quem não vence a morte, de quem a combate todos os dias e de quem odeia ser vencido.

 

É assim com todos nós. Quando recebemos a notícia de que temos cancro, ou de que alguém a quem amamos tem cancro, ou outra qualquer doença grave, sentimos uma enorme revolta contra o mundo e um sentimento de culpa por não termos dado atenção aos sinais, pequenos ou grandes, mesmo inexistentes. Sentimos que deveríamos ter estado mais atentos, que deveria ter sido possível  prevenir, que deveríamos ter tido a obrigação de impedir que tal acontecesse.

 

Transformar esse grito de dor num texto de desvario de um indivíduo doente, de alguém que não respeita os doentes e que é perigoso, de alguém que merece ser desprezado porque teve a fraqueza e a força de se confessar em público, isso sim, eu acho muito preocupante.

 

Os médicos são pessoas como as outras que estão sujeitos a pressões e a stress como as outras, que têm vidas complicadas, como as outras, e que têm o direito a sofrer e a revoltarem-se contra si próprios e contra o mundo, como as outras. Inferir daí que não suportam a perda de regalias ou de status ou de poder, parece-me uma leitura absolutamente redutora.

 

O blogue está lá, para quem o quiser ler. Os comentários que lá estão são de quem quer que corra tudo bem porque, tal como o Besugo diz em vários posts ao longo de vários anos, ninguém merece ter um cancro.

 

E sim, Besugo, vai correr tudo bem.

 

Nota: recomendo outro post do Besugo.
 

Obscurantismo

 

Transformar as declarações de Saramago sobre a Bíblia num problema de falta de limites e de falta de respeito pelos crentes, de forma a exortá-lo a mudar de nacionalidade, é absolutamente inacreditável.

 

Saramago tem o direito de se pronunciar sobre o que quiser, assim como nós temos o direito de achar que o que ele diz é um enorme disparate. Mas achar que isto é motivo de ofensa, seja a quem for porque não gosta de Deus, não acredita em Deus e o acha má pessoa? E depois?

 

Acho que o eurodeputado social-democrata Mário David deveria ter, ele próprio, mais respeito pelos outros. Ah, e ler livros com pontos de vista diferentes dos nossos é sempre enriquecedor.

 

Continuo a achar as declarações de Saramago uma infelicidade. Mas estou cheia de curiosidade de ler o livro. A figura de Caim é fascinante.

 

Disputa presidencial

 

Não me espanta a sondagem cujo resultado é inédito na apreciação negativa da actuação do Presidente da República.

 

Mas se o descrédito de Cavaco Silva coloca o problema da reeleição ao PSD e aos partidos à sua direita, o problema não é menor à esquerda.

 

Parece-me descabido começar a lançar nomes para a praça pública, até pelo que demonstra de falta de soluções, como a hipótese de uma nova candidatura de Sampaio. Mas a esquerda vai ter que encontrar um candidato que possa aglomerar a esquerda e que possa seduzir o centro.

 

Manuel Alegre já não é solução. Ele próprio se foi encarregando de estreitar a sua base de apoio com as posições que foi assumindo ao longo destes últimos anos. Será que Marcelo Rebelo de Sousa avança mesmo? Não sei porquê, duvido. Marcelo é um nome que regressa ciclicamente, nestas ocasiões.

 

O que significa que deverão aparecer nomes novos, gente diferente, à esquerda e à direita, para a disputa presidencial. Ainda bem.