Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Co-incineração

por Sofia Loureiro dos Santos, em 27.02.06

A co-incineração, um processo de tratamento de resíduos industriais perigosos, foi objecto de um estudo aprofundado, com a formação de uma Comissão Científica Independente, (CCI) nomeada pela Assembleia da República, no tempo do governo Guterres (1999), cuja composição, objectivos, métodos de trabalho, etc, obedecia a um conjunto de leis emanadas pela mesma assembleia e pelo mesmo governo.

Ao contrário do que é habitual neste país, a dita CCI, presidida pelo Doutor Sebastião Formosinho, não só levou a cabo as tarefas que lhe foram incumbidas, como produziu relatórios, conclusões e recomendações, tudo obedecendo ao método científico que, pensava eu, tiraria as teimas relativamente aos alegados perigos para a saúde das populações.

É claro que, como os resultados cientificamente comprovados não eram os que convinham a determinados políticos, demagógicos e ignorantes, de todas as forças políticas, nomeadamente do PS, e estou a lembrar-me de Manuel Alegre e de Carlos Pimenta, por exemplo, deu-se o dito por não dito, a CCI já não era científica e muito menos independente e, o governo seguinte, de Durão Barroso, produziu abundante legislação para revogar a anterior.

Neste momento voltou a discussão. De 2002 até agora, nem co-incineração, nem incineração sem co, nem nada. Espero que, de uma vez por todas, pelo menos neste assunto, se esqueçam as politiquices, reatando o assunto onde ele foi deixado – no avanço deste processo de tratamento de resíduos industriais perigosos que, por essa santa Europa, parece ser razoavelmente seguro e tolerado.

A propósito, há um site com tudo (ou quase) sobre este processo Kafkiano.
http://paginas.fe.up.pt/~jotace/home.htm

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:57


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 04.03.2006 às 14:21

Olá João
E que tal o "expresso da meia-noite" de ontem?
Sem imagem de perfil

De João Villalobos a 03.03.2006 às 16:36

Muito bem Sofia! Straight to the point :)
Sem imagem de perfil

De pires a 13.09.2009 às 20:08

Na minha opinião a co-incineração é o método mais vantajoso de eliminação de resíduos tóxicos, visto que se torna menos dispendioso e mais eficaz. Este método, não produz novos resíduos perigosos e destrói com grande eficiência as moléculas orgânicas. Um bom exemplo disto, são as cimenteiras que, para aquecer os fornos, utilizam como forma de energia os resíduos tóxicos, que são altamente calóricos. Com a co-incineração quase todos os resíduos são eliminados, não produz novos resíduos perigosos e o custo da sua instalação é mais baixo, uma vez que recorre a infra-estruturas já existentes.
Mas este é um tema bastante conflituoso, que coloca em pontos opostos autarquias, governo e instituições ambientais. No caso da Secil de Setúbal, por exemplo, as Câmaras de Setúbal, Palmela e Sesimbra, apesar de concordarem com o processo da co-incineração, discordam com o local onde ele é realizado, uma vez que este tipo de processo retira alguma qualidade de vida aos seus habitantes, apesar do nível baixo de exposição aos agentes químicos. Este ponto de vista é também comum aos ambientalistas, que discordam igualmente da sua proximidade com as povoações. No meu ponto de vista, autarquias e ambientalistas estão correctos, pois o ideal seria que estas fábricas fossem deslocadas para longe das localidades e que, desta forma, não prejudicassem os seus habitantes. Bom seria se estas instituições se conseguissem entender e se, em conjunto, conseguissem encontrar soluções para o bem de todos. Como tal tem sido difícil, é melhor que a co-incineração exista e que nos ajude, a todos, a ter uma qualidade de vida um pouco melhor.
Considero, também que a co-incineração traz mais benefícios ao país, que desta forma evita a exportação destes resíduos, o que implica um gasto de cerca de 50 milhões de euros por ano.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg