Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Da poesia

(…) que a poesia para continuar a ser poesia, precisa de ser experienciada por alguém: é no encontro quase mágico entre a obra e o leitor que ela renasce. Na verdade, renasce sempre que é lida e só renasce quando e porque é lida: “Um livro” – diz o escritor argentino – “é um objecto físico num mundo de objectos físicos. É um conjunto de símbolos mortos. E então chega o leitor certo e as palavras (…) saltam para a vida e temos a ressurreição da palavra (…). Por isso podemos dizer que a poesia é uma experiência nova a cada vez”. (…)


REGRESSO À VELHA CASA

Na velha casa passou um rio
passou a cheia o tempo um arrepio.
Quem eu chamo já não vem.
Tanto quarto vazio
tanta sala sem ninguém.
E frio.

(poema de Manuel Alegre; pintura de Kate Hammett: The Old House)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.