Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Coral

por Sofia Loureiro dos Santos, em 16.05.22

coral.png

Conheci alguém que, de cada vez que fazia anos de casada, aparecia com uma joia nova, com muito ouro e muitas pedras preciosas, predominantemente brincos e anéis, que eram a prenda que o marido lhe dava pelo aniversario de casamento. Outra conhecida, bastante bem humorada e verrinosa, lançou o boato de que era a própria aniversariante que comprava as joias e não o marido, que não parecia nada o género comprador de ouros e que, para além do mais, tinha toda a pinta de nem se lembrar sequer da data.

Isto vem a propósito de hoje fazer 35 anos de casamento. É obra! 35 anos é já uma eternidade!

A internet diz-me que aos 35 anos se celebram as bodas de coral, nos sites brasileiros a que fui parar nesta importante pesquisa científica. E coral porque os corais marinhos levam anos a formar-se. Bem, de facto 35 anos já deve dar um belo coral terreno, já um ecossistema bem organizado e estável.

Decidi que este ano, para comemorar tanta construção e maturidade em união casamenteira, era a altura certa para o meu espantado marido me ofertar um colar, um anel ou uns brincos de intenso, duro, e intrincado coral. E decidi ainda que, tal como o boato que circulava em relação à pessoa que conhecia, seria eu própria a comprar as ditas joias, já que o meu querido marido achou que eu tinha endoidecido, pois nunca em 35 anos de casamento me viu querer qualquer adorno desse tipo, sendo mesmo militantemente contra as arrecadas e semelhantes.

Ao passar em frente a uma loja que vendia artefactos com cristais coloridos, comprei um colar, uns brincos e um anel, não de coral mas multicolores, para compensarem todos os outros anos, para além de anteciparem todas as próximas bodas até às de ouro.

Ele gostou e eu estou muito contente.

O resto do dia foi típico de um casal com 35 anos, resolvendo assuntos domésticos e empresariais, sempre a dois, amparados pelos intervalos gastronómicos, olhares e cantaroladas de paz e harmonia, pois que em dia de aniversário outra coisa não se espera.

Céu azul com algumas nuvens, numa viagem sem grandes sobressaltos, com exceção daqueles que mantém o coral vivo e a crescer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:53

Este lugar

por Sofia Loureiro dos Santos, em 25.04.22

site_cabecalho 25Abril22-01.png

Parlamento

 

Se estes 48 anos fossem um lugar, uma paisagem, um país de terra e mar com gente que vive, sofre, luta, ama e morre, ao lado de um país anterior, de terra e mar com gente que vivia, sofria, lutava, amava e morria, eu abriria as minhas fronteiras para que essa gente do país anterior pudesse viver no país de Abril.

É a mesma gente, a mesma terra, mas é uma outra paisagem, um outro clima, uma outra natureza. Há ventos e maremotos de liberdade, culturas de democracia, prados vermelhos de cravos e poemas.

Estes são os 48 anos do meu país, do meu país de Abril. Temos ainda parcelas de eternidade até ao próximo lugar, que construiremos com esta gente, desta terra, que vive, sofre, luta, ama e morre, colhendo com esforço e leveza alguns momentos de felicidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:17

Proibido por inconveniente

por Sofia Loureiro dos Santos, em 23.04.22

proibido por inconveniente.jpg

No antigo edifício do Diário de Notícias, ao cimo da Avenida da Liberdade, junto ao Marquês de Pombal, está a exposição Proibido por inconveniente, organizada a partir do espólio Ephemera de José Pacheco Pereira.

Simples, sóbria e muito eficaz, damo-nos conta de todas as áreas aonde, durante 48 anos - a sociedade, as ideias, os filmes, as notícias, os livros, os filmes, as opiniões, desde as políticas às religiosas, da Guerra Colonial aos direitos das mulheres, da sexualidade à moralidade e costumes - eram passadas a pente fino pelos olhos dos inquisidores, mantendo um povo anónimo, cinzento, sem sobressaltos sentidos e sem alma visível.

Junto o exemplo da avaliação do livro A Criação do Mundo, de Miguel Torga, e Jesus de Nazaré, de José da Felicidade Alves.

miguel torga censura.jpg

Miguel Torga - A Criação do Mundo

jose da felicidade alves.jpg

José da Felicidade Alves - Jesus de Nazaré

A liberdade e a democracia são nossa responsabilidade diária. Convém que nos lembremos do que era antes de 25 de Abril de 1974.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:35

Desamor

por Sofia Loureiro dos Santos, em 17.04.22

erosion.jpg

Erosion

Penny Hardy

 

Nunca será demais a palavra que se cala

perante a dor do desencontro

o fundo e inexplicável vazio do desamor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:27

Da eternização em círculo

ou de como nunca saímos do mesmo sítio

por Sofia Loureiro dos Santos, em 17.04.22

vaca.jpg

 

A propósito de um artigo que apenas li hoje, no Expresso, de Joana Ascenção e Sofia Miguel Rosa, sobre a partilha da licença de parentalidade, fui reler algumas coisas que eu própria tinha escrito sobre o mesmo tema, em 2008! Passaram-se 14 anos.

Depois, porque estava no mesmo grupo de artigos que apareceram com a palavra licença, li também um texto sobre as notícias da saída de médicos do SNS para o privado. Esse texto é de 2009, portante de há 13 anos.

É extraordinário como os problemas se eternizam, sempre com grandes artigos cheios de opiniões, sentenças e, supostamente, novidades, que têm tudo menos o facto de serem novas. Catorze e treze anos depois, continuam as mesmas discussões, sem que nada de diferente se tenha realizado, sem que qualquer solução se tenha implementado.

Estamos condenados a uma ruminação permanente. De quando em quando regurgitamos as nossas doutas sapiências.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:53

Páscoa

por Sofia Loureiro dos Santos, em 13.04.22

Lamentación_sobre_Cristo_muerto,_por_Andrea_Mante

Andrea Mantegna

Cristo morto

 

Cristo vai morrendo serena

e diariamente sem remédio nem retorno

dos pecados que o mundo lhe oferece

na eternidade da paixão que ressuscita.

Entre pedras tumulares e gritos de espanto

Cristo morre e levita

sem sentido nem perdão

atraiçoado pela fé que em si e em nós

deposita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50

Europe stands with Ukraine

por Sofia Loureiro dos Santos, em 09.03.22

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:38

De mulher

por Sofia Loureiro dos Santos, em 08.03.22

tree of life.jpg

Zaan Claassens

 

De mulher temos os ramos

por onde trepam angústias e segredos

e sofremos os ninhos

remendando asas e nuvens

de rosas e espinhos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40

Guerra

por Sofia Loureiro dos Santos, em 06.03.22

The Telegraph

 

As imagens entram pelos nossos olhos sem intervalos. A destruição o medo, os destroços, os estrondos, as lágrimas, o espanto, o indizível subitamente real e feroz.

Que fazer? Até onde e quando se poderá permitir a escalada?

Putin não vai parar. E nós a assistir.

Não sei muito bem como nem quando, mas todos vamos ser chamados a participar nesta guerra. A apoiar quem precisa. Se não for pior, haverá uma recessão económica mais grave e duradoura que aquelas que passámos.

Tristes tempos nos esperam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:54

A crueldade das boas intenções

por Sofia Loureiro dos Santos, em 03.03.22

protestos russia.jpg

São Petersburgo (24/02/2022)

No frenesim de apoiar os ucranianos, que defendem o seu país da invasão da Rússia, um estado ditatorial imposto por Putin, estão a atingir-se proporções assustadoras no que diz respeito à massificação do espectáculo que é a solidariedade e às boas intenções dos povos democráticos.

Mas, como em tudo, não há bons e maus, heróis e vilãos, por muito que seja isso o que a inundação mediática nos faz crer. O mundo livre, nomeadamente os países da União Europeia e os EUA, combate a Rússia, não os russos.

No mundo livre e democrático, ninguém deve ser obrigada a dizer quais as suas opções políticas. Ninguém deve ser perseguido pelas suas opiniões ou pelo silêncio sobre elas.

Considero uma aberração, compreensível, mas não deixando de o ser, as várias manifestações de bulling à comunidade russa portuguesa, tal como aos intelectuais que não se declaram contra a invasão e contra Putin. Num país em que o uso da palavra guerra é considerado traição, parece-me incrível que os corajosos intelectuais ocidentais, sentados confortavelmente nas suas sociedades livres e democráticas, julguem aqueles que pagam com a sua liberdade e a sua vida a manifestação de discordância perante o poder autocrático de um ditador.

Ainda por cima vindo de tantos que, por exemplo em Portugal e durante a ditadura, tiveram que assinar documentos em que negavam ser comunistas ou participar em actividades subversivas para que pudessem manter o emprego.

A liberdade deve ser para todos, de se manifestarem ou de não se manifestarem. Tenho as maiores dúvidas sobre os boicotes culturais e sobre a condenação de quem não expressa o que, subitamente, se tornou na nova verdade inquestionável e soberana. Tenho as maiores reticências à censura de canais de televisão e de agências de informação.

Tenho um enorme cepticismo sobre estas ondas mediáticas intensíssimas e fugazes, que se arriscam a soçobrar perante o peso do ruído omnipresente.

Tenho uma enorme desconfiança a tantos postos de trabalho já disponíveis a quem foge da guerra. Será que já se esqueceram dos médicos, engenheiros, professores, músicos e tantos outros técnicos qualificados que, durante anos, alimentaram a mão de obra barata da construção civil e do serviço doméstico, sem que o país lhes reconhecesse as competências e pudesse oferecer-lhes os empregos correspondentes às suas qualificações?

Há muita crueldade nestas ondas mediáticas de apoios, julgamentos e solidariedades, muitas vezes postiças e fúteis. Espero que esteja enganada, pois esta guerra vai durar e destruir ainda muitas vidas. E nós vamos esquecer depressa as boas intenções e regressar rapidamente às nossas vidas em que o medo do outro e o preconceito são reis.

A não ser que também façamos parte da destruição. E mesmo na dor e no sofrimento, a solidariedade é uma rara ocorrência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:43


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg