Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

A nova Ministra da Saúde

marta temido.JPG

Nuno Ferreira Santos

Público

 

Se tem propostas polémicas é bem vinda. Com algumas delas concordo, já há bastante tempo. Espero que as possa colocar mesmo em prática.

 

É urgente mudar e adaptar o SNS às novas realidades. Já o era há uma década, agora é ainda mais.

 

(17.01.2015)

(...) Continuo à espera que o PS, como partido que procura uma maioria absoluta para governar este desgoverno, proponha uma reforma, reestruturação, ou outra qualquer palavra que tenha um significado semelhante, com as seguintes prioridades:

  1. Investir nos cuidados primários de saúde – descentralizar o sistema deslocando a porta de entrada dos doentes para os seus centros de saúde, afastando-as do sistema hospitalar;
  2. Prover esses centros de saúde com meios de diagnóstico de rotina, próprios ou contratualizados, para que possam tratar e seguir doentes com patologias crónicas;
  3. Prover os centros de saúde de consultas de especialidade por especialistas, que possam acompanhar os doentes na comunidade, em vez de terem que sobrecarregar os hospitais, incluindo pequenas cirurgias, estomatologia, oftalmologia, etc, para que permitisse a saudável e indispensável convivência interdisciplinar com os médicos de medicina geral e familiar;
  4. Rever e providenciar para que as carreiras de enfermagem e de técnicos de diagnóstico e terapêutica possam assumir determinadas funções que, ao contrário de retirarem competências aos médicos os ajudam e os preservam para actos e funções que só eles podem fazer, com a respectiva formação e recertificação de competências;
  5. Rever e reestruturar as redes e os serviços hospitalares, começando por definir as prioridades de atendimento e de serviços oferecidos, com base no conhecimento das patologias e realidade/ dimensão das populações – investir em centros de estudo epidemiológico, estatístico, como o registo oncológico nacional, etc.
  6. Reajustar e renovar os quadros de recursos humanos, em todas as vertentes, mantendo uma estrutura que permita a formação dos mais novos e a optimização e eficiência do funcionamento dos serviços
  7. Alterar as remunerações do pessoal de saúde, com uma avaliação do desempenho real e rigorosa, adaptada a cada área e a cada função, motivando e premiando o mérito
  8. Apoiar e incentivar a formação contínua, a recertificação e a acreditação dos serviços e dos profissionais, numa cultura de verdadeira aposta na qualidade – redução dos riscos. (...)

 

Ruídos

agora3ok.jpg

Magdalena Abakanowicz

 

 

O ruído ensurdecedor da vida que baralha

a luz as cores a vibração do mundo.

Para onde foram as arrumações que o destino

organiza fora dos olhos que me habituei a usar?

 

Já não encontro as coordenadas do meu corpo

perdi-me nos labirintos da mansidão

na penumbra que me envolve e sustenta

não mais que uma sombra que se ausenta.

Um dia como os outros (187)

UmDiaComoOsOutros.jpeg

(…) Porque já tivemos muitas versões - até do que foi roubado. Em julho do ano passado, menos de 15 dias após o "roubo", o então chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, general do Exército Pina Monteiro, afirmou que parte do material furtado estava "para ser abatido", e outra parte não tinha condições para ser usada de forma eficaz. Ou seja, os ladrões, que claramente sabiam tudo sobre o funcionamento da base e do material que lá estava e onde, tinham roubado coisas, na maioria, imprestáveis? Quê, por piada? Mais de um ano depois, tendo o material sido alegadamente recuperado (com uma caixa de petardos "a mais", disseram-nos, e 1450 munições a menos), tal confirmou-se? Não sabemos.

Não sabemos nada. Não sabemos porque é que foram feitos dois buracos na rede da base de Tancos - um não chegava? Não sabemos como foi possível 300 quilos de material serem levados, supostamente a pé, num trajeto de 420 metros, até a um desses buracos, ainda por cima - se as imagens da "recuperação" do material postas a circular pelo exército são verdadeiras -, em paletes de madeira, coisa maneirinha, boa de levar às costas. Não sabemos como é possível que numa base onde a chefia sabia que tinha videovigilância, sensores e eletrificação da cerca inoperantes não existiam sentinelas nem rondas eficazes e não tenha havido disso consequências (à exceção de três processos disciplinares a baixas patentes).

Não percebemos como pode haver uma operação fantoche para "recuperar" as armas com acusações cruzadas entre três militares do Exército, um dos quais, Luís Vieira, ex-diretor da Polícia Judiciária Militar (preso preventivamente) e outro Martins Pereira, o ex chefe de gabinete do ministro e atual adjunto do chefe do Estado-Maior do Exército - e este último, Rovisco Duarte, que todos nomeou e superintende, ficar mudo e quedo como se não fosse nada com ele.

Não percebemos como pode o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, almirante Silva Ribeiro, calar-se ante toda esta fantochada.

Não percebemos como pôde o ministro agora demitido dizer, em setembro de 2017, em entrevista ao DN/TSF um mês antes da "recuperação", esta frase sibilina - "No limite, pode não ter havido furto nenhum. (...) Podemos admitir que o material já não existisse e tivesse sido anunciado... e isto não pode acontecer" -, uma frase em que põe a hipótese de todo o caso ser uma fabricação, uma sabotagem, e portanto um ato de traição perpetrado no seio do Exército, e isso não ter consequências. (…)

(…) Por exemplo o ex-porta-voz da PJM, Vasco Brazão, atualmente em prisão domiciliária, garante que esteve, no fim de 2017, numa reunião com o ex-diretor da PJM e o então chefe de gabinete do ministro, na qual foi entregue um memorando com toda a história da inventona ao chefe de gabinete (com o objetivo, alega, de o ministro retirar a PJ do rasto - mas, ainda que mal pergunte, ao CEME, seu chefe direto, nada teriam dito?). Contraditado quer pelo ex-diretor da PJM quer pelo ex-chefe de gabinete, Brazão diz, segundo o Expresso de ontem, que tem o memorando em causa e que vai dá-lo ao MP para ser analisado em busca de impressões digitais. Portanto o memorando entregue afinal ficou com ele? Já o atual adjunto do CEME certifica ter dado a "documentação verdadeira" ao MP. Ou seja, levou-a consigo quando saiu do ministério? Isto agora é assim, levam-se papéis do governo para casa quando se sai do governo e ainda se tem a lata de confessar?

"Um dia havemos de saber o que cada um sabia sobre esta história de Tancos", disse, um dia antes da demissão de Azeredo, e tão sibilino como o seu ex-ministro, o PM no debate quinzenal. Talvez venhamos a saber, talvez não. Mas já sabemos isto: da desonra o Exército não se livra. E da suspeita de que, como todos antes de si, não sabe como pôr as Forças Armadas e as forças ocultas que nela medram na ordem, o governo não se safa.

 

Fernanda Câncio

Asfalto

portinari.jpg

Retirantes

Portinari

 

 

As palavras decapitadas pingam no asfalto

seguem gritos de pena e balas

morros de terra abatidos navios de prata

que abrem a serenidade do esquecimento.

Sangram as palavras derretidas no asfalto

da morte tatuada nas almas dementes.

 

Do que nos assombra

O circo à volta do assalto de Tancos e da pretensa devolução das armas roubadas, com as suas cumplicidades escondidas ou escancaradas nas cartas anónimas e nos memorandos de militares, tudo inqualificável, risível e grotesco, já levou à demissão do Ministro da Defesa, mas sem qualquer assomo de assumpção de responsabilidades de qualquer das chefias militares, o que é assombroso.

 

Mas convém que não nos esqueçamos do cerne da questão – alguém roubou armas (ou não?), alguém conspirou para as devolver (porquê, como e a que propósito?) e é essencial que se descubra o que, de facto, aconteceu. É tudo muito mau, pequenino, mesquinho e idiota.

 

No entanto a remodelação governamental resultante foi boa, e uma forma de António Costa fugir um pouco da pressão político-mediática que se tinha instalado. Aguardemos os próximos capítulos deste romance de cordel.

 

O inenarrável

O próximo Presidente brasileiro será uma criatura inenarrável, que defende a tortura, a violação das mulheres, o esterilização dos pobres, o assassinato de "corruptos", incluindo o antigo Presidente Fernando Henrique Cardoso, que é homofóbico, etc., etc., etc.

 

E isso acontecerá porque a maioria dos brasileiros que votam, em liberdade, vão escolher essa criatura inenarrável. Chegamos à conclusão de que a maioria dos brasileiros, que votam em liberdade, ou são inenarráveis ou querem ter um Presidente inenarrável. Também nos EUA e noutros países da Europa tem havido escolhas semelhantes.

 

É assustador, mas é a realidade.

 

A (falta de) Justiça

Justica_Alfredo_Ceschiatti.jpg

Alfredo Ceschiatti

 

 

Temos uma remodelação institucional, de valores e de práticas. A presunção de inocência e a Justiça são conceitos que, neste momento, não têm qualquer significado.

 

Cristiano Ronaldo foi e é acusado de violação. As reacções nas redes sociais e nos restantes media ditarão o seu futuro e o da acusadora. Não serão os tribunais, o apuramento dos factos ou as eventuais confissões de qualquer das partes. Cristiano Ronaldo, culpado ou inocente, vai ser mastigado pela opinião pública porque é muito mais importante à Juventus, à Nike e à EA desportos, que têm com ele relações profissionais, projectarem uma imagem de moralidade do que esperarem os mais vagarosos trâmites da justiça.

 

Em relação a Kathryn Mayorga também não interessa se foi ou não violada. Em Portugal os amantes de futebol e de Cristiano Ronaldo já decidiram que ela é uma devoradora de dinheiro e que, mesmo que tenha sido violada, já sabia ao que ia ao aceitar subir ao quarto de Cristiano Ronaldo. A tese dos homens predadores e da culpa das mulheres provocadoras, velha como o mundo, é um dos sustentáculos da sociedade machista que continuamos a ser.

 

Estamos a criar uma sociedade cruel e sem regras. As discussões sobre qualquer assunto ganham de imediato contornos de guerras assassinas, sem que as Instituições tenham capacidade para seguir o percurso das investigações e do apuramento de responsabilidades. As barragens são de tal ordem que se esquecem os núcleos para se ficar com as pontas, lançando-se véus sobre tudo e misturando tudo na mesma impunidade.

 

No caso de Tancos, o Expresso, conhecido por criar factos políticos, lançou já o mote para a culpabilização do Ministro da Defesa, com a suspeita de envolvimento do mesmo pelos responsáveis na encenação da descoberta das armas roubadas. Claro que a palavra destes oficiais já foi elevada à dos homens de honra, enquanto os desmentidos do Ministro são olhadas como desculpas de um malfeitor. Entretanto o facto em si – o roubo das armas e o seu encobrimento – deixa de ser importante. É claro que o Ministro da Defesa tem sido um desastre, mas daí até ser conivente com uma farsa deste tipo, é um grande salto. Em relação aos responsáveis hierárquicos na cadeia de comando das Forças Armadas, ninguém assume responsabilidades.

 

O mais grave de tudo isto é que não sabemos em quem confiar nem em quem acreditar – se no Ministro, se nos militares encobridores, se nos eventuais violadores, se nas eventuais violadas. Não há limites nem fronteiras, tudo se mistura perigosamente.

 

Nota: vale a pena ler Ferreira Fernandes

Don't let anyone tell you how to drink your whisky

IMG_20181002_170435.jpg 

 

Edimburgo é uma cidade muito agradável, elegante, com gente simpática, de aspecto próspero. Está muito frio e muito húmido, as cores escuras dos prédios, das igrejas, do Castelo, contrastam com as cores vivas do quadriculado dos tartans. Muitos restaurantes e bares, com várias ofertas bio, orgânica, vegan e tradicional, stew, cerveja e whisky.

 

 

 IMG_20181003_124150.jpg

 

A prova do whisky é uma obrigação turística mas que não me custou nada a cumprir. Depois de uma subida acentuada até ao Edinburgh Castle, nada melhor que retemperar as forças no Ambar Whisky Bar.

 

IMG_20181002_182209.jpg

 

Serviram-me, por ordem de prova, acompanhados de uma tábua de queijos, uvas, salada de alfaces, chutney, pão e bolachas:

  1. Auchentoshan American Oak Lowlands Single Malt Scotch Whisky
  2. anCnoc 2002 Highlands Single Malt Whisky
  3. Dailuaine 16 Year Old Speyside Single Malt Scotch Whisky
  4. Lagavulin Distillers Edition Islay Malt Whisky

O barman, um rapaz bastante escocês e muito simpático, disse-me que provasse os whiskies plain e se visse necessidade, juntasse uma dash of water.

 

IMG_20181002_180902.jpg

 

Depois percorri mais uns quilómetros, pela Royal Mile, descendo até à Princess Street e subindo de novo até à Morrison Street. Eu, que me perco em qualquer lugar, sempre de mapa em punho nunca me enganei. Deve ter sido do whisky.

 

IMG_20181002_191259.jpg