Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Dos inevitáveis fins

Regressámos ao Luxemburgo, após uma excelente e repousante noite num motel absolutamente surpreendente pela qualidade, integrado num supermercado, com um quarto espaçoso, uma casa de banho excelente e uma oferta de café Nespresso à chegada. O pequeno almoço esteve à altura, com o melhor café da temporada, pão, queijo, fruta, enfim, uma delícia.

 

O sol despediu-se também, com o fim das férias. Intensa chuva, Luxemburgo caótica, cheia de carros, trânsito e obras.

 

Esta foi uma viagem desejada há bastante tempo. Visitar a zona de fronteira franco-alemã, local da permanente instabilidade na Europa ao longo dos séculos XIX e XX, desde a Guerra Franco-Prussiana à II Guerra Mundial, passando pela I Grande Guerra, é muito importante para entender as pulsões nacionalistas, como elas são importantes e podem ser manipuladas para se atingirem objectivos de poder expansionista, ver onde se sofreu e fez sofrer, onde se dizimaram populações, onde se praticaram coisas inimagináveis em nome de uma imaginada superioridade natural e genética. É mesmo uma das melhores formas de não repetirmos erros e massacres.

 

Nunca é demais percebermos que somos seres capazes do melhor e do pior, que a luta pela sobrevivência pode levar às maiores vilezas, mas que o sentimento de solidariedade e amor pelo próximo existem, são mais do que quimeras religiosas ou frases feitas, e são essenciais para a continuação da nossa espécie e até do nosso planeta. Novos perigos se aproximam, ou se calhar são velhos, mas com o verniz do tempo a reclamar actualidade. Saibamos ultrapassá-los com os olhos, o pensamento e o sentimento bem ancorado na reflexão do que se passou, porquê e como, para que não volte a passar-se.

 

Foram 10 dias muito felizes e intensos. Viajar é das melhores coisas do mundo. Pelo que de bom encontramos, de diferente aprendemos, do novo que nos inspira, mas também pelo apreciar do que de bom, ou mesmo de melhor nós temos para oferecer, neste nosso canto que tantas vezes diminuímos e desprezamos. E então quando se tem uma viagem tão bem planeada por um guia privado e particular, o sucesso está garantido.

 

Falta-me ainda referir a satisfação pela vitória de Salvador Sobral na Eurovisão, que me apanhou em Nancy. Confesso que já há muitos anos que não assistia ao festival. As músicas, convenhamos, têm sido horríveis e todas iguais. Este ano ouvi a canção portuguesa na Rádio Comercial e fiquei rendida. É melodiosa e despretensiosa e tem uma letra que cola com a música. Na realidade nunca pensei que Portugal ganhasse. Pode ser que seja um bom presságio e que o festival mude um pouco e deixe de ser um conjunto de inanidades a todos os níveis. Parece que o público está a fartar-se de idiotices. Parabéns a todos os que contribuíram para este desfecho, principalmente aos irmãos Luísa e Salvador Sobral.

Bastogne

bastogne.jpg 

 

Cidade belga que, em Dezembro de 1944 e durante a Batalha das Ardenas, foi cercada e palco de um combate sangrento entre alemães e aliados, mais precisamente de algumas divisões do exército americano.

 

A batalha iniciou-se a 16 de Dezembro de 1944, com o ataque surpresa das forças alemãs, e terminou no fim de Janeiro de 1945, com a retirada das mesmas forças, para trás das suas posições iniciais. Bastogne era uma pequena cidade importante pela sua posição estratégica, na convergência das principais vias de comunicação (estradas).

 

IMG_20170518_141805.jpg

 

A cidade foi cercada pelos alemães. Um Inverno rigorosíssimo, com o céu fechado aos aviões e temperaturas abaixo dos 15 graus negativos, levaram as tropas americanas e a população aos limites do esforço e da resistência, sem possibilidade de serem reabastecidos, substituídos ou tratados, com medicamentos, agasalhos e comida em falta. Mas nem assim os alemães conseguiram a sua rendição, a cuja resposta responderam “Nuts” (ou pelo menos foi o que se imortalizou) pela boca do General Anthony McAuliffe, comandante da 101ª Divisão Aerotransportada dos EUA.

 

Bastogne-McAuliffe-500x383.jpg

 

O dia estava bastante cinzento e chuvoso, mesmo a convidar para o passar entre portas. O Bastogne War Museum está bastante interessante, com 3 pequenos filmes em que se dramatizam as histórias de 4 protagonistas, bem à maneira americana, em que tudo se personaliza para fazer as pessoas sentirem-se identificadas com a História. Os personagens são uma criança de 13 anos, uma professora de 24 anos (ambos belgas), um militar americano e um militar alemão.

 

Entre os filmes passamos por várias salas profusamente ilustradas e com explicações de enquadramento da batalha das Ardenas, explicando os antecedentes da II Guerra Mundial, a ascensão das ditaduras, a eclosão da guerra e as consequências do pós-guerra com a reorganização mundial e a guerra fria.

 

war museum 1.jpg

 

Gostei muito do museu e penso que vale a deslocação. Cruzámo-nos com um grupo de excursionistas provenientes, penso eu, de um lar de 3ª idade, muitos em cadeiras de rodas. Pelas respostas dos acompanhantes - Non Simone, nous sommes au musée – para uma senhora que não se dava contado que estava a fazer; Albert! Albert! – chamava outra acompanhante por um velhote que parecia querer escapulir-se a todo o custo, sabe-se lá para onde; os auscultadores que eram fornecidos à entrada, com as explicações em francês ou inglês, estavam colocados nos sítios mais inusitados da cabeça, pouco coincidentes com os canais auditivos… Enfim, o restaurante com a refeição que os aguardava pode ter sido o verdadeiro objectivo e o ponto alto daquela manhã.

 

war museum 2.jpg

 

Bastogne está grata aos americanos. É também um dos pontos da Via da Liberdade, justamente assinalada com o seu marco. Outro acontecimento imortalizado por uma rotunda com esculturas em ferro, é a prova de ciclismo Liège-Bastogne-Liège, de cuja existência desconhecia totalmente.

 

ciclismo.png

 

Choveu o dia todo. No dia seguinte a viagem terminava.

A caminho de Bastogne

place ducale 1.png

Place Ducale

 

Antes de Bastogne, cidade mítica e mártir, aonde se defrontaram, num Inverno duríssimo, as forças alemãs e americanas, fizemos o caminho por Sedan, parando antes em Charleville-Mézières, uma vila resultante da reunião de duas: Charleville e Mézières. Muito bom tempo, uma vila muito bonita, com a sua Place Ducale, construída em 1606 e semelhante à antiga Place Royal de Paris (actual Place des Voges), onde conseguimos um lugarzinho num dos muitos cafés-restaurantes em baixo das arcadas.

 

place ducale 2.png

Place Ducale

 

Chegámos a Sedan à tarde, já um pouco apressados porque queríamos ir visitar o Castelo de Sedan. Na realidade, durante a II Guerra Mundial, este forte não impediu que a Alemanha escolhesse esta área para a invasão da França, que não esperava o ataque por esse lado, tendo arrasado a cidade, que foi reconstruida após o término do conflito.

 

Mas é muito difícil visitar museus (e outras coisas) em França: abrem apenas a partir das 10:00h e, na prática, encerram por volta das 16:00 - 17:00h, conforme o tempo que duram as visitas, guiadas ou não, já não sendo possível entrar a partir dessas horas pois já não há tempo de terminar até às 18:00h. Mais uma vez já não chegámos a tempo.

 

Não me deixou saudades. No dia seguinte, bem cedo, partimos em direcção a Bastogne.

Das rendições champanhesas

hotel-aux-sacres-reims.jpg

 

E chegou o radioso dia 16 de Maio, dia de Reims, champanhe a rodos e visita às respectivas caves.

 

Os planos estavam perfeitos. Passávamos por Ludes, nos arredores de Reims, para uma visita à Maison de Champagne Canard-Duchêne, seguida de uma maravilhosa degustação do maravilhoso líquido, até porque estávamos lá por volta do meio-dia, altura mais que perfeita para um aperitivo. Pois não, não dava. Désolée Madame, mais je suis seule e tenho um grande grupo para atender. Não era possível durante o dia todo. Paciência, iríamos mesmo a Reims.

 

Cathédral.jpg

Catedral de Reims

 

chagall reims.jpg

Vitrais de Marc Chagall

 

Começámos por deixar as malas no Hotel (o check in era só a partir das 14:00h). Muito simpático, pequeno mas suficiente para uma noite. A recepcionista, jovem escorreita e sorridente, mostrou-nos no mapa da Reims os locais mais importantes a visitar, nomeadamente duas grandes casas de champanhe, o centro da cidade, os locais para comer e a indispensável catedral, tudo onde se poderia facilmente ir a pé. Perfeito: depois de um almoço mais ou menos rápido, em que ingerimos uma óptima tábua de queijos, pusemos pés ao caminho, à torreira de um sol inclemente que ardia nos 27 graus, à desfilada pelos quilómetros infindos em busca das caves de champanhe. Uma hora depois entrámos esbaforidos por um enorme edifício, onde uma senhora muito sofisticada nos disse que só tínhamos lugar na última visita, em inglês, uma hora e meia depois. Como não tínhamos tempo de ir e voltar a outros locais, desistimos de esperar tanto tempo.

 

Decididos a deixar o champanhe para o jantar, arrancamos mais uns quilómetros para a catedral. Absolutamente espantosa. Enorme, majestosa, com lindíssimos vitrais, este local de sagração de tantos reis franceses, resistente aos bombardeamentos da I Guerra Mundial, é uma obra que nos exorta ao sagrado. A sua restauração só foi inaugurada em 1937, pouco antes do eclodir da II Grande Guerra.

 

catedral reims 14 18.jpg

Reims depois dos bombardeamentos (1914 - 1918)

 

O Museu da Rendição de 7 de Maio de 1945 teve que ficar para o dia seguinte, visto que fechava às terças-feiras. Mas valeu bem a pena. Localizado no antigo Collège Moderne et Technique (actual liceu Franklin-Roosevelt) onde Eisenhower instalou a  Quartel General Supremo das Forças Expedicionárias Aliadas (QGSFEA) entre 1944 e o fim da guerra, o museu conserva a sala onde foi assinada a rendição incondicional da Alemanha, pelo General Alfred Jodl (posteriormente julgado e condenado à morte em Nuremberga). Os mapas nas paredes, a mesa, as cadeiras, a identificação dos protagonistas, arrepiam e comovem quem a visita. Antes podemos assistir a um pequeno filme que explica como se passaram aqueles dias e também a necessidade de repetição da cerimónia da rendição, em Berlim, a pedido de Estaline, desta vez pelo Marechal de Campo Wilhelm Keitel (também julgado e condenado à morte nos mesmos julgamentos).

 

sala rendicao 1.png

Sala da rendição

 

rendicao 2.png

 Declaração de rendição

 

O jantar anterior começou, de facto, com champanhe, numa esplanada agradável, comemorando 30 anos de planos que deram certo, outros não concretizados, muitas boas surpresas, algumas bem inesperadas, dias solarengos e outros cinzentos e de desilusões. É mesmo assim que tenho vivido, mais de metade dos anos que carrego, em excelente e grande companhia.

Verdun

IMG_20170515_170652.jpg

 Ossuário

 

A Batalha de Verdun escreveu uma das mais devastadoras páginas da nossa História, da primeira metade do século XX, com a morte de cerca de 300.000 soldados franceses e alemães. Toda a área à volta de Verdun, agora verdejante e bucólica, é um imenso cemitério. Disso nos damos conta quando visitamos a Citadela subterrânea da Praça Fortificada de Verdun, com um muito bem conseguido percurso animado com projecções cinematográficas a 3 dimensões, retratando vários episódios-tipo da vida dos Poilus.

 

citadelle verdun.jpg

 Citadela de Verdun

 

No Fort de Douaumont, onde chegaram a estar 3.000 soldados, deambulamos pelos labirínticos e gelados corredores e salas, imaginando o que era estar ali, sofrendo em permanência os bombardeamentos, dos quais os terrenos envolventes literalmente aos buracos são testemunha, para além dos restos das trincheiras que aí se vêem. Por todo o lado encontramos cemitérios militares, pequenos grupos de túmulos com os nomes daqueles que ali morreram.

 

 FortDouaumont.jpg

Forte de Douaumont

 

Fizemos a via sacra de Verdun a Bar-le-Duc - uma estrada que permitia o abastecimento das tropas em Verdun - assinalada por marcos quilométricos encimados por une casque. Também, entre Verdun e Reims, percorremos um pouco da via da liberdade, que simboliza o caminho da libertação de França, Bélgica e Luxemburgo, efectuado pelo 3º Exército americano, comandado pelo General Patton, na II Guerra Mundial.

 

IMG_20170515_122340.jpg

via sacra

 

IMG_20170516_094356.jpg

via da liberdade

 

O Ossuário de Douaumont é absolutamente esmagador. Como foi possível, depois de todo aquele desperdício de vidas humanas que, 20 anos depois, novo conflito mundial tenha surgido? Será que as negociações de Chamberlain com Hitler não teria sido uma tentativa de evitar uma nova mortandade?

 

 IMG_20170516_110431.jpg

Cemitério militar, perto de Reims

 

Pergunto-me muitas vezes se os cidadãos da nossa sociedade europeia actual aceitariam combater da forma como o fizeram os jovens (e os menos jovens) nas Guerras Mundiais, principalmente na Grande Guerra. Na verdade, quantos daqueles soldados, de qualquer dos países envolvidos, tinha sequer saído da sua terra natal? Quais as suas motivações, para além da doutrinação que provavelmente era feita, na altura da mobilização e do treino militares? Seria hoje possível uma tal mobilização, uma tal doutrinação, uma tal entrega? Por outro lado, se calhar as próximas guerras mundiais não se centrarão em bombardear casas e pessoas, matar e esventrar países e continentes, bastam ataques informáticos para desestruturar a vida dos países e das pessoas.

 

IMG_20170515_162941.jpg

trincheira em Verdun

 

Em Verdun a nossa alma encolhe. Quanto podem os homens fazer mal a si próprios e, ao mesmo tempo, quanto podem os homens sacrificar-se por si e pelos outros. Após um século convém lembrar a realidade daquilo que ninguém imaginava ser possível a 27 de Julho de 1914.

En passant par la Lorraine*

place stasnislav.png

Place Stanislas

 

De Estrasburgo para Nancy a paisagem é semelhante mas a cor das casas vai-se modificando, mais pálidas, sem traves que se entre-cruzam. Nancy apresenta-se bastante movimentada, principalmente à noite, em torno da Place Stanislas, em que as portes flamandes que unem os edifícios que enformam a praça, de estilo rococó, dão uma cor ocre e luminosa devido ao ferro com que são construidas. As ruas que para lá convergem estão pejadas de gente nova e menos nova, que conversa descontraidamente e bebe uns copos. Há inúmeros cafés com esplanadas formigando.

 

A etapa seguinte - Metz - foi um pouco decepcionante, talvez por ser domingo, o que desertificou as ruas e fechou as portas das casas comerciais e dos restaurantes. Demos uma pequena volta a pé, até ao Centre Pompidou, e resolvemos continuar até Verdun.

 

IMG_20170514_114548.jpg

Centro George Pompidou

 

Pelo caminho passámos por Gravelotte, local de uma importante batalha da guerra franco-prussiona. Repentinamente demos conta da existência do Musée de la Guerre 1870, mesmo em frente ao Cemitério de Gravelotte, muito interessantes, onde pudemos visitar a exposição permanente sobre essa batalha de 16 (mais precisamente em Rezonville) e 18 (mais precisamente em Saint-Privatt) de Agosto de 1870, onde a quantidade de soldados franceses e prussianos mortos e/ ou a quantidade de fuzilaria originaram a expressão tomber ou pleuvoir comme à Gravelotte. A batalha foi perdida pelos franceses e, nessa guerra, a Alsácia e a Lorena foram anexadas à Alemanha, perdidas de novo, após a I Guerra Mundial para a França.

 

 

Gravelotte_Musee.jpg

Museu de Gravelotte

 

cemitério de gravellote.jpg

 Cemitério militar de Gravelotte

 

Chegados a Verdun foi fácil encontrar o Hotel, cuja fachada nos deixou em guarda - parecia um prédio e uma estalagem semelhante a uma outra onde, há muito anos já, tínhamos ficado numa vila portuguesa fronteiriça, a que chamámos a Pensão do Alcino. Infelizmente não era só a fachada. O quarto era bastante acanhado, com as paredes brancas totalmente nuas, uma cama de casal baixa, apenas revestida pelos lençóis e pelo edredão, umas mesas de cabeceira que não eram mais que umas tiras retorcidas de contraplacado oco, uma mesa pregada à parede, em riscos de ser arrancada para ajeitar o espaço, e uma casa de banho minúscula.

 

No entanto as janelas eram grandes e abriam-se para um espaço cheio de árvores, a água do duche era forte e revigorante, o colchão confortável. Parecia uma cela de um mosteiro. Na entrada do hotel estava uma miniatura de uma mota, se calhar lembrando a condição de motard do dono. Enfim, jantámos umas sanduíches literalmente gigantescas, feitas na Boulangerie mesmo em frente, com jambom et emmental, numa verdadeira baguette estaladiça.

 

*En passant par la Lorraine

Dos pombos sacrificados

restaurant-metzger.jpg

 

 

Com a alma pesada e em silêncio, saímos do museu à procura de um sítio para almoçar, que nos tinham informado haver em Natzweiler. Depois de curvas e contracurvas por uma estrada íngreme e estreita, por uma povoação que, mais uma vez, parecia totalmente deserta, não vislumbrávamos nada que a tal se assemelhasse. Apressámos o carro até um outro que se preparava para debandar e, num francês bastante macarrónico (o meu), perguntámos por um restaurante para almoçar. Com um grande sorriso o nosso interlocutor, um homem baixo e troncudo, de uns 60 anos, aponta-nos um Auberge, mesmo à nossa frente, com uma exclamação: Cést bon!

 

Era numa casa alsaciana, com um pátio atrás e outro à frente, e uma porta de entrada larga. O hall espaçoso transpirava serenidade. A sala de almoço era bastante confortável, com mesas muito bonitas e simples, com talheres e louçaria sofisticados, alguns quadros com cores fortes nas paredes.

 

A nossa anfitriã recebeu-nos com simpatia, sentou-nos numa mesa para dois e, pouco depois, trouxe uma ardósia com o menu e as sugestões do dia. Não sou capaz de reproduzir a ementa, mas escolhemos uma entrada de arenque com salada e um molho maravilhoso, uma dourada com legumes e um pigeon com pommes Dauphine et des frites, isto escrito e dito complexa e requintadamente. A sobremesa constou de poire Belle-Hélène e profiteroles. No fim ainda perguntou de onde éramos e, quando ouviu a palavra Portugal, conseguiu gracejar com o facto de termos saído do país precisamente no dia em que o Papa celebrava o centenário de Fátima.

 

Foi uma opípara refeição e restaurou a nossa bonomia. A verdade é que não há agrura que não ceda aos prazeres da comida. Foi uma excelente surpresa num local tão isolado e de tão cinzentas memórias.

Do horror indizível

 

campo 1.png

À entrada do campo

 

No meio de um paraíso florestal, do ar e do canto dos pássaros, esconde-se um dos espaços das ruínas do espírito humano.

 

O campo de concentração de Natzweiler-Sturdhof, construído junto a afloramentos de granito rosa, foi construído pelos alemães precisamente para a sua exploração. Nada melhor que juntar o agradável - a estância turística onde se praticava sky - ao útil – campo de internamento e trabalhos forçados para presos de delito comum, presos políticos, prisoneiros de guerra, resistentes e, por fim, judeus.

 

campo 2.png

Campo de concentração

 

Campo de detenção, de morte, de fome, de tortura, de experiências pseudocientíficas com agentes químicos e para recolha de cadáveres com o objectivo de fornecer esqueletos de judeus para a uma colecção para o Instituto de Anatomia da Reichsuniversität Straßburg. Escolherem-se pois 115 judeus, homens e mulheres, 86 dos quais morreram na câmara de gás existente no campo.

 

IMG_20170513_123003.jpg

À entrada do museu

 

O museu tem uma mostra dos vários campos de concentração e extermínio, com alguns dados sobre cada um, inclusivamente a estimativa de mortos por campo. Observam-se ainda as reproduções de desenhos efectuados por Henri Gayot, um pintor e professor de pintura deportado para este campo após ser capturado pelas suas actividades na Resistência francesa. Depois há o campo, como os socalcos onde se localizavam as barracas dos deportados, o crematório, a prisão – sim, também havia uma prisão – o arame farpado, as torres de vigia, a porta de entrada sinistra, e a câmara de gás, afastada cerca de 1 Km do campo.

 

henri gayou.jpg

Henri Gayot

 

Há um silêncio que nos incomoda, pesado, aflito e de culpa, mesmo que já tenham passado gerações após estas atrocidades. Não sei se é compreensível como foi possível a seres humanos submeterem outros seres humanos a este tipo de crueldade, até porque a achavam natural e não a consideravam crime. O que pensavam? Como dormiam, comiam, amavam os seus filhos, os seus amantes, os seus semelhantes? Como poderiam aceitar tais horrores?

 

E mais assustador e incompreensível ainda é o facto de continuar a existir, tal como nessa época e nos muitos séculos anteriores, um doentio racismo larvar, uma xenofobia persistente que, mal se fazem sentir os rigores das crises financeiras e sociais, renascem das névoas invisíveis mas permanentes que assolam os corações dos povos.

 

Combater a penúria, a fome, a crise, o egoísmo, o racismo, a xenofobia, contribuir para uma efectiva cultura de solidariedade e tolerância, de respeito pelas diferenças sem abafar nenhuma minoria ou maioria, sem perder as características identitárias, e mostrar o que se passou, com rigor, sobriedade e verdade, mas sem ceder à preguiça de nos escondermos dos horrores pelos quais, com mais ou menos consciência, fomos de certa forma cúmplices, mesmo que em tempos e de maneiras distintas. A divulgação do que se passou no regime nazi, como em todos os totalitarismos, é obrigatório e deve ser uma preocupação permanente. Porque é de tal forma inacreditável que podemos mesmo enterrar esse conhecimento no mais fundo das nossas consciências. É muito mais fácil.

Dos intervalos recriativos

Imagem1.png

 

Estrasburgo é uma cidade muito bonita, acolhedora, de uma cor ocre acastanhada, casas típicas alsacianas, muito bem cuidadas, muita gente na rua, flores e mais flores, cafés, brasseries, restaurantes, esplanadas. As pessoas tem um aspecto próspero sem luxo nem sofisticação demasiados. É um sítio onde parece viver-se bem e normalmente.

 

IMG_20170512_172032.jpg

A catedral (Catedral de Nossa Senhora de Estrasburgo) é deslumbrante. Repentinamente saídos de uma rua lateral, damos com a enormíssima fachada, toda esculpida e rendilhada, que esmaga pelo esplendor. Lá dentro há um relógio astronómico, semelhante ao de Praga, que é uma maravilha. É a terceira versão do mesmo, datando a primeira de 1352 / 1354. As ruas são encurvadas, deixando entrever ao longe as fachadas das casas. De vez em quando pinga mas a temperatura está mesmo boa para passear. Entramos na livraria Kleber, numa das esquinas da praça do mesmo nome, e quase nos perdemos. Muitos e belos livros, dispostos por colecções, por autores, por temas, ficção, não ficção, história, romance, política, banda desenhada, enfim, uma perdição.

 

IMG_20170512_172929.jpg

 

Depois de alguns quilómetros a pé, temos direito a uns éclaires numa Pâtisserie digna do mesmo nome. À noite provámos a tarte flambée, parecida com uma pizza, e um croque-monsieur (uma espécie de tosta mista), acompanhadas por uma cerveja de seu nome Rouge Kasteel – forte, mas muito boa, ideal para acabar o dia.

 

IMG_20170512_201449.jpg

Da imprevisibilidade das previsões

IMG_20170511_170650.jpg

 Forte de Schoenenbourg

 

 

A linha Maginot é uma estrutura defensiva que a França construiu após o fim da I Guerra Mundial, imaginada como uma espécie de upgrade da guerra de trincheiras, mas desta vez de betão, pensada e planeada para manter uma grande quantidade de tropas, desde os soldados aos seus comandantes, com todas as infra-estruturas necessárias. Era constituída por vários fortes ao longo da fronteira franco-alemã. Um deles foi o Forte de Schoenenbourg.

 

Não foi muito fácil lá chegar, pois as indicações eram escassa e pouco claras. Mas com GPS, mapas e atenção, lá chegámos. Na bilheteira uma jovem rapariga, cujo copain é português, avisou-nos de que deveríamos contar com 1,5 a 2 horas de visita. A descida pelo elevador, embora opcional (há escadas), levou-nos a cerca de 30 metros de profundidade.

 

É difícil descrever a sensação meio claustrofóbica, mesmo sendo os corredores amplos, que experimentei. No chão dois carris por onde passavam as carruagens eléctricas, para transporte de equipamentos, armas, munições, comestíveis e, provavelmente, pessoas. Nas paredes laterais, a todo o comprimento daqueles corredores um pouco labirínticos, cabos de electricidade, telefónicos, etc. Depois percorremos as instalações dos soldados, camaratas, cozinhas, despensaa, farmácias, enfermarias, alojamentos dos oficiais, postos de comando, prisão, capela e casa mortuária, nada tinha sido esquecido.

 

Após alguns quilómetros percorridos, no lado oposto, ficavam os blocos de bombardeamento, onde se encontravam os vários locais (6) com a maquinaria para bombardear e observar, abaixo de umas cúpulas semiesféricas que se vêm de fora.

 

É extraordinário o esforço de construção daquelas estruturas, não só o planeamento mas também a execução, a enorme quantidade de recursos que ali forma empregues, e que se revelaram totalmente inúteis. Aquilo que, quem imaginou e decidiu a sua construção, previa como uma especialização da guerra de trincheiras, errou totalmente pois na II Guerra Mundial as trincheiras estavam obsoletas. É quase inacreditável percorrer aquela cidade militar subterrânea, imaginando a azáfama, a preparação, a tensão, a vida sem ar nem luz, que nunca depois se concretizou, nunca chegando a defender a França contra o seu agressor que, pelo seu lado, fez uma coisa semelhante – a linha Siegfried.

 

maginot.png

Murais feitos pelos soldados

 

Quando ouvimos tantas previsões para o futuro, em relação a energias renováveis, carros eléctricos, etc., convém lembrarmo-nos de que há muitas previsões que nunca se concretizam. Na verdade é muito complicado saber e decidir para onde se devem concentrar os esforços de desenvolvimento de uma qualquer ideia de futuro. Há quem acerte, de facto, mas são raros os que o conseguem e muitos os que o não fazem. Além disso, quantos recursos se não desviaram de outros investimentos bem mais úteis, até mesmo militares?

 

Foi uma visita longa, um pouco cansativa, que me deixou com um mal-estar difuso e a certeza da inutilidade de tantas construções humanas. Lembrei-me ainda de um programa que ouvi há algumas semanas - Um certo olhar, na Antena 2, em que se falava de Turismo Negro. Discordei de muito do que foi dito nesse programa, pois penso que é muito importante que se visitem e estudem estes locais (assim como Oradour-sur-Glane, campos de concentração, etc.) para que nunca nos esqueçamos da pequenez, da crueldade, da loucura, mas também da grandeza de que somos capazes. Por outro lado concordo que se deve manter este tipo de visitas com grande rigor e sobriedade, não permitindo que se transformem em locais de brincadeiras de mau gosto.

 

Cruzámo-nos com um grande grupo de miúdos italianos, aí com os seus 14 anos que, ao aperceberem-se da nossa proveniência lusitana, nos cumprimentaram efusivamente ao som de Cristiano Ronaldo e Euro 2016 – o futebol como ícone nacional.

 

O dia acabou calmamente, a jantar muito bem no Hotel, em que a tarte de maçã e ruibarbo e a eau de vie Gewurztraminer foram uns verdadeiros pontos altos. E, ao contrário do que tinha acontecido na noite anterior, num quarto quentíssimo e abafado, a noite foi reconfortante, dormindo o sono dos justos.