Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Da bebedeira dos mirtilos

compota mirtilos.png

Como este Natal foi muito intrincado em termos de tempo para arranjar os cabazes, ficando eles bastante áridos e descompostos, a tarefa prolongou-se para o início do ano, tentando correr contra os Reis, e não o conseguindo.

 

Mas como mais vale tarde que nunca, lá se materializaram os licores de folha de figueira e de mirtilos, há cerca de 1 ano a macerar em aguardente. Ficaram muitíssimo bons, de facto. No entanto a abundância de mirtilos criou um problema adicional – a quantidade dos mesmos, enrijecidos pela bebedeira anual, depositados numa panela e sem destino fácil de descortinar. Que fazer?

 

Bom, segundo a prática científica de que nada se perde e tudo se transforma, seria preciso em primeiro lugar rehidratar os mirtilos, o que fiz de imediato cobrindo-os de água com açúcar. Depois de uma noite e um dia nesta sopa doce, resolvi transformá-la em compota: juntei sumo de 3 limas, 4 paus de canela e deixei fazer ponto… que saiu um pouco demasiado. Mas o doce resultou bastante bem, tendo sido rapidamente enviado a terceiros, para que eu não cedesse à melosa tentação.

 

Triste sina a minha

que nem passando fome

fico magrinha.

Da gula sem culpa

tartes.png

 

 

Há épocas de estoicismo em que as dietas são seguidas à risca, em que nos sentimos monjas de expiação do pecado da gula, fortalezas de força e vontade, sobrevivendo alegre e arrogantemente sem comer batatas, arroz, massa, pão, queijo, manteiga, doces, deglutindo pequenas quantidades de carnes brancas e peixes pouco gordos (é uma ciência esotérica), fiambre de peru, ovos, manteigas que não são manteigas, litros de sopas com os mais estranhos legumes, cogumelos a rodos, queijo fresco e iogurtes magros e gelatina 10 Kcal, a única guloseima permitida, muito saciante, para além das duas peças de fruta (contando os bagos de uva) e da inevitável garrafa de litro e meio de água.

 

(Confesso que não sei como os franceses não têm todos obesidade mórbida com a quantidade avassaladora de maravilhosos e gordíssimos queijos que comem, devidamente acompanhados por pão branco e vinho. Talvez a minha inveja não tenha sido totalmente visível nos olhares espantados com que os mimoseei, enquanto por lá passeei.)

 

Outras há em que vamos deixando as ervas daninhas das comidas normais entrarem nas nossas refeições, com as consequentes e abruptas alterações na nossa rotunda figura, em que nos debatemos diariamente com a negligência traduzida numa alimentação em que os proibidos hidratos de carbono, ou os líquidos de Baco reentram insidiosamente nos pratos e copos.

 

Este intróito vem a propósito das minhas pesquisas em relação à existência de sobremesas, daquelas fantásticas porque não são doces, com a respectiva concretização e degustação. E eu adoro tartes. Combinando receitas ouvidas pela rádio, do Chefe Avillez, com outros inputs dietéticos e a própria intuição, eis o resultado:

 

Tarte de maçã com canela e gengibre:

  1. Forra-se uma tarteira com 1 folha de massa folhada já feita (compram-se em qualquer super hipermercado), até pode ser uma light (também há);
  2. Acende-se o forno a médio gás
  3. Cortam-se várias maçãs (a quantidade depende da quantidade de recheio com que se quer encher a tarteira), com ou sem pele (eu tirei a pele) em gomos fininhos para dentro de uma frigideira anti aderente, em camadas, alternando com canela em pó, uma pitada de gengibre, também em pó, e uns borrifos de limão;
  4. Pode-se juntar 2 colheres de chá, mal cheias, de mel
  5. Deixa-se amolecer o recheio de maçã ao lume.
  6. Enche-se a tarteira com o preparado anterior
  7. Vai ao forno até assar a massa folhada (cerca de 30 minutos)

 

Tarte de pêra com chocolate

  • Exactamente o mesmo, mas em vez de maçã usa-se pêra.
  • Entre o ponto 6 e 7, rala-se chocolate em barra, preto (70% de cacau) para cima do recheio, como se fosse pó, ou mesmo em lascas

 

Experimentem. Ficam muito boas. Para quem não tem os problemas de rotundidade focados mais acima, junte uma bola de gelado de natas ou de baunilha.

Dos doces muito bons porque são pouco doces

doce de maca.png

 

 

Confesso que se me eriçam os cabelos quando ouço dizer que um doce é muito bom porque é pouco doce. A minha gulodice não aguenta e toda se revolta perante esta heresia. Doce para ser doce tem que ser doce, ter açúcar, melar os dedos, lambuzar a cara, etc.

 

Mas como a luta diária pela bela figura, com a menor rotundidade possível, é feroz, experimentei um doce muito bom porque se açúcar.

 

Natural, dietético, esplendorosamente saudável e doce o suficiente para agradar aos pobres que, como eu, procuram em qualquer alimento um pouco da satisfação redentora das guloseimas.

 

Experimentei com maçã: cortei várias maçãs, umas 6, aos bocadinhos, com casca e tudo, reguei com o sumo de 2 laranjas bem sumarentas, juntei canela em pó generosamente e tâmaras secas (sem caroço), também aos bocadinhos. Depois de a maçã amolecer ao lume, reduzi tudo a puré com a varinha mágica e deixei mais um bocado a fervilhar.

 

Foi um instante. Ficou acastanhada e muito saborosa. Com tostas integrais e chá de rooibos, é uma felicidade!

Geleia de espumante

geleia de espumante.png

 

Podem experimentar que é muito bom. Pelo menos eu gosto.

 

Esta foi uma ideia de uma colega minha, que me desafiou a fazer geleia de champanhe. Confesso que nunca tinha ouvido falar de tal mas, numa coincidência engraçada, uns dias depois ofereceram-me geleia de vinho, que é bastante interessante.

 

Como não sou de ignorar um tal desafio, inaugurei a época de confecção natalícia com a dita geleia. Para me inspirar fui à internet ver receitas (está lá tudo). E cumpri (quase) à risca a receita que vi.

 

Cozi um quilo de maçãs cortadas em quartos, com casca mas sem sementes num litro de água, durante 40 minutos (royal gala - que têm bastante teor de pectina). Escorri as maçãs, medi 600 ml do líquido restante e misturei com o sumo de 2 limões, 500 gr de açúcar e uma garrafa de espumante (achei que para experimentação científica bastava).

 

Deixei ferver até que começaram a formar-se muitas bolhas na superfície do cozinhado. Usei o truque de deitar um pouco num prato frio e ver se fazia ponto de estrada, para verificar o ponto. Logo que isso se verificou desliguei o lume – estava pronta.

 

Claro que depois ficou a remanescente maçã em papa, com as cascas. Retirei as cascas e misturei a papa de maçã com uma colher de chá de gengibre em pó, outra colher de chá de canela e um pouco de açúcar. Depois juntei amendoins, sultanas e favas fritas, deitei tudo para um tabuleiro de ir ao forno e deixei a assar (forno médio) durante 20 minutos.

 

Ontem aproveitei também para me desfazer de uma abóbora que carinhosamente me tinham dado (já há algumas semanas) adulando-me indecentemente com os elogios a uma compota de abóbora com chocolate que tinha feito o ano passado. Portanto repeti a dose e já está enfrascada, assim como a geleia de espumante. Começam a compor-se os cabazes de Natal.

 

Para o próximo fim de semana será a vez dos licores.

Pão de banana com alfarroba

pao de banana com alfarroba.png

Parece esquisito, não é?

 

Não fui eu que inventei, longe disso, apenas lhe fiz umas adaptações à minha moda. Explico:

 

Encontrei uma receita que me despertou a curiosidade: "Pão" de banana com amêndoas. Já por diversas vezes copiei receitas deste blogue e nunca me arrependi. Além disso explica-as de uma maneira simples, o que facilita a vida para quem não tem lá muito jeito para decifrar os mistérios culinários.

 

Experimentei o dito pão: peguei em 4 bananas que esmaguei sem medo, com um garfo (tal como quando fazia papa de banana com bolacha Maria e sumo de laranja para os meus filhos). Como não tinha farinha de amêndoa, e eu não sou pessoa para me assustar com esses pequenos problemas, arranjei amêndoas (220g), mesmo com casca, apliquei-lhes a máquina 1-2-3 (mais 4 e 5, para ficar bem moída), e bati tudo numa taça, juntamente com 3 ovos, 35g de azeite e 2 colheres de chá de fermento em pó (Royal). Coloquei numa forma de bolo inglês untada com manteiga, e foi ao forno já quente (médio) a cozer durante 30 minutos.

 

Ficou muito bom. Não ficou doce, mas também não era o que se esperava. Tinha o defeito de se esfarelar um pouco.

 

Fiquei a matutar na farinha de amêndoa. E então, já doutrinada pela autêntica fúria saudável da nova geração que me rodeia (no meu serviço a média etária dos médicos é de 50 anos; a de todos os outros elementos - 30 anos), com doutoramentos vários em grãos e farinhas alternativas (muitas vezes não consigo identificar as iguarias que deglutem ao almoço), lembrei-me de substituir a amêndoa por alfarroba.

 

Mas (há sempre um mas), a farinha de alfarroba tem muito menos gordura que a de amêndoa. Ora se eu substituísse a amêndoa pela farinha de alfarroba talvez precisasse de aumentar o azeite, e isso era já muito complicado para mim. Pensei então em substituir metade da amêndoa por farinha de linhaça (é verdade - há mesmo farinha de linhaça) e a outra metade pela tão ansiada farinha de alfarroba.

 

E hoje foi o grande dia - 4 bananas esmagadas (processo semelhante), 110g de farinha de linhaça, 110g de farinha de alfarroba, 3 ovos, 35g de azeite (é o mesmo que 0,5dl), 2 colheres de chá de fermento em pó Royal e meia colher de chá de canela em pó. Cozeu em forma untada com manteiga, em forno médio já aquecido durante 25 minutos. A forma não é tipo bolo inglês porque a minha fada do lar guardou-a tão bem guardada que eu não a consigo encontrar. Foi mesmo para uma forma redonda com buraco.

 

Está uma delícia, com uma consistência parecida com a do pão e com um sabor ligeiramente adocicado. Um lanche diferente, saudável e dietético (fatias fininhas, claro).

 

pao 1.png pao 2.png

Dos Natais gastronómicos

almoco natal 2015.png

 

De facto o borrego ficou bastante bom. De pernas de peru que não havia, ao cabrito que também já tinha acabado, o almoço do dia de Natal transformou-se em perna e costeleta de borrego assadas no forno. Era mais condicente com almoço pascal, mas não faz mal, o senhor do talho foi bastante persuasivo, defendendo que o borrego era até bastante melhor que o cabrito porque o último é muito mais caro e tem mais ossos.

 

A marinada começou ontem à tarde, após a habitual confecção da aletria e das rabanadas, este ano feitas com pão de forma especial torradas. Ficaram melhores do que com as fatias mais finas, não há qualquer dúvida. O óleo gostou menos e saltou muito mais, mas são problemas menores comparados com a macieza das ditas, polvilhadas e a ensopar de açúcar e canela. As couves também já estavam arranjadas e o grão bem cozido, enquanto as postas de bacalhau (e a cara) esperavam a respectiva vez de serem cozinhadas.

 

Dizia eu que o borrego ficou a marinar em sal, pimentão doce, muito alho, cebola, tomilho, gengibre (eu agora uso gengibre em tudo), louro, margarina, azeite, vinho branco e aguardente. Antes de ir para o merecido descanso nocturno virei a perna e as costelas, para ficar tudo bem embebido. Hoje ficou a assar por duas horas e meia. Acompanhamos com castanhas, assadas ao mesmo tempo e no mesmo tabuleiro, esparregado e salada de tomate.

 

Enfim, vamos agora ficar a sopas de legumes até ao próximo Natal, depois de tanta doçaria - azevias, sonhos, fofos de abóbora, bolo escangalhado e umas maravilhosas filhós que, este ano, sofreram um upgrade aplicacional porque usei a batedeira em vez das mãos - menos tradicional mas muitíssimo mais prático, convenhamos. A revolução industrial serviu para alguma coisa.

 

E vai começar agora a degustação das ofertas recebidas. Devagar, para durar mais...

Não nos escapamos...

natal.png

... ao Natal.

 

Preparemo-nos para sujar as mãos, dobrar papéis, enrolar fitas e usar a imaginação.

 

Este ano, só de licores, há algumas novidades - de caroços de nêsperas(!!!), ideia do Chef Avillez, nas manhãs da comercial, de cereja e de mirtilos (o de romãs só estará pronto lá para Fevereiro). Entretanto, depois da compota de abóbora que é já um clássico tradicional nos nossos Natais, resolvi inovar - bombons de abóbora com amêndoa e cobertura de chocolate. Ficaram muito bons!

 

Receitas:

 

  • os licores são todos feitos mais ou menos da mesma forma: o de caroços de nêsperas é mesmo com os ditos, em aguardente (quanto mais caroços, melhor) durante bastante tempo. Acho que os meus estiveram cerca de 3 meses. Depois é só mistura o xarope de água com açúcar e deixar repousar uns dias antes de consumir. Os de cerejas e mirtilos são iguais, substituindo os caroços pelos frutos.
  • Quanto aos bombons, usa-se a doce de abóbora com gengibre misturada com amêndoa ralada até ficar com consistência própria para moldar umas bolinhas. Depois derrete-se chocolate (culinário, 70% de cacau) no microondas, mexe-se bem e mergulham-se as bolinhas, depositando-as em cima de papel vegetal de cozinha, para secarem. Quando estiverem secas, estão prontos os bombons.

 

Ainda pensei em fazer abóbora cristalizada mas, para já, ainda não fiz e temo que não o farei tão cedo. É que é mais fácil projectar do que realizar.