Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Multidão

PassingCrowd.jpg

Passing Crowd

Ronald Pope

 

 

1.

Quase em susto

enfrento os anónimos olhares

da gente que fala

os sons incompreensíveis do convívio. 

Espanto pela partilha

de tantas palavras sem mãos

todas iguais

na vivência da solidão.

 

2.

Hei-de ser eu

e outras tantas mais

para que possa dividir

o silêncio de mim

e possa articular

uma qualquer palavra

e depois calar

as outras tantas vozes

que me fazem

sobrar.

 

Capicua

alison-saar.jpg

Alison Saar

 

 

Olho para o pergaminho da pele

o espelho de uma vida a passar.

Olho para o engelhamento do corpo

com a surpresa de uma adolescência maravilhada

ou com a surda e pesada sapiência dos anciãos

sem saber por onde fugiram os rios

para onde deixei escapar as viagens

onde terei guardado os socalcos e as obrigatórias estações

ancorada em tantas e tão movediças e íngremes margens.

Aeroporto

Force-of-Nature.jpg

The force of nature

Lorenzo Quinn 

 

 

À minha volta uma multidão de rostos

braços cabelos olhos lágrimas sorrisos malas

crianças gritos risos abraços roupa cabelos cães

gorros rodas pó luzes toques telemóveis pressa

ansiedade movimentos abruptos esperas

desesperança tristeza cansaço abandono.

 

E se quiser saber o que é a humanidade

a carne e o sangue de quem nos amassa

basta observar a ondulação das partidas e das chegadas

e a irreprimível sensação do amor do amor do amor.

 

Boas novas

arcofangels.jpg

Rick Kirby

 

 

A dois dias da Consoada não há refúgio

para o silêncio, nesta cidade em que o atropelo das compras

e o farfalhar dos papéis, misturados no perfume da indiferença,

nos arrasam qualquer tentativa de mergulho

na bonomia ornamental.

 

Piazzola acompanha-me mas estou

tão deslocada, que quase flutuo entre cinzentos

e dores desconhecidas, tristezas e desesperanças,

que me chegam apenas a nível celular. Por vezes

podemos brincar aos deuses e anunciar

boas novas. É nessas alturas

que me sinto

no Natal.

 

Sucessivamente

pose.jpg

Pose

Antony Gormley

 

 

Lá fora soam passos entre o nevoeiro.

Volto a cabeça atentamente

mas não me importam os passos nem o nevoeiro nem a cabeça

nem os sucessivos segundos que transcorrem entre o voltar da cabeça e o piscar dos olhos

entre uma gota desfeita no ar e o peso da gota nos cabelos.

Ouça as rodas do pensamento mais alto que os passos que o nevoeiro conserva

indentado e arrastado de sucessivas voltas no fechar da luz

que se coa por entre as gotas que pesam nas mãos dentro dos bolsos

tão afundadas e presas como a cabeça que conta os sucessivos passos

de quem desatento atravessa o espaço do meu mundo

reduzido à dimensão do nevoeiro em que se transforma o que volta à minha cabeça.

 

O futuro

future.jpg

Daniel Arsham

 

 

O futuro que nos espera já passou por nós

numa velocidade de tempo e de espaço

sem pernas que pesem a escravidão.

A morte que nos tempera já aconteceu

e não tarda o próximo renascer

das rugas em rostos de indecisão.

 

Enquanto os dias se arrastam espelhados

o futuro estica as almas que se entregam

e morrem afogadas de sofreguidão.