Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Desinteresse

javier perez.jpg

Javier Pérez

 

 

 

A ninguém interessa se morro

se deixo as mãos pousadas e os olhos fechados

se deixo as flores no canto da floresta

e os caminhos lisos e rasos com a erva verde quieta

se deixo o sol arrefecer o corpo e a água inchar no lago

sem as ondas da minha existência.

A ninguém interessa que os dias desaprendam o meu nome

pendurado devagar no galho da oliveira

e a mansidão da madrugada não seja por mim respirada.

A ninguém interessa que a desertificação

dos ventos e das areias que o tempo espalha

surja no espaço de uma outra vida que desponte.

 

Pousio

metal crabs.jpg

metal crabs

Karen Lancey

 

 

Fatias deste denso Verão

que fumega embranquecido de névoa

que derrete estarrecido de sede.

Olhamos de um e de outro lado

amodorrados e dolentes despedindo

o pensamento em pousio.

As horas

Hours.jpg

Hours

Lotta Blokker

 

 

 

A cada tarde que desperdiço

em langores dispensados de pensamento

em cada noite que mortifico

de culpas somadas à vigília

 

sinto-me a correr para um fim

de qualquer coisa talvez da vida

que deixo escorrer pelas janelas

pesadas de quietude

e de promessas por cumprir.

 

Tantas viagens programadas

tantos os caminhos percorridos

tantas palavras inventadas

no silêncio de mim mesma.

 

E mastigo os dias sem reparar

que se encurtam as viagens os caminhos

as vigílias os langores as promessas

que se movem as horas inexoráveis e vazias

para o fim.

Manhã

Banker_Mexico_clean_right_Jason-deCaires-Taylor_Sc

Jason deCaires Taylor

 

Resta-me gostar

não sei bem se da vida se das pessoas que contém

não sei bem se de ti se da vida que nos tem.

Resta-me tocar

a noite com a certeza de acordar

nem que seja no outro lado da vida

com que renovo os dias por te amar.

Multidão

PassingCrowd.jpg

Passing Crowd

Ronald Pope

 

 

1.

Quase em susto

enfrento os anónimos olhares

da gente que fala

os sons incompreensíveis do convívio. 

Espanto pela partilha

de tantas palavras sem mãos

todas iguais

na vivência da solidão.

 

2.

Hei-de ser eu

e outras tantas mais

para que possa dividir

o silêncio de mim

e possa articular

uma qualquer palavra

e depois calar

as outras tantas vozes

que me fazem

sobrar.