Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Dos métodos totalitários de propaganda

 

 

Saiu hoje um artigo no Correio da Manhã, assinado por Eduardo Dâmaso, Tânia Laranjo e Manuela Teixeira, que acusa um blogue de que fiz parte, o SIMplex, de ser alimentado com meios públicos, usados a partir do governo. Mais à frente é afirmado que assessores do primeiro-ministro, secretários de estado e chefes de gabinete de alguns ministros usaram o seu tempo, pago pelo erário público, meios informáticos e informação privilegiada para produzir propaganda.

 

Ficamos pois a saber que os elementos do governo estão proibidos de fazer campanha eleitoral, mesmo em plena campanha. Ficamos pois a saber que o erário público paga os custos da democracia, financiando a propaganda política dos partidos políticos mas que o PS, por estar no governo, não pode fazê-la. Ficamos a saber que ninguém pode usar o computador do serviço para enviar emails, usar as ferramentas do Office para escrever documentos políticos, mesmo que a sua função seja política. A política, quando é exercida pelo PS que está no governo não deve existir.

 

Ficamos também a saber que nenhum de nós pode usar conhecimento e informação adquirida na sua área de especialização e trabalho para escrever opinião, se for opinião a favor do PS ou do governo do PS. Porque os opositores ao governo, os elementos das oposições partidárias, do PSD, do CDS, do PCP, do BE, podem usar informação do governo, dos deputados, dos seus assessores, dos institutos de apoio, dos independentes, etc., para produzirem documentos sustentando as suas opiniões.

 

Ficamos também a saber que a acusação de divulgar informação privilegiada não necessita de provas, mesmo sendo de uma enorme gravidade.

 

Impõe-se um esclarecimento da minha parte. Fui convidada a participar no SIMplex, o que muito me honrou e de que não estou minimamente arrependida. Sou médica hospitalar, tenho um blogue pessoal desde 2005 onde escrevo sobre vários assuntos, nomeadamente de saúde, em que uso a minha experiência profissional para reflectir sobre a política de saúde, uso a minha experiência pessoal para escrever sobre outros assuntos, uso o que penso, o que os outros pensam, o que outros escrevem e escreveram para fundamentar as minhas opiniões. Ninguém me pagou nem prometeu nada pela participação no SIMplex.

 

Após as eleições fui convidada pelo Carlos Santos, também colaborador do SIMplex, a participar no blogue A Regra do Jogo, convite que aceitei. No entanto não tardei a perceber que a ética de quem me convidou não era coincidente com a minha, pelo que, a 24 de Janeiro, cessei a participação nesse blogue. Talvez não por acaso, desde essa data até hoje, já cessaram a sua colaboração com o mesmo blogue mais doze participantes.

 

Sou uma pessoa livre e é livremente que me exprimo. Repugnam-me estes métodos absolutamente inqualificáveis de insinuações mentirosas e calúnias sobre tudo e todos que apoiam o PS e o seu governo. Não é assim que me intimidam.

 

Se é esta a forma que usam para escrever artigos de jornalismo de investigação sobre a conspiração governativa para controlar a comunicação social, então cada vez acredito mais que a conspiração existe, mas para forçar a demissão do primeiro-ministro por meios ilícitos, subvertendo a democracia.

 

A todos os que, como eu, participaram no blogue SIMplex, a minha solidariedade.

 

Nota: Ler também Eduardo Pitta, Rogério da Costa Pereira, André Couto, Pedro Adão e Silva, Porfírio Silva, Tomás Vasques (1), Tomás Vasques (2), Luís Novaes Tito, Miguel Abrantes, José Reis Santos, Palmira F. Silva, Tiago Barbosa Ribeiro, Francisco Clamote e Ana Paula Fitas.

 

Adenda: Afinal parece que o Carlos Santos nunca esteve no SIMplex. Não consta da lista de colaboradores nem há lá nenhum post dele. Devemos todos ter sofrido de alucinações. Há quem acalente estes tiques de retocar o passado.

 

25 comentários

Comentar artigo

Pág. 1/2