Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Geringoncemos

2017.png

 

 

Em vez de segundos, minutos, horas, dias e anos, poderíamos medir o tempo em quantidade e qualidade de momentos de felicidade, nossa e dos demais.

 

A educação judaico-cristã que tive ensinou-me que a verdadeira felicidade é aquela que podemos oferecer ao próximo. O trabalho e a abnegação em prol do outro, tanto quanto possível em silêncio e no anonimato, o esforço para que o outro seja feliz, mesmo que à custa do nosso apagamento ou infelicidade. A sociedade de hoje exalta os valores diametralmente opostos, colocando no centro do mundo e da vida o eu, a satisfação das necessidades próprias, do prazer e da alegria, mesmo que a expensas dos outros.

 

Como sempre, deveríamos conseguir a sageza da moderação, nuns e noutros modos de vida, buscando o equilíbrio entre os dois tipos de vivências próprias e dos outros. No entanto tendo a valorizar mais quem se preocupa primeiro com os outros que consigo próprio e penalizo-me por não conseguir seguir este modelo. Penso muitas vezes nisto e na facilidade com que o nosso ego, sempre enorme, inchado e arrasador, acaba por esmagar e fazer definhar os dos outros.

 

Para 2017 tenho muitos desejos, para aqueles de quem muito gosto, e também para mim, parcos, secretos e egoístas, mas que me dariam uma enorme satisfação. Espero que o nosso País possa continuar a maravilhar-se com o geringonçar desta Geringonça, uma permanente surpresa de negociação, equilíbrio e democracia. Espero ainda mais que se não concretizem os piores prognósticos em relação à saúde da nossa Europa, com as vitórias populistas, de direita ou de esquerda, e a cegueira continuada dos líderes europeus, que não vêm nada nem entendem nada, culpando os cidadãos das escolhas que não tentam perceber nem prevenir.

 

Espero que 2017 seja melhor do que aquilo que, intimamente, tememos.

 

Dos vazios concursais

servico-nacional-de-saude-sns (1).jpg

 

 

A abertura de vagas para o SNS que, sistematicamente, ficam praticamente vazias, deveria levar-nos a repensar muitos dos mitos que pululam pelo espaço da discussão pública.

 

O SNS deixou de ser atractivo para os médicos. A sensação de que não há qualquer vantagem em o integrar, devido ao desinvestimento em equipamentos, à desadequação em recursos humanos, à desorganização dos serviços, nomeadamente dos de urgência, à inexistência, na prática, de carreiras médicas e ao facto das remunerações não serem competitivas com as do sector privado, talvez expliquem uma parte desta situação.

 

Por outro lado demonstra-se, ao contrário do que muito se afirma, que não há médicos a mais. Se fosse esse o caso, os lugares a concurso seriam todos preenchidos. Compreendo que um médico que fez a sua formação em Lisboa ou no Porto tenha dificuldade em mudar a sua vida para outro local, mas só não o faz porque tem outras alternativas.

 

Concordo com a criação de incentivos mas, pelos vistos, esta não está a resultar. Além disso também podemos perguntar-nos porque não se dão incentivos a outras profissões para que fosse possível desacelerar a desertificação do País. Porque não ponderar a possibilidade de tornar uma obrigação contratual dos médicos, após a formação específica, terem um determinado número de anos para servirem o SNS? Na realidade o Estado investe na formação de especialistas, pelo que deveria ter como contrapartida a prestação de serviço onde ele é necessário, com as devidas condições, como é óbvio.

 

Após o 25 de Abril instituiu-se o serviço médico à periferia, o que permitiu melhorar as condições de saúde e de acessibilidade da população a cuidados médicos, contribuindo para a fixação de muitos dos deslocados nessas localidades.

 

Aguarda-se que os responsáveis políticos reponderem a organização e a forma como devem ser geridos os recursos do País. O SNS precisa de gente e de reformas que não se prendem apenas com a melhor aplicação dos orçamentos disponíveis. Sob pena de desaparecer, o que seria um retrocesso sem perdão.

Do combate aos excessos

detox.png

 

 

Vamos combater os excessos de Natal - menos sorrisos, menos generosidade, menos boas-intenções. Afivelemos pois as nossas caras rígidas e de poucos amigos, pois quem precisa de contar as calorias que come e bebe nunca está bem-disposto.

 

A nova moda saudável transforma a população num conjunto de pessoas inadaptadas aos inúmeros alergénios do meio – agora todos somos alérgicos à lactose e ao glúten. Além disso passámos todos a comer sementes em quantidades industriais, acompanhadas de garrafas de litro e meio de água, que bebericamos a toda a hora e momento, com a consequente permanente ocupação da casa de banho.

 

Drenemos pois as toxinas com sumos detox, chá verde e de gengibre. Nada de cacau quente com torradas – a manteiga e as proteínas animais são dos maiores inimigos de um corpo e de uma mente ágeis, leves, inodoras, jovens e elegantes.

 

Os doces são tanto melhores quanto menos doces forem. Aliás também devemos ser alérgicos ao açúcar, tolerando apenas parquíssimas quantidades de mel ou açúcar mascavado (ou amarelo), em doses milimétricas e só quando o rei faz anos. Acabemos com as vacas e os porcos e transformemo-nos em aves, com tanto peru e frango que deglutimos. Também nos podemos permitir peixinhos grelhados ou cozidos, apenas com um fiozinho de azeite, e muitos, muitos legumes, crus e cozidos, grelhados ou assados, crocantes ou cremosos, tudo o que for erva pode ser comido.

 

Portanto vamos combater os excessos de Natal. À falta de silícios podemos tentar a modalidade dos ginásios, às 7 da manhã ou às 8 da noite, ou ainda o PM (personal trainer), que nos faz emagrecer predominantemente na conta bancária. E entraremos em 2017 sem retenção de líquidos, redimidos e saudáveis, brindando com água aromatizada em vez de champanhe.

 

Capicua

alison-saar.jpg

Alison Saar

 

 

Olho para o pergaminho da pele

o espelho de uma vida a passar.

Olho para o engelhamento do corpo

com a surpresa de uma adolescência maravilhada

ou com a surda e pesada sapiência dos anciãos

sem saber por onde fugiram os rios

para onde deixei escapar as viagens

onde terei guardado os socalcos e as obrigatórias estações

ancorada em tantas e tão movediças e íngremes margens.

All I want for Christmas...

... is you...

 

Carpool Karaoke

 

 Olivia Olson

 

Mariah Carey

 

 

 

I don't want a lot for Christmas

There is just one thing I need

I don't care about the presents

Underneath the Christmas tree

I just want you for my own

More than you could ever know

Make my wish come true oh

All I want for Christmas is you

 

I don't want a lot for Christmas

There is just one thing I need, and I

Don't care about the presents

Underneath the Christmas tree

I don't need to hang my stocking

There upon the fireplace

Santa Claus won't make me happy

With a toy on Christmas day

 

I just want you for my own

More than you could ever know

Make my wish come true

All I want for Christmas is you

 

I won't ask for much this Christmas

I won't even wish for snow, and I

I just wanna keep on waiting

Underneath the mistletoe

 

I won't make a list and send it

To the North Pole for Saint Nick

I won't even stay awake

To hear those magic reindeer click

 

'Cause I just want you here tonight

Holding on to me so tight

What more can I do

Oh, Baby all I want for Christmas is you

 

All the lights are shining

So brightly everywhere

And the sound of children's

Laughter fills the air

 

And everyone is singing

I hear those sleigh bells ringing

Santa won't you bring me

The one I really need

Won't you please bring my baby to me quickly

 

I don't want a lot for Christmas

This is all I'm asking for

I just wanna see my baby

Standing right outside my door

 

I just want you for my own

More than you could ever know

Make my wish come true

Baby all I want for Christmas is you

 

All I want for Christmas is you, baby

Antes do desencadear das festividades

presepio 2.jpg

Isabel Catarrilhas Pires

 

 

Antes da tempestade (ainda) está a bonança. Reúno as forças para me levantar da cama, compondo mentalmente as listas de tarefas que me aguardam. Os rituais da preparação da Consoada, com os seus cheiros, burburinhos e sabores, já começaram há algum tempo e vão prolongar-se por todo o dia.

 

Mas antes um pequeno-almoço pausado e revigorante, aqueles minutos de preguiça e aconchego, para que depois se levante a tempestade de aletria, rabanadas, embrulhos, couves, bacalhau, grão...

 

E o melhor do mundo é dar as boas-vindas a quem quer vir.

 

Por todos os lugares, vários duendes, Pais-natal e Meninos Jesus fazem o Natal de quem sofre, silenciosa e discretamente, abdicando das suas casas e das suas famílias, lutando contra o sono, o medo e o cansaço. Tantos e tantos seres invisíveis que transformam a loucura da tristeza em pequenos intervalos de alguma serenidade.

 

A todos os que vão acompanhando os meus dias, mais ou menos irregulares, o desejo de que passem umas boas festas.

 

Aeroporto

Force-of-Nature.jpg

The force of nature

Lorenzo Quinn 

 

 

À minha volta uma multidão de rostos

braços cabelos olhos lágrimas sorrisos malas

crianças gritos risos abraços roupa cabelos cães

gorros rodas pó luzes toques telemóveis pressa

ansiedade movimentos abruptos esperas

desesperança tristeza cansaço abandono.

 

E se quiser saber o que é a humanidade

a carne e o sangue de quem nos amassa

basta observar a ondulação das partidas e das chegadas

e a irreprimível sensação do amor do amor do amor.

 

Pág. 1/2