Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Um dia como os outros (168)

UmDiaComoOsOutros.jpeg

(...) Nem a ONU é uma democracia, nem os seus procedimentos são totalmente previsíveis. Estamos no terreno da diplomacia. Mas, desta vez, houve uma promessa de transparência e as provas públicas, debates e avaliações pretendiam melhorar a desgastada imagem das Nações Unidas. O escrutínio, neste tempo de informação global, é outro. E a golpada alemã, que só será bem sucedida se contar com o apoio de americanos e russos, terá efeitos um pouco mais nefastos. (...)

 

Daniel Oliveira

 

Procuro

floor.jpg

Brent Sommerhauser

 

 

Procurei por baixo das tábuas

dentro das cavernas atrás da manta

arrastei as pedras em braços de polvo

apartei os cabelos das neblinas

escavei arduamente para lá das sementeiras.

 

Virei-me para a pele afastei nervos e pó

sequei veias abri vísceras com retorcidos esgares

embrulhei-me de nojo desembaracei nós de fibras

sempre buscando por dentro o que não acho por fora

o que se perdeu sem saber como nem onde

exactamente aquilo que não sei se tenho ou se já tive

mas que vislumbro ouço cheiro

por dentro e por fora do que quero ser.

 

Na porta ao lado

philippe.jpg

Philippe Guillerm

 

 

É na porta ao lado que se ouve o sino

no alto da corda pendente da memória. Mas ao lado

há murmúrios e meninas

que se lamuriam ao piano. Doces dedos

que lambuzam a tristeza, sem tragédias nem verdadeiros

troncos de fome ou prazer.

 

É na porta fechada que se discutem os mundos avessos

da vida que sem saber vamos acrescentando de miséria.

Aquela angústia de um tempo desperdiçado e sublime

que se esgueira pelo olhar que colamos

ao lado da porta.

 

Pão de banana com alfarroba

pao de banana com alfarroba.png

Parece esquisito, não é?

 

Não fui eu que inventei, longe disso, apenas lhe fiz umas adaptações à minha moda. Explico:

 

Encontrei uma receita que me despertou a curiosidade: "Pão" de banana com amêndoas. Já por diversas vezes copiei receitas deste blogue e nunca me arrependi. Além disso explica-as de uma maneira simples, o que facilita a vida para quem não tem lá muito jeito para decifrar os mistérios culinários.

 

Experimentei o dito pão: peguei em 4 bananas que esmaguei sem medo, com um garfo (tal como quando fazia papa de banana com bolacha Maria e sumo de laranja para os meus filhos). Como não tinha farinha de amêndoa, e eu não sou pessoa para me assustar com esses pequenos problemas, arranjei amêndoas (220g), mesmo com casca, apliquei-lhes a máquina 1-2-3 (mais 4 e 5, para ficar bem moída), e bati tudo numa taça, juntamente com 3 ovos, 35g de azeite e 2 colheres de chá de fermento em pó (Royal). Coloquei numa forma de bolo inglês untada com manteiga, e foi ao forno já quente (médio) a cozer durante 30 minutos.

 

Ficou muito bom. Não ficou doce, mas também não era o que se esperava. Tinha o defeito de se esfarelar um pouco.

 

Fiquei a matutar na farinha de amêndoa. E então, já doutrinada pela autêntica fúria saudável da nova geração que me rodeia (no meu serviço a média etária dos médicos é de 50 anos; a de todos os outros elementos - 30 anos), com doutoramentos vários em grãos e farinhas alternativas (muitas vezes não consigo identificar as iguarias que deglutem ao almoço), lembrei-me de substituir a amêndoa por alfarroba.

 

Mas (há sempre um mas), a farinha de alfarroba tem muito menos gordura que a de amêndoa. Ora se eu substituísse a amêndoa pela farinha de alfarroba talvez precisasse de aumentar o azeite, e isso era já muito complicado para mim. Pensei então em substituir metade da amêndoa por farinha de linhaça (é verdade - há mesmo farinha de linhaça) e a outra metade pela tão ansiada farinha de alfarroba.

 

E hoje foi o grande dia - 4 bananas esmagadas (processo semelhante), 110g de farinha de linhaça, 110g de farinha de alfarroba, 3 ovos, 35g de azeite (é o mesmo que 0,5dl), 2 colheres de chá de fermento em pó Royal e meia colher de chá de canela em pó. Cozeu em forma untada com manteiga, em forno médio já aquecido durante 25 minutos. A forma não é tipo bolo inglês porque a minha fada do lar guardou-a tão bem guardada que eu não a consigo encontrar. Foi mesmo para uma forma redonda com buraco.

 

Está uma delícia, com uma consistência parecida com a do pão e com um sabor ligeiramente adocicado. Um lanche diferente, saudável e dietético (fatias fininhas, claro).

 

pao 1.png pao 2.png

Poema em linha recta

amadeo souza cardoso.jpg

Amadeo de Souza Cardoso

 

 

Nunca conheci quem tivesse levado porrada. 

Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.  

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil, 
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita, 
Indesculpavelmente sujo. 
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho, 
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo, 
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas, 
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante, 
Que tenho sofrido enxovalhos e calado, 
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda; 
Eu, que tenho sido cómico às criadas de hotel, 
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes, 
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar, 
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado 
Para fora da possibilidade do soco; 
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas, 
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.  

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo 
Nunca teve um acto ridículo, nunca sofreu enxovalho, 
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida... 
Quem me dera ouvir de alguém a voz humana 
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia; 
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia! 
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam. 
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil? 
Ó príncipes, meus irmãos, 

Arre, estou farto de semideuses! 
Onde é que há gente no mundo? 

Então sou só eu que é vil e erróneo nesta terra? 

Poderão as mulheres não os terem amado, 
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca! 
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído, 
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear? 
Eu, que tenho sido vil, literalmente vil, 
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

 

Álvaro de Campos

 

Portugal (cada vez mais) desigual

Eu ainda me lembro do Programa de Emergência Social, apresentado pelo governo PSD/ CDS. Esse plano tinha como objectivo minorar o impacto da crise nos segmentos mais desfavorecidos da sociedade.

 

No estudo tornado público pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, é bem patente quais os segmentos da sociedade que foram mais poupados durante a crise. Vale a pena visitar o site e meditar na tremenda hipocrisia de quem está agora tão preocupado com a hipótese de redireccionar os custos da crise para o sector minoritário que mais ganha, em Portugal e que, em termos percentuais, menos contribui com os seus impostos.

 

desigualdade.jpg

O que deve (ou não) ser lido

evangelho segundo jesus crsito.jpg

 

Confesso que tenho um problema: de cada vez que vejo ou ouço uma unanimidade laudatória ou condenatória perante um livro, um autor, um filme, uma exposição, enfim, qualquer que seja a pessoa ou a área a que se dedica, de imediato cresce em mim um sentimento de contradição que me leva a ter vontade de fazer o exacto contrário do que todos recomendam que se faça. O circo mediático que se cria à volta de factos fabricados com intenções que por vezes são claras, outras imperscrutáveis, mas que são sempre intencionais, repete-se agora com o livro de José António Saraiva.

 

Não aprecio José António Saraiva nem as suas crónicas. Sempre me pareceu um factotum alimentado pelo seu nome, pelos contactos que tinha e tem e pelo sentimento auto-congratulatório e auto-admirativo. A saída deste livro e a publicidade que lhe foi associada - a coscuvilhice pura com a devassa das conversas privadas com figuras públicas - têm o óbvio objectivo de promover as vendas e de acicatar a maledicência e a criação de factos pseudo políticos. E tal como a José António Saraiva e à editora interessa que se fale muito e se venda muito, interessaria a Pedro Passos Coelho associar-se a um fenómeno mediático que abre os telejornais e cria casos nas redes sociais, numa tentativa de se mostrar e de colher dividendos dessa publicidade.

 

A veemente condenação prévia do livro e, principalmente, a confissão de Passos Coelho que não o tinha lido antes de aceitar o convite para o apresentar, mantendo mesmo assim a intenção de o fazer, apenas demonstra a armadilha em que caiu ou, em alternativa menos benéfica, que não teria possibilidade de lho negar (por eventuais favores que lhe devia?).

 

Não tenho vontade de ler o livro. Não me interessa o tema nem o autor. Mas também não percebo a iniciada sanha persecutória a quem o ler, como se fosse cúmplice de um crime, nem as repetidas declarações de repúdio e nojo de quem ainda o não conhece. Faz-me alguma confusão que as pessoas se pronunciem sobre algo que não conhecem, por muito que confiem na opinião de outros. Cada vez mais me apercebo de que é melhor formarmos as nossas opiniões de uma forma directa e objectiva, sempre que possível . O que se publica nos jornais, o que se diz que se disse e que se pensou e que se escreveu, na maior parte das vezes não corresponde à realidade.

 

Há já muitos anos, quando José Saramago publicou o seu excelentíssimo livro O Evangelho segundo Jesus Cristo, em conversa com alguém que é católica, apostólica e romana, fiquei muda de espanto perante a sua veemente condenação do livro, afirmando que nunca o leria pois o livro era uma provocação. Concluí que se a sua fé era fraca, tal o medo de ser posta em causa pela leitura de um livro.

 

Escrever o que se quer e ler o que ser quer, tudo faz parte da vivência em liberdade.

Pág. 1/2