Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Do obscurantismo

jornal português.jpg

Tenho estado a ver os dvds editados no fim do ano passado pela Cinemateca - Jornal Português - que consiste num grupo de documentários realizados entre 1938 e 1951, que eram exibidos nos cinemas antes dos filmes, produzidos pela Sociedade Portuguesa de Actualidades Cinematográficas para o Secretariado da Propaganda Nacional.

 

Ainda vou em 1940 e é extraordinário como era possível manter todo um povo na total ignorância do que se passava no mundo e no próprio país, para além das partidas e chegadas do Presidente da República, dos aniversários dos Pupilos do Exército, dos prémios literários, dos ranchos folclóricos, da aldeia mais portuguesa de Portugal com o seu galo de prata, as inaugurações dos quartéis da GNR ou as paradas da Legião Portuguesa.

 

galo de prata.jpg

 

Não se fala da vizinha Espanha, na guerra civil, na II Guerra Mundial, havendo de vez em quando uma alusão aos refugiados polacos, aos actores que passavam em Lisboa a caminho dos EUA, com uma única referência à guerra nos oceanos pela salvação de uns sobreviventes de um navio bombardeado pelos alemães.

 

Há um documentário que fala das cheias no Tejo (1940), mostrando vilas totalmente alagadas e falando de luto e desgraça, mas nada mais. É muito difícil imaginar a vida naqueles tempos mas uma coisa parece certa: o País retratado naqueles documentários não tinha nada a ver com o real.

 

A informação livre é um bem inestimável a que não damos a devida importância. Tal como à democracia, à paz, à segurança. Tudo valores que são perecíveis.

 

Alguma palavra

 

bruxelas 1.jpg

 

Alguma palavra que transforme

o sangue em água para alimento.

Alguma palavra que levante

o sangue em asas para linimento.

 

Procuramos o silêncio

de quem troveja para que possa ouvir

a serenidade da paz a indizível harmonia

do pão. Que na cruz da esperança desfeita

a palavra murmure

amanhã.

O reinado do medo

bruxelas.jpg

 

 

Não há mais palavras para condenar estas acções bárbaras de criminosos sem escrúpulos.

 

O reinado do medo, propagado por carnificinas transmitidas directamente pelas televisões, não pode ser justificado por qualquer deriva ideológica de todos os que, democraticamente, são eleitos e representam os povos em que a liberdade é o estandarte, como tenho assistido em posts no facebook, ao mencionarem Bush, Aznar, Tony Blair e Durão Barroso como cabecilhas dos atentados. Independentemente de todas as divergências entre pessoas e povos, o respeito pela nossa forma de vida deve ser exigido a todos os povos e culturas, como o exigimos nas nossas sociedades democráticas.

 

O que está em causa é a nossa forma de viver, a nossa liberdade e a nossa democracia. É muito, muito difícil, mas não podemos ceder ao medo.

 

Teresinha

Chico Buarque & Zizi Possi

 

 

O primeiro me chegou

Como quem vem do florista:

Trouxe um bicho de pelúcia,

Trouxe um broche de ametista.

Me contou suas viagens

E as vantagens que ele tinha.

Me mostrou o seu relógio;

Me chamava de rainha.

 

Me encontrou tão desarmada,

Que tocou meu coração,

Mas não me negava nada

E, assustada, eu disse "não".

 

O segundo me chegou

Como quem chega do bar:

Trouxe um litro de aguardente

Tão amarga de tragar.

Indagou o meu passado

E cheirou minha comida.

Vasculhou minha gaveta;

Me chamava de perdida.

 

Me encontrou tão desarmada,

Que arranhou meu coração,

Mas não me entregava nada

E, assustada, eu disse "não".

 

O terceiro me chegou

Como quem chega do nada:

Ele não me trouxe nada,

Também nada perguntou.

Mal sei como ele se chama,

Mas entendo o que ele quer!

Se deitou na minha cama

E me chama de mulher.

 

Foi chegando sorrateiro

E antes que eu dissesse não,

Se instalou feito um posseiro

Dentro do meu coração.

Dos golpes muito democráticos

a very british coup.jpg

 

Como já vai sendo hábito vou degustando lentamente as ofertas cinematográficas do Natal. Este ano uma das séries que aterrou cá em casa, pela mão de alguém muito atento e conhecedor, foi A Very British Coup.

 

Não podia ter sido mais oportuna. Esta série tem 28 anos e parece ter sido realizada hoje. Podemos fazer algumas comparações directas, não só com o que se está a passar no Brasil mas também com o que se passa na Europa.

 

Dilma e Lula cometeram um erro colossal - a primeira por nomear o segundo por aceitar a nomeação. Independentemente do envolvimento real ou manipulado de Lula e/ ou Dilma em corrupção, esta foi a pior forma de contornar o assunto. Nunca se livrarão da suspeita de tentativa de encobrimento político e de fuga à justiça.

 

Não conheço o sistema político nem a Constituição brasileira, mas não duvido da tentativa e da manipulação das forças mais retrógradas e revanchistas da direita brasileira para apear a esquerda vencedora das últimas eleições. Infelizmente a esquerda está a ajudar. 

O caminho faz-se caminhando

orcamento aprovado.gif

16/ Março/ 2016

 

O orçamento de Estado, contra todas as opiniões mediáticas, jornalistas muito imparciais e comentadores competentíssimos, foi aprovado com o voto e o aplauso dos partidos que suportam o governo, como tinha sido assumido pelos mesmos.

 

António Costa tem-se revelado muito melhor Primeiro-ministro em funções que candidato à função, felizmente para todos nós. A pouco e pouco vão-se delineando as políticas do novo ciclo.

  • O Ministro da Educação arrepiou caminho em relação às obrigatórias provas de aferição para este ano, e fez muito bem. Esperemos que ainda apure o novo modelo e que comece a pensar numa verdadeira modificação tranquila de todo o sistema, adaptando-o aos novos tempos, aproveitando experiências noutros países e não cedendo às pressões de quem nada quer que mude. A coragem política é indispensável e as notícias do aproveitamento das escolas públicas para celebrações religiosas, independentemente das opiniões das associações de pais, é uma péssima notícia. O Estado é laico pelo que é absurdo que se mantenham essas práticas, seja aonde for. A religião tem o seu espaço fora da Escola Pública.
  • O Ministro da Saúde vai fazendo o seu caminho, até agora mais prometido que concretizado. Mas as orientações que expressa são um refrescamento daqueles conceitos que parecia termos esquecido - o SNS não é um serviço para pobres, deve ser pago por todos de igual forma, pois a discriminação é feita através de impostos, é preciso investir nos cuidados primários e no atendimento comunitário e domiciliário. Embora considere importante e necessário o conhecimento e definição dos centros de referenciação, há o perigo de desinvestimento nas restantes unidades de saúde, o que levará a um círculo vicioso e a um depauperamento da confiança dos doentes nos hospitais que os servem e uma degradação dos próprios centros de referência pela exaustão de meios.
  • Outra notícia interessante é a do investimento na modernização do sector dos táxis, com a hipótese de regulamentação dos UBER. Já rufam os tambores da revolta, pois a modernização é avessa ao imobilismo e as Associações dos profissionais apenas parecem apostadas em impedir a concorrência.

Parece que as agências de rating não estão a colaborar com a direita, o que também é uma novidade. Veremos se Bruxelas aprende a respeitar a vontade dos eleitores em Portugal.

 

Todos os dias

RRSLEN_GANEWAY.jpg

Derek Wernher

 

Tantas palavras e juras

tantos beijos enviados

tantas virtuais canduras

tantos desejos cantados

 

nos dias das mães dos pais

dos avós tios e tias

e de todos os demais

membros de tantas famílias.

 

E eu aqui escondida

parca de braços e gestos

sem oferta derretida

nem abraços de afetos

 

lembrando tantas viagens

amor a quem tanto devo

apagado das mensagens

vivo nos versos que escrevo.

Sob medida

Chico Buarque & Simone

 

 

Se você crê em Deus

Erga as mãos para os céus

E agradeça

Quando me cobiçou

Sem querer acertou

Na cabeça

Eu sou sua alma gêmea

Sou sua fêmea

Seu par, sua irmã

Eu sou seu incesto

Sou perfeita porque

Igualzinha a você

Eu não presto

Eu não presto

 

Traiçoeira e vulgar

Sou sem nome e sem lar

Sou aquela

Eu sou filha da rua

Eu sou cria da sua

Costela

Sou bandida

Sou solta na vida

E sob medida

Pros carinhos seus

Meu amigo

Se ajeite comigo

E dê graças a Deus

 

Se você crê em Deus

Encaminhe pros céus

Uma prece

E agradeça ao Senhor

Você tem o amor

Que merece

Imprimir

Da Primavera Presidencial

presidencia.JPG

 

Temos dúvidas quanto a Marcelo Rebelo de Sousa? Sim, muitas, começando até pela estridência dos afectos e dos banhos de multidão.

 

Há, no entanto, uma refrescante descompressão na sociedade, que vê virar-se uma página que não sonhava possível há uns meses. Começou pela surpresa governamental para continuar na despedida de um Presidente totalmente alheado do sentir de quem mais sacrificado foi ao altar da austeridade e da crise, esquecendo o seu papel agregador, o poder da empatia e do conforto dos valores humanistas e de solidariedade.

 

Por isso não me caem os pergaminhos de esquerda se disser que gostei do discurso e dos folguedos da tomada de posse, que duraram 3 dias. Gostei do convite ao Presidente moçambicano e da ausência do angolano, gostei da cerimónia na mesquita, percebi bem a euforia no concerto da noite e do bairro do Cerco.

 

Na Assembleia Ferro Rodrigues foi excelente. Quanto às palmas dos deputados, o facto de se pertencer a um determinado partido não deveria levar a contradições: a ovação pela direita de um Presidente que deu voz a muito do que a esquerda defendeu, estando esta concentrada em demonstrar que, por ser a esquerda, não pode aplaudir alguém apoiado pela direita.

 

São este tipo de entendimentos do que é fazer política que afasta os cidadãos dos seus representantes. Tal como o prometido chumbo ao apoios financeiros à Turquia e à Grécia por parte daqueles que assumiram esse compromisso no governo anterior. Não é menos verdade que o BE e o PCP devem ponderar votar favoravelmente esses apoios precisamente por serem compromisso que Portugal, como um Estado soberano, assumiu perante os restantes países europeus.

 

A tomada de posse de um novo Presidente deve ser um momento solene da nossa democracia, ainda mais numa altura em que a mudança de protagonista pode ser muito importante para a estabilidade e a melhoria da confiança e da esperança no futuro.

 

Desejo muita sorte a Marcelo Rebelo de Sousa. Ela significará a felicidade de todos nós.

Pág. 1/2