Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Das tristezas que não pagam dívidas

E como é tempo de começar, comecemos bem, comendo, bebendo e brincando (ai, ai), que é o que se leva desta vida.

 

Este Natal, mesmo não relatados, os repastos foram muitos e fartos, em quantidade e qualidade certificadas: rabanadas, filhós, azevias, aletria, sonhos, bacalhau com batatas, couves e grão, vinho tinto Cartuxa EA, licores dos mais finos da adega caseira, marca Dona Sofia & Companhia (marca reputada e habitual à mesa cá de casa). Não falo da calda maravilhosa que tentei repetir (para os sonhos), que desta vez ficou maravilho...samente espessa, impossibilitada de fluir e ensopar os ditos (esses sim, maravilhosos). O arroz de pato da Chefe Mais Sábia foi uma festa para os palatos mais exigentes. E esta Consoada teve um gosto muito especial, pois a família reuniu-se com os andarilhos pelo mundo de regresso a casa (ainda que momentaneamente para alguns), além de novos comensais, de paragens mais longínquas.

 

Mas isto é o preâmbulo para a descrição dos mimos que estão a ser preparados para degustar pela noite dentro e pela madrugada fora, em animação madura e contida mas não menos real. O Chefe prepara os Camarões à Tio Fausto (um must nestes réveillons), para além dos patés e dos queijos com as respectivas tostas e bolachas de água e sal, da salada de frutas especial (que chega, pelo menos, para 300 pessoas), da sempre eterna e omnipresente aletria, do vinho Chardonnay Borgonha Côtes D'Auxerre e do champanhe Veuve Émille, que nos acompanharão e ampliarão a alegria.

 

Com conversa, convívio e amizade, faremos figas e rogaremos uma praga à má sorte. António Costa será Primeiro-Ministro, António Guterres será Presidente da República, a Justiça será uma realidade e nós teremos confiança nela, os jovens começarão a ver uma luz ao fundo do túnel e a Europa regressará a si própria.

 

Que haja trabalho, música, poesia e romance e, mais importante que tudo isso, bom humor e disposição para esquecer os maus dias e aproveitar os bons. E como Carlos do Carmo foi agraciado com o Grammy latino, aqui deixo o Fado da Saudade cantado por ele, com letra de Fernando Pinto do Amaral e música de (envolto em polémica...), também agraciado com um Goya.

 

Fado da Saudade

Fernando Pinto do Amaral & Carlos do Carmo

 

Nasce o dia na cidade, que me encanta

Na minha velha Lisboa, de outra vida

E com um nó de saudade, na garganta

Escuto um fado que se entoa, à despedida

E com um nó de saudade, na garganta

Escuto um fado que se entoa, à despedida

 

Foi nas tabernas de Alfama, em hora triste

Que nasceu esta canção, o seu lamento

Na memória dos que vão, tal como o vento

O olhar de quem se ama e não desiste

Na memória dos que vão, tal como o vento

O olhar de quem se ama e não desiste

 

Quando brilha a antiga chama, ou sentimento

Oiço este mar que ressoa, enquanto canta

E da Bica à Madragoa, num momento

Volta sempre esta ansiedade, da partida

Nasce o dia na cidade, que me encanta

Na minha velha Lisboa, de outra vida

 

Quem vive só do passado, sem motivo

Fica preso a um destino, que o invade

Mas na alma deste fado, sempre vivo

Cresce um canto cristalino, sem idade

Mas na alma deste fado, sempre vivo

Cresce um canto cristalino, sem idade

 

É por isso que imagino, em liberdade

Uma gaivota que voa, renascida

E já nada me magoa, ou desencanta

Nas ruas desta cidade, amanhecida

Mas com um nó de saudade, na garganta

Escuto um fado que se entoa, à despedida

 

Bom Ano para todos!

Dos votos anuais

hope 1.jpg

And Light Fell On Her Face Through Heavy Darkness

Gavin Worth

 

2015.jpg

Montagem de NUMBERS ONE through ZERO

Robert Indiana

 

Hoje esteve um dia lindo, frio e luminoso, como que a pedir desculpa ao Universo pelos restantes dias do ano que acaba. De uma forma ou de outra, lá vamos cumprindo os rituais das despedidas e das alvoradas dos velhos e novos ciclos de tempo.

 

Espero sempre muito do futuro, do próximo ou do mais longínquo. E por isso me desiludo muito, com o próximo e com o longínquo. É difícil alegrar-me com as vitórias, quando à minha volta conheço tantas derrotas.

 

Felizmente há a música, sempre a música. Vou começar o ano com ela e na companhia de quem comigo partilha ventos e marés, viagens aos abismos e às estrelas. Talvez no abraço que nos damos esteja a vontade renovada de continuar.

 

Que todos possam brindar à esperança. Aguardam-nos mais 365 dias de luta por uma vida melhor, mais digna e mais justa.

Da (des)animação futura

Pouco me apetece celebrar o próximo 2015. Afigura-se um ano de mais pobreza, mais desesperança, mais tristeza. Enfeitamos o Natal mas ele mostra-se cada vez mais no esplendor da hipocrisia e da falsidade.

 

Eleições, legislativas e presidenciais. O ano político marcará tudo o resto. O PS de António Costa ainda muito morno, não sei se a preparar-se para os embates se porque não sabe o que fazer. Em relação à escolha de um Presidente nem a esquerda nem a direita têm figuras que se perfilem com a qualidade que associamos à mais alta autoridade do Estado. E bem precisamos, depois de 2 mandatos de um Presidente que desconfigurou essa função. Se António Guterres não avançar para a Presidência, o PS ficará com um problema acrescido. Sampaio da Nóvoa não me parece uma boa hipótese e a fabricação de candidatos lembra-me sempre o que se passou com Fernando Nobre. Em relação à direita, continuo a pensar que Marcelo Rebelo de Sousa se não apresentará e as outras hipóteses não são animadoras.

 

A Europa esfrangalha-se perante a incapacidade política dos países membros, principalmente daqueles que são mais iguais que os outros. O bem-estar social evapora-se, com os problemas das desigualdades, das populações migrantes, do desemprego galopante, da falta de perspectiva das novas gerações, com o envelhecimento populacional.

 

De facto nada está animador. Enconchamos cada um na sua realidade, o egoísmo e o autismo medram.

 

Não podemos, no entanto, desistir de um futuro. E por isso alguma esperança ainda persiste. Pode ser que 2015 nos traga alguma boa surpresa.

Vulgar

vector.jpg

Adamo Macri

 

Descubro-me sempre menor

do que me sonho. Tão mais vulgar e apagada

que nos espaços que percorro e conquisto

para me reconhecer acordada

figura de cera inamovível e incolor.

Das correspondências da época

pai natal.png

Querido Pai Natal,

Querido Menino Jesus,

 

Penso que não tenho nenhum pedido especial. Também me parece que já devem estar bastante cansados dos pedidos da humanidade, daquela parcela da humanidade que pede e se queixa, pois a outra parte nem sequer tem força para se lembrar das épocas natalícias, ocupada que está a sobreviver.

 

Por isso esta carta serve apenas para vos dizer que compreendo a enorme vontade que devem ter de despachar esta quadra o mais depressa possível, para que regresse o silêncio e se refaçam as forças para enfrentar mais um ano de penúria, revolta e tristeza perante o que se passa no país e no mundo. E para que o grande intervalo entre este e o próximo Natal seja aproveitado para devolver alguma esperança a quem já desesperou, alguma decência e dignidade a quem a perdeu ou a quem delas foi obrigado a separar-se. E mais que tudo, antes que tudo e a propósito de tudo, que não nos percamos uns dos outros.

 

Boa Consoada.

 

PS – Ajudava IMENSO a eleição do PS com maioria absoluta e de um Presidente que nos restaurasse a vontade de resistir.

Das noites solidárias

A solidariedade e o carinho cristãos deixaram de ser sentimentos da intimidade de cada qual, um amor ao próximo íntimo e modesto, apenas conhecido desse próximo e de Deus inspirador de tão santas tendências e convicções, para passar a ser um acontecimento social, propagandeado e apregoado pelos media, com fotos das benfazejas criaturas adequadamente vestidas - ou como se fossem para a ópera ou com a fluorescência dos bombeiros. Alvos de grandes e oportunas reportagens, os desgraçados que tiveram a infelicidade de ser sem-abrigos, novos e envergonhados pobres ou outra qualquer marginalidade, são exibidos sem qualquer pudor para os consumidores de big brothers, condoídos candidatos a qualquer coisa ou empresários com enormes consciências sociais.

 

Tal é a quantidade de iniciativas para ajudar os desfavorecidos que a noite de Natal não chega para tanto ardor de ajuda e amor, pelo que as ceias começam a 14 de Dezembro, para que as santas e os santos ajudantes de Cristo possam ter a noite de 24 para consoarem na paz do Senhor, nas suas quentinhas casas e com as suas famílias mais ou menos funcionais, tranquilizadas as consciências pelo bem espalhado, deixando os sem-abrigo e as famílias carenciadas com o seu Natal minguante.

Dos preparativos (3)

licor folha figueira.png

Em abono da verdade deve dizer-se que, embora estejam deliciosos, os licores de ameixa e de pêssego não se distinguem muito bem um do outro e não sabem grandemente a qualquer das frutas. Até a cor é muito parecida.

 

Há apenas um pormenor que os separa - o de pêssego está bastante mais forte que o de ameixa! Mas não há desânimo que me chegue, neste tema (palavra bastante em voga) dos licores. Este fim-de-semana foi a vez de acabar o último, que aguardava pacientemente a sua vez.

 

Esse foi uma excelente surpresa, porque a fé que tinha nele era escassíssima. É de folha de figueira. Não uma novidade, porque já o tinha feito, mas as folhas que gentilmente me deram não tinham um perfume muito acentuado e eu estava bastante céptica quanto ao resultado final.

 

Pois está mesmo muito bom. Tem mesmo a cor da folha de figueira, um perfume e um sabor que lembra o figo, está excelente e é fácil de fazer.

 

Colocam-se as folhas de figueira partidas aos bocadinhos (com as mãos) num frasco de boca larga com a aguardente do costume. Depois de macerar pelo menos 1 mês (eu deixei-as a macerar desde Setembro), côa-se a aguardente (num pano de algodão ou de linho), faz-se um xarope com água, açúcar e raspa de laranja (para 1 litro de água, 750 g de açúcar a ferver durante 15 minutos). Depois junta-se o xarope à aguardente (para cada litro de aguardente, 8 dl de xarope) deixa-se ferver, enfrasca-se e só se rolha quando está frio.

 

O problema começa a ser a falta de imaginação para tanto verso de pé quebrado!

Pág. 1/2