Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Alongar

 

 

Tejo 

 

 

1.

Inclinada a cidade esvai-se

sangra pelas ruas em pedras rolantes

e passos cansados exausta

de mundo de inverno de pó.

 

2.

Ficamos sentados à beira do tempo

desistentes da vida assistimos

ao dobrar dos troncos

ao vergar das nuvens.

 

3.

Desenhei num mapa que só tu entendes

os cruzamentos em que alongamos

imensas e surdas despedidas.

 

As vozes dos outros (3)

(..) Para mim o poeta é alguém que está «em contacto». Alguém através de quem passa uma corrente. Mas, definitivamente, a poesia e a prosa têm enormes semelhanças. A prosa está cheia de ritmos subjacentes, que descobrimos muito rapidamente quando estamos atentos. Só que a poesia, e é aqui que acho que o poeta moderno se engana, assenta em efeitos de repetição, que são capazes de ter um papel encantatório, ou, pelo menos, de se impôr ao subconsciente. Uma poesia sem ritmos imediatamente perceptíveis não estabelece o contacto necessário com o leitor (...)

 

De Olhos Abertos - Marguerite Yourcenar - Conversas com Matthieu Galley

Relógio D'Água Editores, Junho de 2011

 

Vozes

 

Wendy Dunder

 

Sabia que a olhavam de lado, como a uma louca. Sabia que era louca, mas apenas por ser racional.

 

Começou a falar consigo desde muito cedo. O silêncio da casa, o enorme espaço vazio à sua volta, a todas as horas do dia, em todos os gestos que ecoavam a solidão. Parecia que as vozes dentro de si rebentavam, enchiam o mundo, entonteciam. Não conseguia distinguir os pensamentos dos sons exteriores a si, do mundo.

 

Falar consigo materializava alguém que lhe era intrínseco e que, no entanto, não conhecia. Não precisava de ter um interlocutor, não precisava que se sentasse ao seu lado, que anuísse ou discordasse, que lhe lesse passagens de um livro, que lhe apreciasse a comida, que necessitasse de companhia.

 

Falar consigo dava-lhe conforto e segurança. Era como uma cadeira que esperava pelo seu descanso.

 

Das circunvoluções da memória

 

 

Depois de ouvir Lobo Xavier dizer que o PSD e o CDS precipitaram e queriam o resgate do país, na última Quadratura do Círculo, aliás secundado por Pacheco Pereira, pergunto-me até onde irá a capacidade de reescrever a sua própria história que certas pessoas têm. Eu também concordo, que se não tivesse havido resgate, se o programa de Sócrates e Teixeira dos Santos tivesse sido aprovado na Assembleia da República, se não tivesse havido a campanha e assalto ao poder, pela manipulação dos intervenientes que, agora, descobriram os malefícios da intervenção externa e a europeização da crise, talvez o país estivesse melhor. Foi o que Rajoy fez.

 

Há uma cronologia do resgate, publicado pelo Público, e um arquivo do resgate que vale a pena consultar. Para que seja preservada a memória colectiva.

 

Ultrapassagem de limites

 

Estamos entregues a inqualificáveis e infelizmente, também inimputáveis. A Constituição passou a ser uma lei datada e que não deve ser do conhecimento de todos. O Presidente da República comenta as opiniões de sua esposa em relação aos milagres de Fátima. Os limites de dignidade são fronteiras que todos os dias se ultrapassam.

 

É tudo tão triste, tão menor, tão mesquinho.

Pág. 1/3