Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Tradição

 

 

Em resposta a uma pergunta de um simpático e atento comentador deste blogue, a tradição foi cumprida a preceito. A metade do cabrito partida aos pedaços, em que se destacava a meia cabeça que é sempre um pouco arrepiante, esteve de marinada em vinho, várias ervas, das quais destaco o tomilho e a bela-luz, sugerida (e colhida) por uma Tia bem ciente de saberes e sabores dos montes, sal e xarope de ácer, desde a véspera. Com um pouco de azeite, foi ao formo no tabuleiro do forno assou durante cerca de 1h30, em lume brando, virando-se de meia em meia hora. Juntaram-se castanhas em vez de batatas, e o acompanhamento leguminoso deste ano foi um esplendoroso esparregado.

 

Para a sobremesa pensei em várias inovações com base no bolo podre, pois tinha feito uma geleia de pera que mais parecia mel (ponto a mais). Mas como a recompuz com a compota de pera (ponto a menos), e como as expressões um pouco torcidas de quem me acompanha nestas aventuras, perante a substituição do mel pela dita geleia, não me incentivaram minimamente a tais experiências, resolvi jogar pelo seguro: foi um delicioso pão-de-ló, batido por muitos minutos por uma alma caridosa, regado com um creme de chocolate, aos quais se associaram bocadinhos de ananás muito doce.

 

O vinho foi, também para manter a tradição, Châteauneuf-du-Pape. Enfim, mais umas amêndoas de chocolate branco e negro, foi um verdadeiro festim. Ao menos isso, que o tempo estava muito pouco alegre. E ressuscitar, só mesmo o pecado da gula.

 

Renovação

 

 

Na berma da estrada correm flores roxas e amarelas, numa exuberância de vegetação bêbeda de água. O céu grita de azul e a mornidão do dia desabriga os passeantes.

 

A quietude e a cíclica renovação da natureza, ontem chuvosa, cinzenta e meditabunda, hoje indisciplinada e adolescente. Nada é eterno, nada é inamovível, nada é inevitável. Nasce-se, cresce-se e morre-se; sexta-feira da paixão, sábado de aleluia, domingo de ressurreição - Cristo como metáfora do que sabemos desde tempos imemoriais, desde o início da vida.

 

É esta a certeza que devemos ter sempre presente, por muito longínqua que a esperança esteja. Estamos apenas em gestação.

 

O gosto da descoberta

 

 

Não encontrei nenhum trabalho, teoria ou reflexão filosófica que explicasse a razão de haver uma associação entre a literatura policial culinária. Dos autores que conheço, bem sei que poucos dos milhões que devem existir, o que desvaloriza totalmente a amostragem, três, e todos pertencentes à Europa mediterrânica, têm detectives gourmet: Comissaire Maigret, de Georges Simenon, Pepe Carvalho, de Manuel Vázquez Montalbán, e o Inspector Jaime Ramos, de Francisco José Viegas.

 

Haverá alguma conexão especial entre o gosto e o raciocínio lógico, ou entre o gosto e a pulsão para a violência, para o crime? As sensações despertadas pelos odores das ervas e das carnes, pelas texturas e pelas cores dos alimentos, pelos paladares dos doces e dos ácidos, serão semelhantes às do encontro de padrões de comportamento, dos elos perdidos nas cadeias de acontecimentos, das motivações escondidas da superfície, da incapacidade de não esgravatar à procura do tesouro, da resposta a um enigma?

 

Cozinhar ocupa as mãos, que se desdobram em afazeres de esmagar, cortar, mexer, misturar, libertando a mente para o raciocínio e a contemplação. Por outro lado, as memórias evocadas pelos cheiros e pelos sabores, poderão estimular miríades de outras memórias e de saberes aprendidos sem nos darmos conta, que ligam factos e levantam mais perguntas.

 

Há dias ouvi Francisco José Viegas contar que lhe faziam, por vezes, perguntas, como se Jaime Ramos fosse real. Pois o Inspector Jaime Ramos é real, tem uma casa onde mora, ruas por onde caminha, mercados onde escolhe os ingredientes que cozinha devagar, enquanto saboreia um bom vinho, um clube pelo qual torce, um trabalho que lhe revela a sua própria humanidade. Poderá até ser mais real do que o próprio criador. E este é um dos maiores elogios que se pode fazer a um escritor.

 

Sobre a entrevista de Sócrates

 

Subscrevo muito do que Porfírio Silva diz, principalmente a sua última frase:

(...) Dito tudo isto, tomara Portugal poder contar com muitos políticos com a preparação, a força e o patriotismo de José Sócrates. Fazem-nos tanta falta políticos desses como não nos fazem falta nenhuma quaisquer excessos de sebastianismo positivo ou negativo.

Sócrates - o regresso

 

 

A reacção à notícia da contratação de Sócrates pela RTP pertence ao domínio da patologia social. Ou ao domínio do pavor irracional. Ou ao domínio da mediocridade acéfala. Ou ao domínio da incapacidade de sentir a democracia.

 

Ao fim de dois anos há um enorme vazio de liderança no PS, onde António José Seguro continua a protagonizar a ausência de alternativa à política desastrosa do governo e da maioria PSD/CDS. Por outro lado, toda a propaganda feita durante os últimos meses do governo anterior, comandada pelo Presidente da República, em que diariamente se demonstrava a necessidade absoluta de mudar de governo pela exorbitância dos sacrifícios que se estavam a impor aos portugueses, com a implementação dos sucessivos PECs negociados com a Europa, em que diariamente se propalava a obrigatoriedade de recorrer ao resgate do país, culpando-se Sócrates de ser teimoso e de negar essa assistência financeira, em que diariamente todos os comentadores e economistas faziam eco da bondade e inevitabilidade das medidas de austeridade que iriam salvar o país, se esboroou e escancarou todo o embuste que venderam.

 

Imediatamente após o assalto ao poder, esta maioria fez exactamente o contrário do que prometeu, a troco de exactamente nada, ou mais precisamente, a troco de um retrocesso não só económico como social. O trabalho não vale nada, os direitos sociais transformaram-se num luxo só para alguns, a ideologia reinante regressou ao miserabilismo e à corrente da minoria que tudo tem e da imensa maioria que se deve contentar e agradecer o pouco que pode.

 

Não tenho quaisquer dúvidas de que o regresso de Sócrates significa que ele quererá regressar à política activa. E já teve algum resultado, como a moção de censura que António José Seguro resolveu anunciar. De repente o PS quer dizer que está vivo. Por outro lado lêem-se artigos que defendem o resgate da área do comentarismo político para os jornalistas, quando estes apenas fazem propaganda mascarados de imparciais observadores da realidade. Aguardo ainda os sinais da Presidência. Calculo o desconforto causado pela ideia de ter José Sócrates a falar de algumas nebulosas acontecidas durante os seus governos.

 

Na verdade estamos todos à espera da entrevista agendada para 4ª feira. Se foi Miguel Relvas o autor de tão estrondosa ideia, como se diz por aí, não percebo muito bem o alcance da mesma. Para Sócrates até pode ser uma péssima aposta. O desgaste mediático de uma permanência semanal à frente das câmaras e o teor do género de programa não permitem distanciamento e convidam ao imediatismo e superficialidade das análises. Basta comparar com o que se passa com Marcelo Rebelo de Sousa, cuja hipótese de candidatura presidencial me parece cada vez menos credível, pois está transformado no Professor Zandinga da política. De qualquer das formas, odiado por uns, aplaudido por outros, já mexeu um pouco estas águas paradas.

 

Pág. 1/3