Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Retroceder - direita volver

 

Neste momento multiplicam-se os programas, editoriais e comentários sobre o descalabro deste governo. Em muitas circunstâncias, exactamente com os mesmos protagonistas daqueles que o fizeram nos meses anteriores à queda de Sócrates.

 

Mas na verdade, por muito que se fale da agenda ideológica do governo, a legitimidade deste é inatacável, tal como a implementação da sua agenda ideológica. Foi eleito para governar com a sua agenda e o seu programa. Mentiu na campanha eleitoral, é verdade, mas todos os partidos o fazem e fizeram. E as sondagens continuam a dar-lhe maioria.

 

É claro que o resultado das sondagens explica-se pela abulia e anosmia da oposição toda, mas particularmente de António José Seguro, à frente do PS. Felizmente, de vez em quando, aparecem alguns textos que, certeiramente, contextualizam o que se está a passar.

 

É o caso do artigo de Maria de Lurdes Rodrigues, no Expresso, que chama a atenção para o retrocesso civilizacional a que vamos assistindo, com a ideia que esta maioria tem do que é a educação - a perpetuação da imobilidade social, pela hereditariedade da classe e do status académico. Não há dinheiro para aceder às licenciaturas, como deixa de haver cabimento para aspirar a outra coisa senão aquilo que se nasceu para ser. O nosso fado, mais uma vez, numa espiral de mediocridade e mesquinhez, em que a vida só tem esplendor para alguns poucos sortudos que tiveram a felicidade de nascer em berço dourado - os fidalgos (filhos de algo).

 

A juntar ao real empobrecimento da classe média e dos pobres, transformando a classe média em pobres, que não têm dinheiro para a sua própria saúde e que deixam de ter direito a ela, pois o Estado aliena-se e esvazia-se das suas funções. A juntar ao discurso moralista desta direita retrógrada que culpa os mais pobres pela crise e pelo endividamento do país, como pude assistir atónita num dos muitos frente a frente do Mário Crespo, aquele paladino da mais completa e triste palhaçada da parcialidade e da náusea profunda do descaramento.

 

Eu até estou totalmente de acordo com as facturas obrigatórias. Mas não sei como é que muitos dos meus concidadãos irão (sobre)viver sem a economia paralela que existe.

 

Volto ao início. Este governo foi aquele que elegemos. Há uma direita e uma esquerda. Esta é a direita.

Urgências outra vez

 

Muito se tem falado dos cortes no orçamento da saúde. Mais do que o valor dos cortes, o que está em causa, para uma saúde de qualidade, visto que todos concordamos que temos que racionalizar os custos, é onde e como se fazem os cortes.

 

A reforma das urgências hospitalares é, ela própria, uma urgência. Assim foi quando Correia de Campos a quis fazer, assim é agora, com o relatório hoje tornado público. Tal como com Correia de Campos, já se começaram a ouvir os seus detratores, desde autarcas a outras vozes, sempre renitententes a qualquer mudança.

 

Este é um assunto que precisará de ser discutido em termos técnicos e depois decidido em termos políticos. Espero que o PS não faça o mesmo que toda a oposição fez, demagogica e populistamente, com a tentativa de reforma anterior. Por sinal, terá sido feita alguma avaliação aos resultados do que foi feito?

 

Um dia como os outros (115)

 

Uma das manifestações mais vexantes do atrofio geral que molda a nossa política consiste na repetição da cassete laranja onde ouvimos dizer que o “PS está agarrado ao Memorando” porque foi um Governo socialista que o pediu, o negociou e assinou. (...) Primeiro, a necessidade do Memorando resulta de um boicote do PSD e do CDS (ajudados pelo Presidente da República, BE e PCP) a um programa alternativo defendido pelo Governo de então e por todos os responsáveis europeus. Conclusão, o Memorando interessava aos interesses da direita, a qual fez campanha por algo similar ao longo de 1 ano. Segundo, o Memorando foi negociado e assinado também pelo PSD e CDS. Tanto Catroga, que disse ter influenciado o acordo, como Passos, que disse estar em perfeita sintonia ideológica com ele, reclamaram vitória pela sua implementação. Conclusão, o Memorando consubstancia uma visão da sociedade e da economia na qual o PS não se revê, mas a qual espelha os pressupostos programáticos dos radicais da diminuição do papel do Estado. Terceiro, o Memorando foi sofrendo alterações a seguir à tomada de posse do Governo PSD-CDS. Essas alterações deixaram de contar com a participação do PS, o qual não foi mais tido nem achado e talvez nem saiba agora do que consta a mais recente versão do acordo.

 

Como se explica a repetição maníaca desta cassete, tanto por deputados, como por dirigentes, como por jornalistas do laranjal? Explica-se pela cumplicidade de Seguro. O apagamento do passado recente que Seguro instaurou logo a partir da sua campanha para Secretário-Geral abriu todo o flanco para o partido ser impunemente sovado até à perda de consciência. (...)

 

Valupi

Peculiaridades de Trancoso

 

 

Pois não consegui perceber como apareceram as Sardinhas Doces de Trancoso. É um doce conventual, do século XVII, originadas no Convento de Freiras de Santa Clara. Mas porquê sardinhas em Trancoso, não sei.

 

Como quase toda a doçaria conventual são feitas com ovos, açúcar e amêndoa, envoltas numa massa fina com chocolate. Há um ano foi criada a Confraria das Sardinhas Doces de Trancoso, para valorizar e promover este doce peculiar.

 

Na verdade em Trancoso há outras coisas peculiares, desde o Padre Francisco Costa, o tal que foi condenado por libertinagem, com centenas de filhos de dezenas de mulheres, até ao Sapateiro Bandarra, profeta e trovador messiânico.

Rupestre

 

 

Devo confessar que as minhas expectativas não eram grandes. Mas foram altamente ultrapassadas pela realidade.

 

O Museu do Côa, em Vila Nova de Foz Côa, foi uma revelação. Para quem esperava uma visita guiada às gravuras rupestres encontradas no vale do Côa (motivo de grande disputa política antes de António Guterres ter chegado ao poder), que não foi possível realizar por não ter sido marcada com antecedência, o museu foi uma excelente substituição.

 

É um edifício muito bem enquadrado, fazendo lembrar as pedras de que estamos rodeados, bem inserido na paisagem e com uma vista lindíssima. As gravuras são explicadas e mostradas com recurso a meios áudio visuais bem conseguidos e muito esclarecedores. Há pequenas resenhas históricas, artefactos que mostram a evolução geológica e comparações com outros achados similares noutras regiões, inclusivamente na Noruega.

 

As gravuras são muitas e muito mais perceptíveis do que esperava. É uma enorme colecção que se espalha ao longo de várias localidades, efectuadas ao longo de várias épocas, com dezenas de milénios de diferença. Incluem figuras humanas e de animais. Vale muitíssimo a pena visitá-lo.

Contorcionismos

 

Os contorcionismos possíveis para se atacar o PS e desviar as atenções da raiz do problema, são extraordinários. Segundo Nuno Melo, há dias num programa de televisão, em que conseguiu dizer várias enormidades, aponta o problema da licenciatura de Miguel Relvas ao processo de Bolonha. O líder da JSD pede responsabilidades e esclarecimentos a Mariano Gago, a propósito da lei das equivalências.

 

Não seria melhor absterem-se de fazer comentários disparatados?

Tempo

 

Manfred Kielnhofer: Time Guardians

 

1.

De súbito encolheu-se o tempo esvaziado

Em que a falta do corpo pesa na alma.

 

2.

Não encontro o papel

em que escrevi o infinito que me esperava.

À minha volta descansam apenas

as sombras do que já fui.

 

3.

Junto ao mar

o tempo passa com o langor das ondas

lento e insaciável.

 

All you need is love

Beatles

Love, love, love, love, love, love, love, love, love.

There's nothing you can do that can't be done.

Nothing you can sing that can't be sung.

Nothing you can say but you can learn how to play the game

It's easy.

There's nothing you can make that can't be made.

No one you can save that can't be saved.

Nothing you can do but you can learn how to be you

in time - It's easy.

 

All you need is love, all you need is love,

All you need is love, love, love is all you need.

Love, love, love, love, love, love, love, love, love.

All you need is love, all you need is love,

All you need is love, love, love is all you need.

There's nothing you can know that isn't known.

Nothing you can see that isn't shown.

Nowhere you can be that isn't where you're meant to be.

It's easy.

All you need is love, all you need is love,

All you need is love, love, love is all you need.

All you need is love (all together now)

All you need is love (everybody)

All you need is love, love, love is all you need.

 

Reformas impopulares

 

É importante que o PS não se esqueça da manipulação das populações efectuada pelos autarcas, a propósito da reforma da rede dos serviços de urgência e do fecho das maternidades, na altura de Correia de Campos. As reformas, sejam elas quais forem, são sempre incendiárias.

 

Se a reforma judiciária é boa ou má, não faço a mínima ideia. Mas não é pelas manifestações promovidas pelos autarcas que posso concluir alguma coisa. Mais uma vez, não tenho simpatias pela Ministra Paula Teixeira da Cruz. Considero mesmo a decisão sobre a divulgação dos nomes e moradas dos pedófilos um atentado contra um dos mais elementares direitos de cada cidadão, por muito que a justificação seja a segurança das crianças (o argumento da segurança justificou sempre as maiores barbaridades). Mas a reforma do mapa judiciário, seja ela qual for, será sempre mal recebida pelas forças conservadoras, venham elas de onde vierem.

 

Pág. 1/4