Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Estou em ânsias

 

 

 

A época natalícia torna-se ainda mais difícil quando nos confrontamos com as Boas-Festas do nosso Presidente, ou mais precisamente, do Casal Presidencial, porque agora temos direito a mensagem do Próprio e da sua Esposa, e com as Boas-Festas de António José Seguro.

 

O Casal à frente de um presépio e o Opositor ao lado de uma árvore de Natal, é quase um Carnaval antes do tempo, mas do lado mais negro, ou mais pequeno, de pequenino, de... como é possível?

 

 

Falta a mensagem do Primeiro-ministro. Estou em ânsias.

 

Este país não é para nós

 

A falta de preparação política do Primeiro-ministro em particular e do governo em geral, é assustadora. No meio de uma crise como esta, temos um governo que em vez de incentivar a população, dar-lhe confiança e incutir alguma esperança, a aconselha a emigrar.

 

A tristeza alastra e o encolher de ombros aumenta. Ninguém liga ao espectáculo dos (i)responsáveis e a revolta vai alastrando de uma forma larvar. À medida da cobardia, começamos a ter manifestações de vandalismo a coberto de pseudo-luta, como o que se está a passar no Algarve, com a destruição sistemática dos equipamentos para cobrança de portagens e como a pirataria informática.

 

Sem ideias e nada que as motive, vai engrossando o volume dos que, caso apareça um salvador, não quererão mais a democracia e a liberdade, mas a miragem da ordem e do respeitinho, alguma coisa que os poupe da miséria total e que lhe dê algum conforto. Infelizmente há muitos tipos de miséria e a deste governo é a cegueira ideológica.

 

Depressa e em força, para Angola, Moçambique, Brasil... Portugal não serve para os portugueses.

 

Que Estado?

 

Segundo o Primeiro-ministro, daqui a 20 anos as reformas serão cerca de 50% do que eram em 2007.

 

Fazendo contas, daqui a 20 anos ainda devo estar a trabalhar. Pelo menos enquanto trabalhar recebo a remuneração de quem está no ativo, mesmo que essa remuneração seja cada vez menor, tal como tem acontecido nestes últimos tempos, particularmente desde 2009.

 

Mas se, para esta coligação de direita que nos governa, aqui e na Europa comunitária, as reformas e os subsídios de desemprego se reduzem, aumentam as comparticipações para a saúde, a escola pública deixa de ser prioritária, cortam-se vias ferroviárias diminuindo a capacidade de mobilização das populações e destruindo a coesão do território, gostava que me esclarecessem para que servem os impostos que não param de crescer.

 

Se a ideologia reinante é a do utilizador-pagador, expressão chave que justifica a supressão das funções do Estado, com a hipocrisia e o engano de explicar aos incautos que quem mais ganha mais deve contribuir, esse mesmo Estado deveria abster-se de cobrar a enorme quantidade de impostos anuais para alimentar uma máquina que cada vez dá menos em troca.

 

Pode sempre apelar-se à sociedade civil que se organize para tratar da iluminação das ruas e dos bairros, contratar policiamento, utilizar a prestação de serviços de juízes e advogados quando necessário, construir escolas e hospitais.

 

Podemos até questionar, já que estamos em maré de revoluções de mentalidades, para que serve exatamente um Estado destes.

 

Quadras de Natal (2)

 

 

 

 

Pelo vento deste norte

entra a chuva de permeio

pelo teto da má sorte

já perdemos o sorteio.

 

Nem taluda de Natal

aquece o fim de Janeiro

nem festa de Carnaval

alumia o ano inteiro.

 

Vaticinam Entidades

em voz alta ou burburinho

tormentosas tempestades

a barrar-nos o caminho.

 

Respiramos nevoeiros

lendas velhas com bolor

sem armas nem cavaleiros

que nos respeitem a dor.

 

Faremos do astro rei

terra água fogo e ar

pelo povo e pela grei

havemos nós de clamar.

 

De Jesus não precisamos

parcos de fé e tão poucos

ao Menino nós amamos

mesmo que cegos e loucos.

 

Somos nós filhos de Deus

a pedir felicidade

possa ele fazer seus

nossos sonhos sem idade.

 

Um dia como os outros (106)

 

(...) A única razão que se pode encontrar para não haver devolução do dinheiro aos portugueses está nos objectivos de política macroeconómica. É preciso travar o consumo privado para reduzir as necessidades de financiamento externo - por muito que se apele ao "consuma português", o conteúdo importado das nossas compras é bastante elevado. E, desse ponto de vista, faz sentido que se reduza o rendimento disponível.

Mas, se o objectivo é travar o consumo privado, por que não substituir o imposto extraordinário por uma poupança forçada? O dinheiro que cada um de nós entregou ao Estado em imposto extraordinário seria aplicado em títulos de dívida pública (certificados do Tesouro, por exemplo), sendo devolvido num prazo pré-definido - por exemplo, no fim do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro.

O que ganhava o Estado e o País? Financiamento mais barato - as taxas cobradas pelos ditos mercados são superiores -; oferecia a alguns portugueses a experiência educativa de poupar; e daria uma pequena boa notícia: os sacrifícios também podem ter algum retorno, pequeno que seja, no curto prazo. No limite, até podia devolver uma parcela do imposto extraordinário a famílias com rendimentos por pessoa mais baixos. (...)

Helena Garrido

 

Pequenos

 

Petronella van den Berg: Friends

 

 

De pequenos confortos inaparentes e solitários

criamos espaços diários

sem dias feriados afetados.

 

De pequenos gestos irreverentes e solidários

criamos espaços familiares

contratos sem termo renovados.

 

Uma história de Natal

 

 

Conhece-os pelos nomes, pelos pais e pelas mães, os ausentes e os presentes, os desempregos e as necessidades especiais. Conhece-os pelas letras, pelas linhas, pelos risos. Sabe-lhes das tristezas, dos defeitos, dos almoços, das violências, das doçuras.

 

Tão séria e tão risonha, tão sarcástica e ternurenta, percorre  mundo a direito, percorre a vida que curva, percorre a cinza que incendeia. De memórias se fazem livros, de vontades se fazem dias, de simplicidade se fazem aqueles que dão o tempo, os dedos, as fantasias. Livros e desenhos, ecritores e pintores, a cada um uma palavra, para cada nome o elefante, ou o sol, ou a menina. Das memórias se podem dar pequenas grandes felicidades.

 

Feliz será este Natal, pelas mãos da Professora, de uns quantos fortuitos mecenas, de Alice Vieira, Afonso Cruz, Rita Taborda Duarte e Luís Henriques.

 

Assim será.