Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Distraidamente

 

(…) passa distraidamente pelos vários canais de televisão à espera que passe o tempo que disparate isto do fim do ano é só um dia exatamente igual aos outros todos que mania esta de separar o tempo como se o tempo tivesse quebras e sinais vermelhos isto só serve mesmo é para comprar agendas diferentes e beber um copo a mais não lhe está a apetecer nada o espírito festivo pôr a mesa lavar a louça estar acordada até à meia-noite só porque é fim de ano tanta coisa que ainda ficou por fazer e o tempo não pára os dias passam à velocidade da luz exponencialmente mais depressa cada ano que envelhece a relativização do tempo que ainda estará para acontecer em relação ao que já passou já não aguenta mais retrospetivas nem as infindáveis listas de melhores qualquer coisa não percebe bem o que tem de comemorar quando o que se adivinha é tão mau suspira e desliga a televisão que são horas de andar com a festa pelo menos está dispensada delas por mais um ano (…)

 

O banho

 

Degas

 

Não se lembra quando nem como começou o ritual. Todos os trinta e uns de Dezembro, pela tardinha, tomava um demorado banho, com tudo aquilo de que nunca se lembrava nos outros dias do ano. Sais, pétalas de rosa, espuma, horas de prazer e antecipação, pele delicadamente macia, fresca, rescendente a hidratantes e desodorizantes. Vagarosamente depilava-se, axilas, púbis, coxas e pernas, lábio superior, um retoque nas sobrancelhas. Quarto aquecido, a roupa de cerimónia a descansar no braço da poltrona, colar e brincos cintilantes em cima da cómoda, escova de crina para os seus cabelos.

 

A cerimónia de preparação demorava horas mas sempre perfeitamente cronometrada. Antes da meia-noite, com a mesa cheia de pequenas iguarias, o copo transbordante de champanhe, recebia o ano novo, como uma amante que se esmera para a consumação do ato. Mas ao contrário dos simples mortais, que de tanto ansiarem a felicidade nunca a encontram, a ela o primeiro de Janeiro nunca a desiludia. Só, entre o ambiente perfumado pela gula e pela luxúria, oferecia-se à celebração do que havia de acontecer.

 

País

 

Carruço

 

País sem teto nem chão o meu país sem lágrimas

País sem beira nem perdão o meu país em lágrimas

País sem alma nem caixão o meu país sem nada.

 

Velo pelo meu País ardo pelo meu País

País sem ondas para navegar

País sem terra para semear

 

Grito pelo meu País caio pelo meu País

País sem medo para gritar

País sem tempo para esperar.

 

Um ano a recordar - 2011

 

 

Há datas que são hipnóticas e indiciam comportamentos compulsivos. É o caso dos últimos dias de Dezembro em que nos surpreendemos sempre na atividade de balanço do ano que termina. Pois 2011 merece ser recordado pela reviravolta ideológica que protagonizou, com as consequentes mudanças políticas, sociais e económicas, em Portugal e na Europa.

 

Toda a manipulação mediática sobre o falhanço e o desgoverno de Sócrates e Teixeira dos Santos serviram um objetivo único – a substituição de um governo de centro esquerda por um governo de direita. Como se constata agora, com a pouco subtil alteração do discurso da maioria parlamentar, a crise passou a ser europeia, se não mundial, as medidas adicionais tomadas pelo governo de Passos Coelho não foram negociadas com a troika, resultando de uma opção política, e não havia desvio colossal que justificasse o corte no subsídio de Natal.

 

As bandeiras da esquerda democrática, como a educação pública, a aposta na qualificação das populações, nas energias limpas e renováveis, nas tecnologias de informação, no combate aos desperdícios, nas reorganizações e fusões de organismos, foram palco de descredibilização e campanhas negras. Muitas das obrigações contratuais do estado foram rasgadas, assistindo-se a uma alteração das condições de remuneração, horários laborais, reformas, subsídios de desemprego, etc., que significam a total ausência de negociação, fazendo-se da inevitabilidade do desmantelamento dos direitos e garantias a coberto das supostas imposições da troika, justificação para as referidas escolhas ideológicas. Na Europa a democracia deixou de ser importante. Para alguns países há o direito natural de liderança e poder, para outros há o destino natural de empobrecimento e servilismo.

 

Será com este quadro político nacional e internacional que 2012 se enfrentará. Não sou minimamente a favor de confrontos e radicalismos sociais. O movimento sindical, tal como ele existe em Portugal, não tem a menor relevância. As relações de poder entre os trabalhadores e os empregadores são totalmente diferentes das que existiam nos anos 70/80. Há palavras e conceitos que parecem agora obscenidades, como solidariedade, igualdade de oportunidades, estado, serviços públicos, direitos, garantias.

 

Como vencer? Como lutar? De todas as formas que a democracia entende, com o cuidado de não piorar, com as formas de luta, a vida de quem tem mais dificuldades, de quem tem menos representantes. Escrever, falar, manifestar-se, informar-se, discutir. Mas nunca a violência, nunca a recusa ao diálogo, nunca greves que apenas penalizam as próprias empresas e os próprios trabalhadores. Dentro da legalidade democrática e dentro daquilo que é um estado de direito, procurar representações políticas nestes partidos ou em novas associações políticas, mas nunca denegrindo a atividade política, cívica e de cidadania, nunca desistindo de pensar e nunca entregando a condução dos nossos destinos a pretensos especialistas missionários.

 

Meio século

 

Cheryl Dolby

Grandmother Tree Sculpture

 

Depois será igual a antes

ontem idêntico a hoje

o mesmo que amanhã

uma linha contínua de tempo

com ligeiros desvios espaciais.

Cada instante diferente do anterior

distinto do seguinte

o ar do mundo a crosta da terra

a certeza do regresso

ao fundo ao fim a sempre

igual e diferente

naturalmente.

 

A que faltava

 

(...) Também já tive a ocasião de dizer que a orientação geral de todas essas reformas será a democratização da nossa economia. Queremos colocar as pessoas, as pessoas comuns com as suas actividades, com os seus projectos, com os seus sonhos, no centro da transformação do País. Queremos que o crescimento, a inovação social e a renovação da sociedade portuguesa venha de todas as pessoas, e não só de quem tem acesso privilegiado ao poder ou de quem teve a boa fortuna de nascer na protecção do conforto económico. (...)

 

(...) Ora, um dos objectivos prioritários do programa de reforma estrutural do Governo consiste precisamente na recuperação e no fortalecimento da confiança. Não só da confiança dos cidadãos nas instituições, mas também da confiança que temos uns nos outros, nas nossas relações profissionais, nas nossas relações sociais e nas nossas relações de cidadania. (...)

 

 

 
Estes dois excertos mostram a pose majestática do Primeiro-ministro e a escassez de ideias que grassa na direita governativa. Para além de que confiança é coisa que este Primeiro-ministro não merece, pois não soube conquistar. A expressão democratização da economia quer dizer nada.
 
Nada. É exactamente isso que esta mensagem é. Mesmo assim menos ridícula que as anteriores.
 
Também nada que me espante, Ana, tal como o nada das reacções partidárias, todas.
 

Rituais

Tiago Taron: 24ª madrugada 

 

Quando se comparam longínquos rituais em que se calam frustrações e solidões não assumidas, percebe-se que a felicidade se forma de pequenos instantes que lembramos e reconhecemos como inspiradores quando passados, enquanto a infelicidade se sente sempre presente e pressente-se quando se encara o futuro.

 

Natal de esquerda

 

 

Em minha casa discute-se se tratar das couves é de esquerda ou de direita. É claro que quem defende ser de esquerda declama quadras de Manuel Alegre, com uma voz que imita a de Manuel Alegre, ribombando pela sala.

 

Pois eu já tratei das rabanadas e da aletria, sempre com uma atitude combativa e interventiva, de esquerda portanto, e agora estou a intervalar, numa cedência descarada e anti-revolucionária à direita.

 

Mas como o bacalhau, o grão e as batatas esperam a sua vez, vou permitir-me esta escapadela, desejando a todos os que costumam passar por aqui a alegria pura de estar com quem se gosta.

 

Divirtam-se, o mais que puderem.

 

Pág. 1/4