Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Link

 

 Leonel Moura

 

> LINK <

OBRAS DE

Ana Hatherly
Fernando Aguiar
ISU
[Leonel Moura]

ATÉ 23 DE OUTUBRO

SEGUNDA A SEXTA DAS 10H ÀS 19H

SÁBADO E DOMINGO DAS 11H ÀS 16H


______________________________________
Robotarium / LxFactory
Rua Rodrigues Faria, 103, H02
1300-501 Lisboa
T: +351 213625286

Jardim particular

 

Rubén Roig

 

Assiduamente visito o meu pequeno jardim particular

delicadamente rodeio ervas pisadas pelas almas noturnas

que lembram implacavelmente a minha incapaz arrogância.

A memória como espada no meu pequeno jardim particular

que espera a minha própria tabuleta

onde finalmente irão crescer as rosas da redenção.

De volta

 

A infecção do blogue e o muito trabalho desmotivaram-me de ir escrevendo. Mas não têm faltado bons motivos para o fazer.

 

Independentemente de se concordar com a oferta de dinheiro para premiar o mérito, este deve ser premiado. O incentivo ao sucesso é tão importante como a luta pela redução do insucesso escolar. E decidir retirar o prémio a dias da sua entrega é inaceitável, como inacreditável é a justificação que o Ministro Nuno Crato resolveu dar. Péssimo sinal deste Ministro e deste governo. Ainda bem que a Ordem dos Médicos resolveu assumir o pagamento de alguns dos prémios. Espero que outras Instituições, ou Empresas, ou Cidadãos, em grupos ou solitários, façam a mesma coisa.

 

Também aguardo as notícias do que acontecerá a quem está envolvido nesta vergonha. Aos professores faltosos e aos médicos que lhes atestaram as baixas.

 

Paulo Macedo avança na Saúde. A redução dos preços dos medicamentos e a alteração das regras de isenção às taxas moderadoras são de saudar, ficando a reserva para o montante que vão atingir, ainda não decidido.

 

Blogue malicioso

 

 

Há alguns dias que quem quer aceder ao meu blogue encontra um aviso de blogue malicioso.

 

Já tentei acabar com a malícia obedecendo às isntruções do blog do Sapo, mas continuo com peste entre os bloguers e a infectá-los, provocando epidemias maliciosas.

 

Dizem-me para esperar. É o que faço, com a maior calma que consigo (muito pouca, confesso).

 

Resta-me pedir para não desistirem.

 

Nota: Já removi tudo o que tinha a ver com o contador de visitas, o tal vírus. Quem quiser pode ignorar o aviso e continuar - nada de mal lhe poderá acontecer... penso eu.

 

O ónus da prova

 

 

A coligação PSD/CDS, o BE e o PCP aprovaram legislação sobre o crime do enriquecimento ilícito.

 

Se lermos as propostas de lei, ficamos a saber que, para estes partidos políticos, os cidadãos deverão fazer prova de que as suas aquisições e/ou despesas não foram feitas de forma criminosa:

 

PSD/CDS

Artigo 386º

Enriquecimento ilícito 

1 - Sempre que se verifique um incremento significativo do património, ou das despesas realizadas por um funcionário, que não possam razoavelmente por ele ser justificados, em manifesta desproporção relativamente aos seus rendimentos legítimos, com perigo manifesto daquele património provir de vantagens obtidas de forma ilegítima no exercício de funções, é punível com pena de prisão até 5 anos.

 

BE

Artigo 371.º-A

Enriquecimento ilícito 

1 - O titular de cargo político, de alto cargo público, funcionário ou equiparado que esteja abrangido pela obrigação de declaração de rendimentos e património, prevista na Lei nº.4/83, de 2 de Abril, com as alterações que lhe foram subsequentemente introduzidas até à Lei n.º 38/2010, de 2 de Setembro, que por si ou interposta pessoa, estejam na posse ou título de património e rendimentos manifestamente superiores aos apresentados nas respectivas e prévias declarações, são punidos com pena de prisão de um a cinco anos.

2 - A justificação da origem lícita do património ou rendimentos detidos, exclui a ilicitude do facto do respectivo titular.

 

PCP

Artigo 374.º-A

Enriquecimento ilícito 

1 - Os cidadãos abrangidos pela obrigação de declaração de rendimentos e património, prevista na Lei n.º 4/83, de 2 de Abril, com as alterações que lhe foram subsequentemente introduzidas, que, por si ou por interposta pessoa, estejam na posse de património e rendimentos anormalmente superiores aos indicados nas declarações anteriormente prestadas e não justifiquem, concretamente, como e quando vieram à sua posse ou não demonstrem satisfatoriamente a sua origem lícita, são punidos com pena de prisão até três anos e multa até 360 dias. 

2 – O disposto no número anterior é aplicável a todos os cidadãos relativamente a quem se verifique, no âmbito de um procedimento tributário, que, por si ou por interposta pessoa, estejam na posse de património e rendimentos anormalmente superiores aos indicados nas declarações anteriormente prestadas e não justifiquem, concretamente, como e quando vieram à sua posse ou não demonstrem satisfatoriamente a sua origem lícita.

 

A partir de agora são os cidadãos que têm que demonstrar a sua inocência, não o Ministério Público que tem que provar a sua culpabilidade. A subversão da segurança e do Estado de Direito.

 

Parabéns a todos os deputados do PS, ou de qualquer outro partido, que não votaram esta lei. A demagogia e o populismo estão a dar os seus frutos de uma forma perigosa.

 

O combate à corrupção não tem nada a ver com isto.

O Povo, sou eu

 

poema de

José Manuel Jesus Monteiro

fotografia de

Micha Gordin

Crowd

 

1.

De sol a sol recurvado,

Com as mãos cheias de calos,

Presto jeiras ao Senhor.

Crio o gado, limpo o mato,

Sego o trigo, depois ato,

Sinto as fúrias do calor.

Na eira malho a preceito,

Da figueira colho o fruto,

A secar o estendo a jeito

E depois meto na arca.

Doze Servos, sete Bispos,

Três Senhores e um Monarca.

Nos três dias do entrudo

Como muito e bebo mais,

Faço doestos, graçolas:

Nestes dias vale tudo.

Faço jejum, dou esmolas,

Vou à missa ouvir sermões,

Dízima dou, compro bula,

Digo amem, curvo a cerviz,

Confesso o que nunca fiz:

É o tempo quaresmal.

Doze Monges, sete Vigários,

Três Arcebispos e um Cardeal.

 

2.

Tomo a lança pela enxada,

Pelo arado tomo a besta,

Pelo saiote, a armadura.

Do céu aceito a ventura,

Co’a cruz no peito e na testa,

Se lutando achar a morte.

Co’ Afonso desço do norte

Tomo o Tejo até à foz,

Serpa, Moura e Badajoz,

Com Geraldo sou bandido.

Doze Gritos, Sete Ais

Três Suspiros e um Gemido.

Com o Tejo lá tão longe,

Só vejo água noite e dia.

Quando, em terra, lanço o ferro

Nas coxas de uma gentia.

Com o Mendes Pinto dou,

Na velha terra dos Chins,

Grandes gritas, fico mudo.

Com Faria sou pirata

Roubo ouro, roubo prata,

Tendo ido além de tudo:

De mim e do Bojador.

Doze Marujos, sete Batéis,

Três Tempestades, um Adamastor.

 

3

O sambenito me vestem,

Levo uma vela na mão,

Por culpas de judaísmo,

Cristão-novo seja ou não,

Levam-me ao auto de fé.

Rompe em folgança a ralé,

Distraem-se a Corte e o Rei

Co’espetáculo que se vê.

Em fumo me tornarei,

Que a humana carne cheira.

Doze Judeus, sete Bruxas,

Três Archotes e uma Fogueira.

O Guiça mata o Rei.

Alguns choram, outros dançam:

A política é de loucos.

Cai a Monarquia aos poucos,

Ninguém lhe pode valer.

Eu próprio, que nem sei ler,

Sei bem como é urgente

Ao povo dar instrução,

Fazendo desta Nação

A mesma, mas diferente.

Doze Escolas, sete Oficinas,

Três Sindicatos, um Presidente.

 

4

Sou rapaz, quase menino,

Vou à guerra sem querer.

Infeta-me o paludismo

Nas bolanhas da Guiné.

Perco um braço em Moçambique,

Em Angola deixo um pé.

A mim próprio me pergunto

A razão de tanto mal,

A mim, que mato em Mueda

E morro em Vila Cabral.

Doze Soldados, sete Furriéis,

Três Majores e um General.

Mas a sombra, mas o medo,

Censura o que digo e faço.

Conspiro mas em segredo,

Pra viver falta-me espaço,

Clandestino, estou em mim.

Suporto, tristeza vil,

Do poder a mão pesada.

Mas num mês chamado abril

Ergo a voz na madrugada,

Grito basta, digo não.

Doze Soldados, sete Marinheiros,

Três Capitães, uma Revolução.

 

5

Do negro, me visto agora,

Da fome que dá vergonha.

Só vejo no ar morcegos,

Corvos, vampiros, falcões:

De ganância estou cercado!

São políticos os cegos

Que só pensam em cifrões.

Da saúde, paz e pão,

Do trabalho e educação,

Aos poucos, estou privado!

Doze Investidores, sete Fundos,

Três Banqueiros e um Mercado.

 

A clarificação

 

Apenas vi excertos da entrevista concedida por Passos Coelho, ontem, na RTP1. Mas numa das partes que vi Passos Coelho demarcou-se definitivamente de Alberto João Jardim.

 

É claro que eu gostaria muito que fosse possível, estatutariamente, afastá-lo da candidatura ao Governo Regional. Mas o PSD da Madeira é independente do PSD nacional. Portanto não concordo com Carlos Zorrinho, que o acusou de ter uma posição dúbia.

 

Quem se mantém em silêncio é o Presidente.

Pág. 1/4