Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Rafeiros

 

Jorge Leal

 

Se não houvesse sol, se não houvesse mar, se não houvesse esta nossa teimosia da preguiça e da modorra, do humor e da rebeldia mansa, da resistência e da greve de zelo, permanente e bem-disposta, a última oportunidade à última da hora, a solidariedade para com os malandros, se não fosse a malandragem, então é que seria bom, nós entre os grandes e poderosos, a ofertar generosamente cães de raça e rafeiros, dignos dos Obamas terrestres e dos Kennedys celestes.

 

Tudo acertado

 

 

Já está tudo pronto, arranjado, tratado. Portugal vai alterar os códigos todos, reformar a saúde, os transportes, os públicos e os privados, a justiça, a injustiça, a defesa, o ataque, os capitais, as dívidas do país e da Europa. Portugal vai reformar as reformas.

 

Já está tudo esclarecido. As bases de apoio alargaram-se, a salvação nacional desponta no horizonte, Passos Coelho, Cavaco Silva, Paulo Portas, Paulo Rangel, Pacheco Pereira, Manuela Ferreira Leite, António Borges, Miguel Frasquilho, tantos e tão bons economistas, contabilistas, técnicos que odeiam e desprezam a política, todos unidos contra a corrupção, contra a plebe ignorante e mal informada, contra o PS no geral e Sócrates em particular, contra o governo como um todo e cada um dos seus ministros, secretários de estado, assessores, administrativos e chefes de limpeza dos gabinetes, contra motoristas e alfaiates.

 

Já está tudo planeado. A Europa dos cidadãos olha do alto para os cidadãos de segunda, os tais da periferia mediterrânica que não trabalham, as cigarras esmagadas pelas formigas, os fatos a crescerem sobre as sapatilhas, os chapéus a ensombrarem os gorros e os bonés.

 

Já está tudo acertado. Acaba-se com os doentes, os velhos, os preguiçosos; os fumadores e os comilões passam a pagar impostos adicionais; os obesos pagam por quilo, os anorécticos pagam por grama. Acaba-se com os pobres e, se for preciso, também com os ricos.

 

No meio do mundo

 

Debrucei-me sobre a escada do passado. Lá estavas no meio, falando comigo nesse crioulo cantado, a minha mão no teu ombro, duas meninas no meio do mundo.

 

Hoje esperas por mim, numa casa cheia de anos em que atravessámos a vida em rectas paralelas. Hoje estamos de novo, duas meninas mulheres no meio do mundo, a minha mão no teu ombro, aos meus ouvidos o crioulo cantado.

 

Economia e arte

 

Keith Page: Street musicians in Prague

 

Em tempos de crise a tendência é reduzir o consumo ao essencial, olharmos para os gastos e considerarmos supérfluas as conversas à volta de um café, o jantar fora com os amigos ou a família, o cinema, os livros, os bailados, a pintura, os concertos, dizermos a nós próprios que o que importa é comer, vestir, trabalhar.

 

De facto o que importa é viver. Sem música, teatro, pintura, bailado, poesia, romance, não se vive. O ser humano inventa e sonha, precisa da arte para sobreviver. O cérebro necessita dessa alimentação etérea. Nas situações mais críticas, como nos campos de concentração, a música manifestou-se como o último resquício de sanidade. De pouco se faz música, ritmo. A melodia das palavras, o enlevo da dança, o balanço e o brilho das formas e das cores.

 

A arte é a essência das pessoas e das comunidades. É nas diversas formas de comunicação que os povos se definem, se misturam e se diferenciam. Essa é a marca original, a marca de uma sociedade e de um país. Esse é um investimento seguro e rentável, para o Estado e para a iniciativa privada. Exportar a cultura portuguesa, os seus criadores, a sua arte, é uma aposta que não se equaciona. Tudo o que vive e se mexe à voltas das ofertas dos museus, das galerias de arte, das salas de concerto, dos jardins públicos, dos bares, das salas de teatro, as tertúlias, os convívios, os restaurantes, os livros, os discos, o conhecimento dos meios urbanos, as geografias e as rotas gastronómicas, o artesanato, a moda, os bonecos de barro, as marionetas, as festas e romarias, os provérbios, os santos.

 

Em tempos de crise percebemos que não podemos prescindir da arte. Deveria ser um dos investimentos prioritários para vencer a tristeza, a modorra, a desmotivação.

 

Um dia como os outros (72)

 

O 29 de Setembro era para todos? Era. Pretérito imperfeito. Ontem, na discussão da especialidade do OE 2011, PS e PSD (o partido de Passos com o rabo entre as pernas) aprovaram uma norma de excepção: «Os trabalhadores das empresas públicas de capital exclusiva ou maioritariamente público, das entidades públicas empresariais e das entidades que integram o sector empresarial regional ou municipal...», vão ter os cortes salariais adaptados à sua natureza empresarial. O beneplácito de Passos Coelho é claro: Todas as empresas que estão numa área de competição, de concorrência, que vivem no mercado com outras empresas, têm de obedecer, não às mesmas regras dos institutos públicos ou da Administração Central, mas às regras do mercado. Confirma-se: a Caixa é um Estado dentro do Estado.

 

Também ontem, o ministro da Justiça deu a conhecer as alterações ao Estatuto dos Magistrados Judiciais e do Ministério Público. De acordo com as novas normas, «os magistrados com 60 anos e uma carreira contributiva de 36 podem jubilar-se sem penalização salarial.» Andam a brincar connosco?

 

Mas que quadros são esses que a Caixa Geral de Depósitos tanto teme perder? E qual é o problema de haver dezenas de conselheiros do Supremo Tribunal de Justiça a pedir jubilação antecipada? O país não tem 600 mil desempregados? Comentadores iluminados não dizem todos os dias que um em cada dez licenciados emigra? Está na altura de dar emprego a essa gente.

 

Eduardo Pitta

A greve geral

 

Tenho lido em vários blogues o apelo à greve geral acompanhado da expressão sem medo. O recurso à greve é um direito de todos os trabalhadores e esta greve tem sido amplamente divulgada pelos vários órgãos de comunicação social, quase como uma incitação subliminar à adesão.

 

Pelo contrário, não fazer greve é olhado como uma capitulação às ameaças do grande capital, como uma desistência e uma cedência aos especuladores.

 

Poucas vezes terá tido a população tantas razões para o descontentamento. Uma crise internacional que, ao contrário do que parecia, fez regressar a austeridade, os cortes salariais, o aumento do desemprego. No entanto, será que a greve geral de amanhã é a melhor forma de mostrar o descontentamento e a desilusão, numa altura de grande aperto orçamental e de grande dívida pública? Além disso, qual o governo alternativo que não tomaria nenhuma destas medidas?

 

Não farei greve, considero a greve inoportuna e um enorme prejuízo para o país.

 

Enfrentar (enfeitando) a crise

 

Verifico que há bastantes blogues criados para ensinar e estimular a poupança, que em tempos de crise se impõe.

 

O Natal é um excelente momento de teste às nossas capacidades criativas e à nossa resistência ao consumismo. Regressam o faça você mesmo, as malhas caseiras, sapatinhos de dormir, compotas, azeites aromáticos, reciclagem de latas, papéis e frascos variados, livros de cozinha, jogos didácticos, bonecos de trapos e algodão.

 

E porque não um desafio a blogues e bloguistas para puxarem pela imaginação e partilharem uma ideia natalícia bem poupada e adaptada à austeridade mais espartana? Vale tudo: desde ideias para prendas a orçamento reduzido a decorações sem gastar dinheiro, passando por ceias saudáveis, saborosas e em conta.

 

Dirijo-me a todos os que quiserem, mas lanço o desafio a algumas almas bem dispostas, porque a boa disposição (ainda) não paga imposto.

Pág. 1/4