Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Celebremos os dias

(pintura de David R. Darrow: celebrate life)

 

Há muita gente a acotovelar-se e a competir nas horríveis previsões para o ano que vem. Pois eu espero que consigamos todos demonstrar que estão erradíssimos.

 

A todos desejo força e vontade para reverter os maus agoiros. Podemos começar por ter boa disposição, que não tem abundado, pelo menos por estas bandas. A partir de agora, sorriso de orelha a orelha que o riso e o amor fazem bem à saúde. Os inevitáveis balanços pesam sempre muito e hoje quer-se leveza.

 

Para todos, espero que 2009 seja melhor que 2008.

 

Gaza

Assistimos, mais uma vez, a uma escalada de violência israelo-palestiniana e, como é habitual, esgrimen-se argumentos a favor e contra cada uma das partes.

 

Tenho muita dificuldade em escolher um lado, em saber ou acreditar de que lado está a razão. Se Israel parece reagir exageradamente aos ataques do Hamas, matando civis, em que medida isso não acontece porque há mistura entre militares e civis? Se é verdade que o Hamas não cumpriu o cessar-fogo, até que ponto isso não foi apenas usado como desculpa para Israel atacar a Faixa de Gaza, ataque esse que já estaria a ser preparado há vários meses?

 

Os únicos inocentes neste conflito são aqueles que tentam viver a sua vida o melhor possível, em condições dramáticas, que gostariam de viver em paz, de alimentar e educar as suas crianças e de poder dormir sem medo de morrer. Palestinianos ou israelitas.

 

A derrota do Presidente

A maior parte dos comentadores olha para a situação criada pelo conflito entre o Presidente e a Assembleia da República como um braço de ferro alimentado por Sócrates e pelo PS, não se sabe exactamente com que objectivo.

 

Como já aqui defendi, eu penso exactamente o contrário. Houve uma aposta política de Cavaco Silva que resolveu, a propósito da aprovação do Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma dos Açores, independentemente das razões que lhe possam assistir, criar um incidente institucional, querendo forçar a Assembleia da República a rever uma lei que tinha sido aprovada por unanimidade. Não tendo pedido a fiscalização do artigo que motivou o veto político, Cavaco Silva arriscou e perdeu.

 

Perdeu não por causa de Sócrates e do PS. Perdeu por causa de toda a Assembleia da República. Os partidos com representação parlamentar, embora protestando o seu acordo com o Presidente, votaram outra vez favoravelmente o Estatuto, com excepção do PSD. Este , com a incrível falta de credibilidade e de senso a que nos tem habituado, falou muito, muito, muito, a favor do Sr. Presidente, que tinha toda a razão, mas absteve-se na votação e deu liberdade de voto para votar a favor, mas não contra.

 

Ou seja, Cavaco Silva jogou politicamente e perdeu. Ao dramatizar a situação como o fez, na primeira comunicação e nesta última, falando inclusivamente do irregular funcionamento das Instituições, de grave revés para a democracia, de falta de lealdade institucional, e não tendo levado até ao fim essa posição com a dissolução da Assembleia da República, o Presidente prestou um mau serviço ao país.

 

Adenda: não deixa de ser interessante o afã de Santana Lopes em comentar...

 

Sem dimensão

A crise instalou-se mais nos nossos hábitos e consciências do que na nossa realidade, pelo menos naqueles que, como eu, são privilegiados.

 

Em vez dos lamentos e dos agoiros, dos sustos e dos discursos, deveríamos perguntar-nos o que poderá cada um de nós fazer para que os serviços públicos sejam melhores e mais eficientes, para que usemos mas não abusemos do estado, para que o nosso esforço possa dar oportunidade a quem ainda a não teve. Em vez de olharmos as nossas supérfluas necessidades como essenciais, deveríamos perguntar-nos como poderemos empregar esses recursos em prol de quem luta todos os dias para ter o mínimo.

 

Tanta roupa dentro dos armários, tantos sapatos, malas, agasalhos, tantos telemóveis que se substituíram porque há uns que fazem mais um trilião de coisas que desconhecemos e nunca vamos usar, tantos brinquedos amontoados com que ninguém brinca, tantos papéis, tantos sacos, tanta gasolina desperdiçada, tantos doces, tantas lautas refeições que nos amolecem e aumentam, à volta das quais tecemos aturados comentários sobre a crise que aí vem.

 

Estamos em crise dentro de nós próprios porque não vemos aqueles que precisam ser vistos, nem usamos a nossa sorte para melhorar a sorte daqueles que a não têm. E esta é uma crise que não tem dimensão nem previsão de término.

Indisciplina vs criminalidade

São graves a indisciplina e o sentimento de impunidade na Escola. Não se admite que alunos com 16 e 17 anos considerem uma brincadeira ameaçar a professora com uma pistola de plástico. Mais grave ainda é o sentimento de que, na realidade, foi um incidente apenas, desvalorizado por quem tem responsabilidades na Direcção Regional de Educação.

 

Mas a ideia de que todos estamos sob a ameaça da espionagem dos telemóveis, de que o que dizemos ou fazemos numa sala de aula, num consultório médico, numa conversa de amigos, num gabinete de advogados pode vir a ser transmitido no You Tube, que situações mais ou menos graves, cujas circunstâncias são desconhecidas pois só se discutem partes muito escolhidas de um todo, serão julgadas em praça pública, é assustadora e muito perigosa.

 

Não sei onde tudo isto poderá levar. Mas a mediatização de excertos de situações pode levar a histerias e distorções se calhar ainda mais graves do que os actos em si. É bom que não se confundam criminosos com jovens mal-educados e indisciplinados. É bom que as escolas não se transformem em prisões vigiadas nem as aulas em palcos de chantagens inqualificáveis.

 

A autonomia e a autoridade dos professores não se restabelecem transferindo essas competências para as polícias e para os tribunais.

Gripe

A afluência às urgências nesta altura do ano, por causa da gripe e de resfriados, causa o colapso da resposta hospitalar qualquer que seja o número de urgências e a quantidade de profissionais que as servem.

 

É uma questão de cidadania usar os serviços públicos com sensatez e sentido de oportunidade. Estas situações devem ser diagnosticadas e tratadas nos Centros de Saúde e em casa, deixando as urgências hospitalares desimpedidas para os casos de facto graves, como as complicações da gripe, traumatismos, enfartes, etc.

 

Vale a pena seguir as informações e orientações da Cristina, cujo blogue está a ser um verdadeiro serviço público.

 

 

 

 

Luz vaga

Não sei exactamente porquê, mas gosto imenso desta música.

 

 

Luz vaga, luz vesga, a tua cruz
Já não sai da cama, a minha luz
Da sala, do quarto

 

Pilha a palavra
Troca a quantidade, do assunto modal
A tensão está normal
O lábio fora da boca,
A boca fora do mal

 

Os teus olhos não são de gente
O teu ar foge para cima
Tens a perna no cimento,
Tens a mão no pensamento

 

Ciclope, cicloturismo
Na parte de fora, na nesga do abismo
Imaginário que remete, para onde ainda não fui

 

Convite ao Universo
Com a tua própria câmara
Fecho a luz num olho
Prego a tábua à sensação

 

Som da casa, quando não estás...

 

Dancei para te ver aqui,
eu sei que nada mais pode me ajudar
É do nono andar? Sim
Quis pedir ajuda, mas a língua estava morta
Sei lá! Parei de olhar,
tenho uma corda acesa, prestes a queimar
Não és capaz de me levar a sério.
Vou saltar em teu lugar.

 

Sei que nada mais pode me ajudar

 

Atrasa o passo
Leva o lenço à boca
Fica na mira do choque frontal
Não é doença, é um animal
Um ruído feito no acto de fingir
seres mau, mesmo a dormir

 

(Mesa - Rui Reininho)

Anos

 

Aos quarenta já soma sete. Quarenta e sete.


E que fez durante os dezassete mil cento e cinquenta e cinco dias da sua vida? Será que os aproveitou um a um? Ou que desperdiçou tempo e desejo, nervos e esperança?

 

Quarenta e sete. Nos próximos trezentos e sessenta e cinco dias estará atenta a que passem por si, cheios e satisfeitos, os trinta e um milhões, quinhentos e trinta e seis mil segundos a que tem direito.

 

Falta muito

Dei-me a mim própria um intervalo de cidadania para egoistamente me entregar aos rituais da época. Li apenas os títulos dos jornais online e os posts dos blogues habituais. Não me apetecia saber o que se passou no mundo e no país, porque o intervalo foi para mim, não para a vida de todos os dias.

 

Ainda bem que o fiz pois os atentados bombistas não respeitaram tréguas natalícias, a crise financeira global esqueceu-se do Menino Jesus e os nossos governantes, nomeadamente o Primeiro-Ministro, foi bem o exemplo do novo-riquismo consumista e exibicionista das nossas sociedades actuais.

 

Na sua mensagem de Natal congratulou-se com o que ele fez, com o que ele conseguiu, com o que ele projectou. Não houve palavras inspiradoras nem mobilizadoras, não houve reconhecimento de dificuldades, erros ou desvios. Apenas um discurso ritmado e publicitário, pré-eleitoral, sem a grandeza dos líderes que injectam esperança mesmo quando apenas se vêm muros, escolhos e armadilhas.

 

É em tempos difíceis que se deve olhar e ver acima das lutas partidárias, para além do deve e haver das partilhas dos lugares de deputados, das percentagens eleitorais, das maiorias com ou sem poder.

 

O poder serve para servir. Precisamos de governantes que nos inspirem confiança, que nos mostrem que somos capazes do melhor, mesmo nas piores circunstâncias, não de governantes que apenas se vejam a espelhos adulatórios.

Pág. 1/6