Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Os vôos que nunca existiram

Desde há vários anos que Ana Gomes se vem batendo para que haja uma investigação sobre os vôos da CIA, ilegais, que terão transportado prisioneiros até Guantánamo.

 

Foi atacada por várias pessoas, entre as quais miliantes do PS e membros do governo, que sempre negaram o conhecimento da existência de tais voos.

 

Ana Gomes pode ter uma forma muito histriónica de se expressar, mas tem a grande virtude de não deixar que os seus princípios sejam menos importantes que pretensos interesses de estado.

 

Hoje o jornal El País traz a reprodução de um documento que demonstra que, desde 2002, o governo de Aznar não só foi informado como lhe foi pedida colaboração. O jornal afirma ainda que outros países da mesma área também terão sido informados.

 

Durão Barroso não sabia de nada? O governo socialista também não tomou conhecimento disto? Gostava de saber quais vão ser as razões que agora vão ser invocadas par se justificar o injustificável.

 

Ana Gomes deve manter-se na União Europeia. Com ela podemos confiar que não recua e que honra o seu mandato.

 

 

Nota: Ver também a notícia do Público online e o post Afinal, sabiam!

 

Actualização: Ana Gomes e governo na TSF, hoje.

Sem fundo

(pintura de John Eric Sparacio: black hole)

 

 

1.
Não sei porque me falta vontade
de empurrar pedras partir
enfrentar buracos negros
lagos sem fundo
que vou enchendo
em seco
e seco.


2.
Eram redondos os dias
lúcidos de luz e de chuva
por dentro das horas escoadas
eram redondos os dedos
que se bastavam.

Educação e cidadania

A questão da educação não é um assunto apenas e só dos professores, é um assunto de todos os cidadãos que pagam impostos, é uma questão de cidadania.

 

Muitos de nós já fomos alunos na escola pública e agora somos pais de crianças e jovens que frequentam a escola pública. Muitos de nós participámos em associações de pais, em reuniões de turma, conversamos com os directores de turma, tivemos reuniões com professores e alunos, lemos testes e comprámos manuais escolares, e vamos ouvindo o que os nossos próprios filhos dizem, assistindo ao que amigos e conhecidos que exercem a profissão, contam.

 

A escola não é um espaço à parte da sociedade, deverá sempre estar inserido na sociedade. Por outro lado, a credibilização da função docente deverá sempre ser uma prioridade de uma política de educação.

 

O primeiro passo para que haja credibilização da profissão de professor, é que ela seja uma profissão autónoma, é que a ela só possam aceder pessoas com formação específica, com conhecimentos científicos e pedagógicos para a exercerem. É ainda dever do estado escolher de entre aqueles que querem exercer a profissão de professor na escola pública, os mais capazes.

 

Não conheço qualquer carreira profissional, com excepção da de professor, em que não haja vários graus a que as pessoas concorrem por concurso, prestando provas curriculares ou outras, e em que sejam seriados por classificações dadas pelos seus pares. Não conheço qualquer carreira profissional, com a excepção da dos professores, em que os profissionais mais experientes e mais diferenciados não exerçam funções de maior responsabilidade e de orientação dos menos diferenciados e dos mais novos. Não conheço nenhuma carreira profissional em que a formação contínua, a aprendizagem e o progresso científico não sejam valorizados aquando dos concursos para acederem aos diversos graus de carreira. Não conheço nenhuma carreira profissional, com excepção da dos professores, em que todos os profissionais atingiam o último grau da carreira.

 

O estatuto da carreira docente estabelece uma diferenciação entre professor e professor titular. Li na caixa de comentário de um blogue que essa distinção era artificial porque os professores faziam todos o mesmo, que era ensinar.

 

Não é essa a experiência que tenho pelas escolas por onde passei nos diferentes estádios que fui assumindo. Nas escolas há aqueles que, para além de fazerem a função para que foram contratados, têm vontade de fazer outras coisas, têm iniciativa, gostam de promover actividades, têm atitudes proactivas dentro da organização, ajudam e integram os mais novos, substituem os mais velhos quando necessário, etc. Normalmente também são os que melhor ensinam, assim reconhecidos por alunos e pais.

 

O que se tenta agora, com a implementação de uma avaliação de desempenho, é precisamente distinguir os que se esforçam dos que fazem menos que os mínimos. Também li na mesma caixa de comentários que a avaliação do desempenho e as quotas não melhorarão a qualidade da escola, apenas reduzirão as despesas com a educação. Deve ser a única profissão a que isso se aplica. E gostava de ver os professores tentarem explicar aos seus alunos essa teoria.

 

Ainda bem que José Sócrates assumiu o problema do Ministério da Educação como um problema de todo o governo. Porque a qualidade da escola pública deve ser uma prioridade absoluta de um governo que se diz socialista. A devolução da dignidade a uma profissão que a não tem, pela exigência de um estatuto de uma carreira que esteja alicerçada no mérito é um passo de gigante nesse sentido. A avaliação de desempenho é apenas uma medida de justiça, indispensável de implementar em toda a Função Pública.

 

Já agora, também me parece que ter opiniões sobre saúde, justiça, defesa, literatura, filosofia, aborto, legislação laboral, liberdade e democracia, eleições portuguesas e norte americanas, União Europeia, Tratado de Lisboa, etc, é obrigação de qualquer ser que use o cérebro para pensar.

Violência gratuita

Tenho tentado perceber mais este atentado terrorista.

 

Tenho tentado perceber porque é que 25 homens jovens ocupam lugares turísticos e desatam a matar pessoas. Se o alvo eram os ricos estrangeiros transformou-se em indianos, não sei se ricos se pobres.

 

Gente que ri e que chora, que ama e odeia, que come, que dorme, que vive, sobrevive e mata.

 

Tenho tentado ouvir notícias, comentários, explicações. De onde vieram, quem eram, se pertenciam a celas de uma organização globalizada, se eram amadores, fundamentalistas, um braço da Al Qaeda.

 

Não consigo perceber e penso que nunca o conseguirei.

 

Desafio musical

Este desafio é um dos mais engraçados que já me colocaram na blogosfera. Ricardo S lembrou-se de mim e eu vou tentar corresponder:

 

 

 

  • Disponibilizar uma foto minha – a Marisa Monte é muito mais mais bonita!
  • Escolher um cantor ou banda – Marisa Monte
  • Responder às questões com músicas desse(a) cantor ou banda;
  • Passar o desafio a quatro bloggers.

 

 

(dança da solidão, com Paulinho da Viola)

 

  1. És homem ou mulher? - Aquela
  2. Descreve-te - Preciso me encontrar
  3. O que pensam as pessoas de ti? - Não é fácil
  4. Como descreves o teu último relacionamento? - Ainda lembro
  5. Descreve o estado actual da tua relação - É você
  6. Onde querias estar agora? - Vilarejo
  7. O que pensas a respeito do amor? - Infinito particular
  8. Como é a tua vida? - Pra ser sincero
  9. O que pedirias se pudesses ter só um desejo? - Cantinho escondido
  10. Escreve uma frase sábia - Mais um na multidão

E agora que se desenvencilhem!

 

Balbúrdia da corte

Apesar de totalmente esvaziadas as razões das queixas da FENPROF contra este modelo de avaliação do desempenho, em desespero de descredibilização total e mostrando as verdadeiras razões da luta, já ninguém aguenta mais ouvir falar nesta impossibilidade, nesta pressão do ministério, nesta defesa da escola pública.

 

Assim vamos dia a dia, com o Ministro das Finanças a ser o único que não vê motivos para alterar as previsões em que baseou o orçamento de estado para o próximo ano, com Durão Barroso a tentar sobreviver politicamente, aproveitando um fato que nunca lhe assentou bem mas que ele veste com gosto.

 

Tudo se especula e se desconfia, de tudo fazemos comissões de inquérito que se perdem na memória dos tempos, trucidam-se e mastigam-se os assuntos até à exaustão.

 

O pior é mesmo o desemprego e o fantasma da crise social, da penúria, da miséria, que já vemos tão longe, que a maior parte de nós nunca conheceu.

 

O pior é mesmo a balbúrdia da corte, que até parece um absurdo jogo de bobos.

Olhar

(escultura de Gustav Vigeland: Vigeland State Park)

 

 

Enchemos as bocas os braços as mãos
de queixas e tempo desocupado.
Deveríamos olhar mais a lua que o chão.

 

Farto-me do cansaço dos meus próprios passos
farto-me de palavras ruidosas inodoras.
Deveríamos olhar mais a lua que o chão.

Lágrimas Negras

 

 

 

Letra e música de Miguel Matamoros

Cantam Diego el Cigala & Bebo Valdés

 

Aunque tu
me has dejado en el abandono
aunque ya
se han muerto todas mis ilusiones.

 

En vez de despedirme
con Justo encono
en mis sueños te colmo
en mis sueños te colmo
de bendiciones.

 

Sufro la inmensa pena de tu extravio
lloro el dolor profundo
de tu partida
y lloro sin que sepas
que el llanto mio
tiene lagrimas negras
tiene lagrimas negras
como mi vida.

 

Tu me quieres dejar
yo no puedo vivir
contigo me voy mi negra
aunque me cueste el morir

 

Tu me quieres dejar
yo no quiero sufrir
contigo me voy mi santa
aunque me cueste el morir.

Andar de bicicleta

As alternativas em relação ao transporte individual com o uso de bicicletas é muito interessante, se o andar de bicicleta fizer parte dos hábitos culturais dos povos e das pessoas, o que tem a ver inevitavelmente com a geografia do terreno.

 

É engraçado compararmos, quando viajamos pela Europa, os locais onde se anda de bicicleta, desde muito pequeno a adulto jovem ou velho, o facto de se utilizarem as bicicletas como transporte e até como veículo de encontros amorosos, com as imagens que temos de filmes que se reportam aos anos de 1940 e 1950, por exemplo nos filmes europeus que retratam a II Grande Guerra ou o pós guerra.

 

Os locais em que a bicicleta servia como meio de transporte habitual são os mesmos de hoje, talvez um pouco mais alargados nuns sítios e menos noutros, porque o acesso ao automóvel e a consciencialização ecológica se modificaram.

 

Mas em cidades com grandes desníveis de terreno nunca houve, mesmo quando não existiam carros, uma grande profusão de bicicletas. Talvez em Lisboa, um exemplo flagrante, fosse mais fácil e rentável investir em bons, frequentes e pouco poluentes transportes públicos, como eléctricos de maior velocidade, tróleis e metro.

 

Verdade seja dita isso dentro da cidade de Lisboa já há uma boa oferta de transportes públicos. O problema está na ligação entre as periferias e as grandes cidades. Aí sim faltam investimentos em alternativas credíveis, confortáveis, fáceis de usar, mais rápidas e mais económicas que os automóveis. E na zona da grande Lisboa, por muitos minutos verdes, consciências ecológicas e estilos de vida saudável não serão as bicicletas a resolver o problema.

 

A vida que as marca

Rituais diários que marcadores biológicos não estudados associaram à mulher.

 

Rituais diários que gerações culturais de homens dominadores e desdenhosos que sempre associaram as mulheres a seres submissos, manipuladores e diabólicos.

 

Rituais tão fora de moda que já voltaram à moda.

 

Rituais de gestos mecânicos, não valorizados, não quantificados, não remunerados que atiram a mulher para as franjas de trabalhos não reconhecidamente pesados.

 

Rituais que obrigam a mulher a estar presa aos seus próprios medos.

 

A violência contra as mulheres é quase um não acontecimento.

 

(foto de Rodrigo Cabrita; Dn - 22/11/2008)

Pág. 1/6