Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Uma questão ambiental


Fernando Ruas acha que se deviam correr os inspectores ambientais à pedrada. É uma questão de defesa da ecologia e do artesanato. As pedras são armas de arremesso, totalmente honestas e amigas do ambiente, o autarca é um belo exemplar da grunhice lusitana, raça protegida e acarinhada pelo povo.

Que tal pô-lo num museu?

A hora dos médicos


Anunciada já há algum tempo, parece ir para a frente a alteração (redução) do pagamento das horas extraordinárias nos serviços de urgência.

Em primeiro lugar se são necessárias horas extraordinárias para assegurar os serviços de urgência é porque eles estão sub dimensionados para as necessidades. Já aqui disse mais do que uma vez que os serviços de urgência funcionam como serviços de consultas permanentes, para suprirem a carência de atendimento atempado nos Centros de Saúde. Enquanto o acesso aos cuidados primários não melhorar, os serviços de urgência estarão sempre superlotados.

Não é possível dimensionar os quadros de pessoal dos diferentes serviços hospitalares com razoabilidade porque: se os funcionários são em número suficiente para o trabalho previsível nas enfermarias (internamentos, consultas, tempos operatórios), não chegam para assegurar a formação de equipas de urgência suficientes; se os funcionários forem em número suficiente para assegurar a formação de equipas de urgência suficientes, são demasiados para o trabalho previsível nas enfermarias.

Se as horas são EXTRAORDINÁRIAS são, por definição, para além do horário exigido (e, também por definição, os médicos são obrigados a fazer 12 horas extraordinárias de urgência). Há médicos que fazem, por semana, 2 vezes 24 horas de urgência, na maioria das vezes porque não há outra possibilidade de construir equipas com os poucos médicos que existem (outras vezes porque é assim que compõem o ordenado).

O facto de se pagarem as horas extraordinárias ao preço máximo e igual para todos os médicos, independentemente do seu regime laboral, transforma trabalho igual em remuneração igual, o que me parece justo. Por outro lado, se os regimes de horários são diferentes e as horas extraordinárias são pagas em relação ao preço da hora, também me parece normal que o ministro queira regressar a esse método (prévio a Maria de Belém), porque poupa muito dinheiro.

Mas o que poupava mesmo mais dinheiro era fazer serviços de urgência independentes dos outros, com quadros próprios e regimes de horários e remuneratórios de acordo com as funções exercidas. Não só poupava dinheiro ao estado como atendia melhor os doentes. Isto, evidentemente, depois de resolver o problema das consultas nos centros de saúde.

Espero que o ministro perca o péssimo hábito de não negociar com os sindicatos, como espero que os sindicatos percam o péssimo hábito de fazer greve à partida, sem pensar e sem propor soluções. Os sinais não são prometedores. O ministro avança como um tanque, as corporações cerram fileiras e armam-se em vítimas.

O que está em causa é a saúde e a melhor administração dos dinheiros públicos. Mas, repito, os sinais não são nada prometedores…

Visitação


As mulheres penteiam os cabelos como quem alinha a vida.
As mulheres esculpem os rostos como quem modela o tempo.
As mulheres calmas e insubmissas como quem é a idade do mundo.

Nesta exposição de Graça Morais, as mulheres são presenças e fantasmas silenciosos, que monocordicamente, com gestos finos e pesados, incorporam o sentimento da continuidade.

Pele


Procuro a lei universal
das letras matematicamente compostas
em combinações perpétuas,
em mutações abstractas,
que desde a primeira palavra
se carimbaram na minha pele,
escrevendo teimosamente
o teu nome.


(pintura de Mary Heebner: skin I)

E esta, heim?

Diz-se que o futebol português é violento e matreiro, que é sujo. O jogo com a Holanda foi terrivelmente violento e a culpa, ao contrário do que os especialistas da bola proclamam, não foi só, nem principalmente, do árbitro.

No entanto, quem tem um jogador LESIONADO, sem saber se pode ou não jogar contra a Inglaterra, resultado do tipo de jogo, se calhar limpo, da Holanda, é a nossa selecção…

Procriação medicamente assistida (parte IV)


De facto vale sempre a pena LER os documentos em vez de falar do que se ouve dizer.

O decreto sobre a PMA, quanto a mim, está equilibrado e acautela ao máximo o bem-estar a todos os níveis das crianças que vão nascer e dos progenitores, em termos de garantias de qualidade nos procedimentos, garantias de possibilidade de êxito, garantias de confidencialidade, etc. Não avança com a hipótese de PMA como processo alternativo de gravidez. Concordo. Eu, em muitas coisas, também sou conservadora.

Por outro lado, também vale a pena LER a petição para o referendo apresentada à Assembleia da República, assim como as três perguntas que constariam do referendo. É extraordinário como se consegue resumir a PMA a estas três perguntas, num português pouco esclarecedor, focando aspectos da técnica em si, feitas de forma a induzir as respostas.

Convém que a população em geral, entre as franjas fundamentalistas da direita e da esquerda, comece a debater este tipo de temas.

Agradeço ao Glória Fácil e à escola de lavores as informações e os links)

Sem (outras) palavras

Nu de costas

Desenho o amor como um caule
que a luz percorre numa lentidão líquida,
esquecendo o leito em que pousa, leve,
o seu corpo.
E se o brilho da tarde o colhe
do ramo a que os seus braços se agarram,
flutua, como fruto de futura colheita
que o desejo alimenta.
Ave imponderável, só os olhos
procuram a terra em que outrora
sonhou, no centro da clareira
em que o amor a deitou.

(poema de Nuno Júdice, no A a Z)

Pintura(s)

Graça Morais

Diana Marques


Pintar, conseguir reproduzir a realidade, nem que seja do sonho, com pincéis, lápis ou caneta é, para mim, um dom, uma característica formatada pelos genes, um toque de perfeição.

Talvez valha a pena visitar duas exposições de pintura.

A primeira, de Graça Morais, uma pintora que me surpreende pela simplicidade dos traço, pelo realismo da impressão estética que nos imprime. E pela sua pessoa, que nos envolve com a voz como se fosse o xaile que, com frequência, traz pelos ombros.

A segunda é colectiva, sobre a ilustração científica. Sempre me deslumbro com a capacidade de reproduzir, com o rigor e a exactidão de uma fotografia, mas com a vertigem da beleza, todos os minúsculos pormenores de um insecto, de uma célula, de uma flor, o deslumbramento da natureza.

Agradeço aos blogues Conta Natura e Graça Morais o anúncio e divulgação destes dois acontecimentos culturais.

Pág. 1/6