Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

O primeiro Presidente eleito democraticamente

eanes.png

António Ramalho Eanes

 

 

O primeiro Presidente eleito democraticamente foi o General António Ramalho Eanes, outro dos poucos bons homens de Portugal. Convém que não baralhemos as coisas. Mário Soares não precisa que lhe atribuam méritos alheios. E é importante que não desvirtuemos a História.

Da orfandade

mariosoares.jpeg

Mário Soares

 

 

É muito difícil explicar às mais novas gerações a importância e o significado que Mário Soares tem para nós, cidadãos que, ainda muito jovens, viveram a lua pela democracia a partir de 25 de Abril de 1974. Até a mim, quando revejo os inúmeros documentários e registos da época, me custa a acreditar que toda aquela frenética vivência foi real.

 

A paixão com que se esgrimiam razões, o imediato doutoramento que todos nós fizemos, em poucos dias (alguns em poucas horas), sobre regimes democráticos e ditatoriais, colonialismo e anti-colonialismo, greves, sindicatos, lutas operárias, liberdade de expressão de pensamento, fascismo, comunismo, patronato, trabalhadores, o mergulho naqueles revoltosos, turbulentos e fascinantes tempos, marcou-nos decisivamente.

 

Talvez por isso, ao ver desaparecer uma das mais decisivas figuras para a implementação e consolidação da democracia em Portugal, o sentimento de orfandade que alguns já manifestaram seja impossível de negar. Não precisamos de ter concordado com Mário Soares, sempre ou de vez em quando, não precisamos de ter votado nele, sempre ou de vez em quando. Mas a forma voluntariosa, decisiva, arriscada e eufórica com que Mário Soares exerceu os seus direitos de cidadão servindo o País, assumindo a política como uma actividade nobre e essencial à comunidade, moldou a nossa sociedade e o rumo de Portugal desde 25 de Abril de 1974.

 

Foram escolhas corajosas. A oposição ao regime de Salazar e Caetano, a oposição ao totalitarismo de esquerda durante o PREC, os governos sob assistência internacional, a adesão à União Europeia, o afastamento da linha oficial do PS aquando do apoio à candidatura de Eanes, a sua própria candidatura à Presidência e, já há poucos anos, a decisão de se candidar contra Cavaco Silva, a opinião contra a guerra do Iraque, decisões muitas vezes polémicas e pouco consensuais. Foi uma vida cheia e estou convencida que, apesar de muitos maus momentos, a terá percorrido com gosto e alegria, que era um dos seus traços mais cativantes.

 

Somos uma democracia, desenvolvemo-nos como uma sociedade solidária, integrados no espaço europeu muito por sua vontade e responsabilidade. Não o fez sozinho mas muito contribuiu, e decisivamente, para que assim fosse.

 

Há um filme americano cujo título é A few good men. Se traduzirmos esta expressão à letra - alguns bons homens - é a frase que me ocorre quando penso naquilo a que muitos chamam os pais fundadores da nossa democracia. Ele era - é - um deles.

 

Mário Soares

mario soares.jpg

Mário Soares

 

 

Quantas vezes polémico, quantas vezes magnânimo, outras tantas insolente, arrogante e prepotente, mas sempre amante da liberdade, combatente incansável e com um gosto genuíno pela luta política.

 

Quantas vezes o achei excessivo, ridículo até, mas sempre o admirei pela coragem e pela capacidade de ler a realidade e a sociedade portuguesa, que o fazia um temível adversário e um servidor público que marcou e modelou a nossa vida e a nossa democracia que, com muito poucos outros, fundou.

 

A ele, como a muito poucos outros, devemos a liberdade e a democracia, a viragem e abertura à Europa, a modernidade. A sua morte é o símbolo do fim de uma época.

 

Concerto de Ano Novo 2017

Gioachino Rossini: Abertura da Ópera Guilherme Tell

 

 Johann Strauss II: Valsa Rosas do Sul, Op. 388

 

 Johann Strauss II: Polca rápida Sangue Ligeiro, Op. 319

 

Janusz Bielecki.jpg

Janusz BieleckiParáfrases

 

 Johann Strauss II: Valsa Vozes da Primavera, Op. 410

 

 Mikhail Glinka: Abertura da ópera Ruslan e Ludmilla

 

Johann Strauss II: Nova Polca Pizzicato, Op. 449

 

Johann Strauss II: Valsa Imperador, Op. 437

 

Janusz Bielecki.jpg

Janusz Bielecki: Metamorfoses

 

 Johann Strauss II: Polca rápida Sob trovões e relâmpagos, Op. 324

 

  Johann Strauss II: Valsa Danúbio azul, Op. 314

 

 Johann Strauss I: Marcha Radetzky Op. 228

 

sebastianperlowski.jpeg

Maestro Sebastian Perłowski

 

oml.jpg

Metropolitana

 

Geringoncemos

2017.png

 

 

Em vez de segundos, minutos, horas, dias e anos, poderíamos medir o tempo em quantidade e qualidade de momentos de felicidade, nossa e dos demais.

 

A educação judaico-cristã que tive ensinou-me que a verdadeira felicidade é aquela que podemos oferecer ao próximo. O trabalho e a abnegação em prol do outro, tanto quanto possível em silêncio e no anonimato, o esforço para que o outro seja feliz, mesmo que à custa do nosso apagamento ou infelicidade. A sociedade de hoje exalta os valores diametralmente opostos, colocando no centro do mundo e da vida o eu, a satisfação das necessidades próprias, do prazer e da alegria, mesmo que a expensas dos outros.

 

Como sempre, deveríamos conseguir a sageza da moderação, nuns e noutros modos de vida, buscando o equilíbrio entre os dois tipos de vivências próprias e dos outros. No entanto tendo a valorizar mais quem se preocupa primeiro com os outros que consigo próprio e penalizo-me por não conseguir seguir este modelo. Penso muitas vezes nisto e na facilidade com que o nosso ego, sempre enorme, inchado e arrasador, acaba por esmagar e fazer definhar os dos outros.

 

Para 2017 tenho muitos desejos, para aqueles de quem muito gosto, e também para mim, parcos, secretos e egoístas, mas que me dariam uma enorme satisfação. Espero que o nosso País possa continuar a maravilhar-se com o geringonçar desta Geringonça, uma permanente surpresa de negociação, equilíbrio e democracia. Espero ainda mais que se não concretizem os piores prognósticos em relação à saúde da nossa Europa, com as vitórias populistas, de direita ou de esquerda, e a cegueira continuada dos líderes europeus, que não vêm nada nem entendem nada, culpando os cidadãos das escolhas que não tentam perceber nem prevenir.

 

Espero que 2017 seja melhor do que aquilo que, intimamente, tememos.

 

Dos vazios concursais

servico-nacional-de-saude-sns (1).jpg

 

 

A abertura de vagas para o SNS que, sistematicamente, ficam praticamente vazias, deveria levar-nos a repensar muitos dos mitos que pululam pelo espaço da discussão pública.

 

O SNS deixou de ser atractivo para os médicos. A sensação de que não há qualquer vantagem em o integrar, devido ao desinvestimento em equipamentos, à desadequação em recursos humanos, à desorganização dos serviços, nomeadamente dos de urgência, à inexistência, na prática, de carreiras médicas e ao facto das remunerações não serem competitivas com as do sector privado, talvez expliquem uma parte desta situação.

 

Por outro lado demonstra-se, ao contrário do que muito se afirma, que não há médicos a mais. Se fosse esse o caso, os lugares a concurso seriam todos preenchidos. Compreendo que um médico que fez a sua formação em Lisboa ou no Porto tenha dificuldade em mudar a sua vida para outro local, mas só não o faz porque tem outras alternativas.

 

Concordo com a criação de incentivos mas, pelos vistos, esta não está a resultar. Além disso também podemos perguntar-nos porque não se dão incentivos a outras profissões para que fosse possível desacelerar a desertificação do País. Porque não ponderar a possibilidade de tornar uma obrigação contratual dos médicos, após a formação específica, terem um determinado número de anos para servirem o SNS? Na realidade o Estado investe na formação de especialistas, pelo que deveria ter como contrapartida a prestação de serviço onde ele é necessário, com as devidas condições, como é óbvio.

 

Após o 25 de Abril instituiu-se o serviço médico à periferia, o que permitiu melhorar as condições de saúde e de acessibilidade da população a cuidados médicos, contribuindo para a fixação de muitos dos deslocados nessas localidades.

 

Aguarda-se que os responsáveis políticos reponderem a organização e a forma como devem ser geridos os recursos do País. O SNS precisa de gente e de reformas que não se prendem apenas com a melhor aplicação dos orçamentos disponíveis. Sob pena de desaparecer, o que seria um retrocesso sem perdão.

Do combate aos excessos

detox.png

 

 

Vamos combater os excessos de Natal - menos sorrisos, menos generosidade, menos boas-intenções. Afivelemos pois as nossas caras rígidas e de poucos amigos, pois quem precisa de contar as calorias que come e bebe nunca está bem-disposto.

 

A nova moda saudável transforma a população num conjunto de pessoas inadaptadas aos inúmeros alergénios do meio – agora todos somos alérgicos à lactose e ao glúten. Além disso passámos todos a comer sementes em quantidades industriais, acompanhadas de garrafas de litro e meio de água, que bebericamos a toda a hora e momento, com a consequente permanente ocupação da casa de banho.

 

Drenemos pois as toxinas com sumos detox, chá verde e de gengibre. Nada de cacau quente com torradas – a manteiga e as proteínas animais são dos maiores inimigos de um corpo e de uma mente ágeis, leves, inodoras, jovens e elegantes.

 

Os doces são tanto melhores quanto menos doces forem. Aliás também devemos ser alérgicos ao açúcar, tolerando apenas parquíssimas quantidades de mel ou açúcar mascavado (ou amarelo), em doses milimétricas e só quando o rei faz anos. Acabemos com as vacas e os porcos e transformemo-nos em aves, com tanto peru e frango que deglutimos. Também nos podemos permitir peixinhos grelhados ou cozidos, apenas com um fiozinho de azeite, e muitos, muitos legumes, crus e cozidos, grelhados ou assados, crocantes ou cremosos, tudo o que for erva pode ser comido.

 

Portanto vamos combater os excessos de Natal. À falta de silícios podemos tentar a modalidade dos ginásios, às 7 da manhã ou às 8 da noite, ou ainda o PM (personal trainer), que nos faz emagrecer predominantemente na conta bancária. E entraremos em 2017 sem retenção de líquidos, redimidos e saudáveis, brindando com água aromatizada em vez de champanhe.