Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Do tempo dos gelados

gelados.png

Aqui há umas semanas, por motivos que não vêm ao caso, fiquei em casa com um caixote de belos e perfumados morangos. Incapazes de os comermos a tempo de não se estragarem, resolvi congelá-los.

 

Resolvi experimentar fazer um gelado de morango. Descongelei-os (ficaram um pouco mirrados e a nadar na água que largaram), triturei-os com a varinha mágica (com a respectiva água), tudo junto com o peso de 1 kg; juntei 500 g de açúcar e, à parte, bati 600 ml de natas até ficarem espessas. Incorporei as natas batidas na papa de morangos açucarados, distribuí por caixas e congelei. Para regar o gelado, derreti chocolate negro (70% de cacau) com um pouco de leite e umas colheres de açúcar (uma 3, de sopa).

 

Ficou maravilhoso. Só faltou o crocante. Ainda tenho mais uns tantos congelados, talvez me atreva a outra coisa qualquer.

 

Entretanto alguns dos frascos de compota de abóbora que tardam em ser deglutidos também foram reciclados em gelado. No fundo o princípio é o mesmo. Juntei o doce às natas batidas (na mesma proporção) e congelei. Ainda ficou melhor, mesmo sem molho e sem crocante. Fica mais cremoso que o de morango.

 

Enfim, um estrondo.

Dos fins e dos meios

Na filosofia editorial de alguns jornais todos os meios servem para atingir determinados fins, políticos, neste caso.

 

A qual Maria de Lurdes os leitores associam imediatamente esta notícia?

maria lurdes 1.png

 

E para esclarecer os atónitos incrédulos, se clicarmos no título somos direccionados para um outro, ainda mais chamativo, e que nos sustenta ainda mais as nossas suspeitas:

maria lurdes 2.png

Ao rolarmos a página podemos ler, enfim, o texto que, apenas no 3º parágrafo, desvenda o apelido da Maria de Lurdes:

maria lurdes 3.png

E descobrimos que, afinal, não era Maria de Lurdes Rodrigues a falsificadora das qualificações.

 

Alguém acredita que foi por acaso? Que importância tem esta notícia, a não ser a de induzir os incautos ao erro, criando histórias e lançando boatos sobre uma figura pública controversa como Maria de Lurdes Rodrigues, numa época de campanha eleitoral e em que a direita tenta intoxicar a opinião pública, desacreditando todos os protagonistas do PS?

Um dia como os outros (157)

UmDiaComoOsOutros.jpeg

(...) Porém, nesse lugar - Milão, hoje - onde o mundo glorifica a comida, Portugal não está presente. Não tem pavilhão, nem banca, nem um simples papelinho distribuído à entrada: "Olá, vocês não se lembram, mas já nos conhecemos. Foi Portugal que vos apresentou a/o [e aí o folheto diria o nome dum tubérculo, dum fruto, dum cereal]..." Aos brasileiros deu o café para conversar; à China e à Índia, a batata; e vindo dos Andes, o chili pepper, o jindungo que, passando pelo Brasil, deu sentido às sopas tailandesas e coreanas. Reparem, nem falo da paprica húngara - só reivindico as entregas diretas. A Budapeste, o picante só chegou depois de passar pela Turquia, trazido da Índia, onde, em Goa, os portugueses tinham metido o jindungo no vindaloo. Leiam alto e descubram a origem da palavra: "vinha-d"alho"... O vindalooencontrei-o, também deturpado, em Trindade e Tobago e no Havai. (...)

(...) O pavilhão da Santa Sé, na Expo 2015, diz que a comida é também assunto de rituais e símbolos. Claro. E os portugueses foram apóstolos do valor sagrado do pão, espalharam-lhe a palavra e os sabores. O governo português diz que não temos pavilhão porque não temos dinheiro. É falso. Não estamos lá porque quem decidiu é pobre de espírito. Não merece Portugal.

 

Ferreira Fernandes

A case of you

Joni Mitchell

 

Ana Moura

 

Jane Monheit

 

A case of you

 

Just before our love got lost you said
"I am as constant as a northern star" 
And I said "Constantly in the darkness 
Where's that at?
If you want me I'll be in the bar" 

On the back of a cartoon coaster 
In the blue TV screen light 
I drew a map of Canada 
Oh Canada 
With your face sketched on it twice 
Oh you're in my blood like holy wine 
You taste so bitter and so sweet 

Oh I could drink a case of you darling 
Still I'd be on my feet 
oh I would still be on my feet

Oh I am a lonely painter 
I live in a box of paints 
I'm frightened by the devil 
And I'm drawn to those ones that ain't afraid 

I remember that time you told me you said
"Love is touching souls" 
Surely you touched mine 
'Cause part of you pours out of me 
In these lines from time to time 
Oh, you're in my blood like holy wine 
You taste so bitter and so sweet 

Oh I could drink a case of you darling 
And I would still be on my feet 
I would still be on my feet

I met a woman 
She had a mouth like yours 
She knew your life 
She knew your devils and your deeds 
And she said 
"Go to him, stay with him if you can 
But be prepared to bleed" 

Oh but you are in my blood 
You're my holy wine 
You're so bitter, bitter and so sweet

Oh, I could drink a case of you darling 
Still I'd be on my feet 
I would still be on my feet