Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Prosas Bíblicas - Porto e Setúbal

prosas biblicas 1.jpg

 

Apresentação na 5ª feira, 14 de Dezembro/2017 – 19:00h

Casa Allen - Rua António Cardoso, n.º 175, 4150-081 Porto

com

Manuel Sobrinho Simões

Manuel de Oliveira

Maria Celeste Pereira

lancamento porto.jpg

Apresentação no Sábado, 16 de Dezembro/2017 – 17:00h

Caféda Casa / Casa da Avenida Galeria

Avenida Luísa Todi, 286-296 Setúbal

com

Fernando Pinto do Amaral

Paulo Curto

José Teófilo Duarte

lancamento setubal.jpg

Um louco na Casa Branca

trump.jpg

Reuters / Jonathan Ernst

 

É difícil imaginar que alguém possa ser eleito para um cargo com o poder e a importância da Presidência dos Estados Unidos da América sem um mínimo de bom-senso, de conhecimento histórico e de razoabilidade, sem se rodear de gente competente e cautelosa, gente que pense e se importe com um pouco mais do mundo do que aquele que corresponde ao espaço vital que ocupa.

 

Mas aconteceu, e continuará a acontecer. Donald Trump vai ultrapassando todos o limites que julgávamos intransponíveis. O reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel é uma decisão com consequências imprevisíveis.

 

Há um louco perigoso à solta na Casa Branca.

Um dia como os outros (180)

UmDiaComoOsOutros.jpeg

(...) Mas foi o candeia nacional Marques Mendes que nos iluminou. Centeno no Eurogrupo? "Mentira de 1.º de Abril... Campanha de autopromoção... É o seu ego... A sua vaidade... Está deslumbrado... Inchado... Muito inchado... Não há uma única alma lá fora que fale de Centeno... É um bocadinho ridículo uma pessoa assim a oferecer-se..." Ontem, Centeno foi eleito presidente do Eurogrupo. O que vai fazer amanhã? Não sei. Mas ontem soube o significado do sorriso parvo: esteve sempre a rir-se dos pedaços de asno.

 

Ferreira Fernandes

Prosas Bíblicas - Livro 3

prosas biblicas 1.jpg

 

(…) Uma lição que transforma o amor nessa misteriosa espécie de “cola” ou de “barro” capaz de ligar os pedaços sempre dispersos das nossas vidas tão fragmentadas, procurando unir na mesma substância indivisível o corpo e a alma ou, se preferirem, o humano e o divino: “Da cola do amor remendamos os cacos das vidas / Do barro do amor colamos as peças removidas / De nuvens de amor sopramos as faces ressequidas / Do canto do amor lambemos as crostas das feridas // Presos e atados por amor a tantos fios invisíveis / Amparados pelo amor que sem saber semearemos / Em cada canto do amor assim nos confiaremos / No tumulto do amor morreremos indivisíveis”

O HUMANO E O DIVINO – Fernando Pinto do Amaral - prefácio de Prosas Bíblicas

 

16.

Da cola do amor remendamos os cacos das vidas

Do barro do amor colamos as peças removidas

De nuvens de amor sopramos as faces ressequidas

Do canto do amor lambemos as crostas das feridas

 

Presos e atados por amor a tantos fios invisíveis

Amparados pelo amor que sem saber semearemos

Em cada canto do amor assim nos confiaremos

No tumulto do amor morreremos indivisíveis

 

Livro 3 (pág. 78)

Prosas Bíblicas - Livro 3

prosas biblicas 1.jpg

 

(…) mas o que daqui ressalta é, acima de tudo, a consciência muito clara de que, por mais belas que sejam tais palavras, por mais harmoniosa que seja a sua música, por mais que o “todo” seja “eloquente”, há sempre uma dimensão que elas não atingem. Como se diz no último poema: “Que o amor não se ouve nem se canta / Apenas se sente”. (…)

O HUMANO E O DIVINO – Fernando Pinto do Amaral - prefácio de Prosas Bíblicas

 

20.

A todos os que me querem e me ouvem

Assim farás de ovo e serpente

Que o amor não se ouve nem se canta

Apenas se sente

 

A todos os que serão sem que o sejam

À espera da luz que não se acende

Assim abrirás o manto da vida

Para todo o sempre

 

Livro 3 (pág. 82)

Prosas Bíblicas - Livro 3

prosas biblicas 1.jpg

 

(…) A matéria-prima desse infinito labor continuam a ser as palavras – “Com palavras amareis um pouco ou totalmente / Pelas palavras o nada será o todo eloquente” – , (…)

O HUMANO E O DIVINO – Fernando Pinto do Amaral - prefácio de Prosas Bíblicas

 

9.

Escavareis a terra com as mãos da solidão

Cantareis a alma com a voz da paixão

Usareis o alento do corpo sem salvação

Expiareis com a vida o peso da ambição

 

Pelas palavras semeareis o fruto e a semente

Nas palavras sofrereis a pomba ou a serpente

Com palavras amareis um pouco ou totalmente

Pelas palavras o nada será o todo eloquente

 

Livro 3 (pág. 71)

Prosas Bíblicas - Livro 2

prosas biblicas 1.jpg

 

(…) Digamos que na segunda parte ecoa uma atitude mais pessoal, talvez mais próxima dos pequenos dramas de cada um de nós, mais interrogativa perante as escolhas a que, melhor ou pior, a vida sempre nos obriga: “E agora que faço comigo matéria informe que se criou / e por céus e terras em paixões secretas alastrou / de ti desabrigada por ti desmanchada em ti / teimosamente escondida?” (…)

O HUMANO E O DIVINO – Fernando Pinto do Amaral - prefácio de Prosas Bíblicas

 

8.

Nasceram-me braços e pernas cresceram-me bocas e línguas

fundiram-se sangue e saliva cozeram-se peles e dias.

E agora que faço comigo matéria informe que se criou

e por céus e terras em paixões secretas alastrou

de ti desabrigada por ti desmanchada em ti

teimosamente escondida?

 

Livro 2 (pág. 56)

Prosas Bíblicas - Livro 1

prosas biblicas 1.jpg

 

(…) Aqui, os sentimentos são também razões e vice-versa, numa fusão mediante a qual todas as fronteiras conceptuais parecem esbater-se, num mecanismo cujo efeito pode ser, de certo modo, libertador, mas permanece ciente da humildade humana perante uma outra dimensão (chamemos-lhe divina) que radica no humano mas se situa infinitamente para lá do humano: “Ao longe está a candeia / As flores que sempre sonhei / Desejo que me incendeia / Palavras que eu criei // As grades estão quebradas / O dia escureceu / Tenho mil e uma estradas / Nenhuma que chegue ao céu”. (…)

O HUMANO E O DIVINO – Fernando Pinto do Amaral - prefácio de Prosas Bíblicas

 

12.

Sequei a água do mar

Abri as portas que encerra

O mundo a transbordar

Das incertezas da terra

 

Ao longe está a candeia

As flores que sempre sonhei

Desejo que me incendeia

Palavras que eu criei

 

As grades estão quebradas

O dia escureceu

Tenho mil e uma estradas

Nenhuma que chegue ao céu

 

Livro 1 (pág. 26)

Prosas Bíblicas - Livro 1

prosas biblicas 1.jpg

 

(…) Não vale a pena, portanto, conceber categorias rígidas ou sistemáticas para um conhecimento cuja amplitude é essencialmente holística e só pode funcionar como um todo, no qual não conseguimos separar a razão e o coração: “Senhor Deus falta-me o ar / Nesta Babel de emoções / Sem conseguir separar / Sentimentos de razões”. (…)

O HUMANO E O DIVINO – Fernando Pinto do Amaral - prefácio de Prosas Bíblicas

 

20.

Senhor Deus falta-me o ar

Nesta Babel de emoções

Sem conseguir separar

Sentimentos de razões

 

Os dardos que te roubei

São ramos envenenados

Palavras com que matei

Cordeiros sacrificados

 

As portas estão fechadas

Os lacraus fazem a guarda

Milhões de línguas caladas

Descanso que ainda tarda

 

Fujo de ti meu Senhor

Sem sequer olhar em frente

Nos braços do teu andor

Passeia o medo da gente

 

Livro 1 (pág. 34)