Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

As caravanas

Chico Buarque

 

 

É um dia de real grandeza, tudo azul

Um mar turquesa à la Istambul enchendo os olhos

E um sol de torrar os miolos

Quando pinta em Copacabana

A caravana do Arará - do Caxangá, da Chatuba

 

A caravana do Irajá, o comboio da Penha

Não há barreira que retenha esses estranhos

Suburbanos tipo muçulmanos do Jacarezinho

A caminho do Jardim de Alá - é o bicho, é o buchicho, é a charanga

 

Diz que malocam seus facões e adagas

Em sungas estufadas e calções disformes

Diz que eles têm picas enormes

E seus sacos são granadas

Lá das quebradas da Maré

 

Com negros torsos nus deixam em polvorosa

A gente ordeira e virtuosa que apela

Pra polícia despachar de volta

O populacho pra favela

Ou pra Benguela, ou pra Guiné

 

Sol, a culpa deve ser do sol

Que bate na moleira, o sol

Que estoura as veias, o suor

Que embaça os olhos e a razão

E essa zoeira dentro da prisão

Crioulos empilhados no porão

De caravelas no alto mar

 

Tem que bater, tem que matar, engrossa a gritaria

Filha do medo, a raiva é mãe da covardia

Ou doido sou eu que escuto vozes

Não há gente tão insana

Nem caravana do Arará

Sociedade tutelada

Acho completamente errada a pretensão do governo legislar para proibir de jogos de futebol em dias de eleição.

 

Os cidadãos são livres de ir ou não votar. Se consideram mais importante o futebol, por muito que custe, escolherão o futebol.

 

Então e os espectáculos de música? E o cinema? E as corridas? E ir à praia, andar de barco, ou fazer uma viagem longa? Também se proíbem?

Do incomensurável ridículo

Quem só lesse os títulos dos jornais, ficaria a pensar que a Geringonça estava por um fio, que o governo estava prestes a cair, tal o afundanço nas sondagens. 

eurosondagem 08092017_3.jpg.png

Afinal, o líder partidário que mais caiu, em relação às sondagens anteriores, foi mesmo Passos Coelho. Houve uma redução de intenção de votos no PS - de 0,5%. E um aumento no PSD - de 0,6%. A diferença entre a Geringonça (57,5%) e o PAF (35,5%), neste momento, e após todas as desgraças do Verão, que a direita explorou miseravelmente, é de 22%.

 

eurosondagem 08092017_2.jpg

De facto o governo desceu a sua popularidade, mas a oposição não lucra com isso. A tentativa que os jornais fazem para transformar uma situação estável em derrocada da Geringonça é patética e bem indicativa do desespero de quem agora defende a contratação de Assistentes Operacionais nas Escolas, e considera o crescimento fraco, após a legislatura de que ainda ninguém se esqueceu.

 

eurosondagem 08092017.jpg

Burnout opinativo

debate.jpg

 

 

Tantas e tão variadas as causas que acendem os ânimos e desatam as iras. É obrigatório ter opinião sobre tudo, contra ou a favor, muito decidida e sem cambiantes, que a reflexão não é boa conselheira. A tolerância deixou de ser um valor por si só, resumindo-se a um título que os que se declaram dele ruidosos possuidores se manifestam nada praticantes. Do combate aos fogos à pedagogia do ensino básico, da obrigação dos coming outs à reserva da privacidade absoluta, dos eclipses solares aos estados de calamidade pública, do sexismo do Chico Buarque, tudo é motivo de absolutas declarações e insultos descabelados.

 

Eu estou cada vez mais apalermada com as minhas indecisões, cada vez mais fundas e sobre cada vez mais assuntos. Num dia penso uma coisa, noutro penso outra; leio uma opinião com que concordo, outra contrária onde descubro razão; entretanto tento informar-me melhor, mas o assunto já foi esquecido e já ferve nova polémica agreste e terrível. Cada vez tenho menos opiniões, até porque não consigo colocar-me de um dos lados da barricada e isso é, só por si, um crime sem perdão para os dois lados da dita.

 

Por exemplo: continuo a achar que a sexualidade seja de quem for é um assunto que não diz respeito ao público em geral e que não tem qualquer interesse nem interferência nas funções públicas seja de quem for. Ninguém é melhor ou pior governante, médico, electricista ou jogador de futebol por ser homossexual ou heterossexual – é irrelevante. Mas também é verdade que nem sequer nos apercebemos que ainda há diferenças entre homo e heterossexuais quando se trata de falar, em ambientes sociais ou profissionais, das mais diversas pequenas coisas quotidianas, como da família, dos filhos, das férias, das fotos, dos problemas conjugais, dos gostos, das doenças, dos sogros e sogras respectivos, das idas ao cinema e aos concertos, das companhias, dos ciúmes, das raivas e irritações, enfim, de tudo aquilo que faz a nossa vida. Isso significa que, na verdade, a irrelevância do assunto pode não ser real. Por isso, se calhar, até é importante que pessoas com visibilidade pública assumam a sua homossexualidade, acabando por normalizar aquilo que ainda não o é.

 

Outro exemplo: os livros de actividades escolares da Porto Editora, separados e distintos para meninos e para meninas. Acho um enorme disparate e demonstrativo de uma atitude bafienta e retrógrada no que diz respeito à promoção de igualdade de género - disso não tenho quaisquer dúvidas. Também me parece óbvio que a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CCIG) só poderia dar um parecer condenando tal anacronismo idiota. Há, no entanto, algumas coisas que não consegui esclarecer: esses livros tinham sido adoptados por algum estabelecimento de ensino? Público ou privado? Onde está o comunicado da CCIG que não consegui ler? Confesso que não gosto da recomendação de retirada de venda. Bem sei que é só uma recomendação mas soa a uma obrigação. Por muito que os ache detestáveis e estúpidos, e desde que nenhum estabelecimento de ensino os tenha adoptado como livros escolares (é obrigação do governo zelar por um ensino que não promova a discriminação de géneros), o resto é connosco, o público. Ou será que temos outra vez listas de livros certos e errados, os aceites e os proscritos?

 

Mas o que mais me incomoda é que a intensidade, o empenhamento e a importância das discussões são os mesmos para todos os temas, desde os excessos alimentares aos atentados terroristas. Tudo é tratado como se a sobrevivência da espécie estivesse em causa ou o mundo prestes a explodir, reduzindo tudo ao menor múltiplo comum.

 

Será da silly season. O problema é que estamos a eternizar a silly season e nós é que nos tornámos silly. Felizmente ainda se vão encontrando artigos de opinião que não têm nada de silly e são bons em qualquer season, como este de Maria de Lurdes Rodrigues: O terrorista integrado.

Uma excelente ideia

Aqui está uma bela ideia, que poderia ser copiada por muitos outros: um supermercado alemão retirou todos os produtos não alemães das prateleiras para combater o racismo e a xenofobia.

 

 

super alemao.jpg

“Esta prateleira seria bastante aborrecida sem diversidade”

“É assim que uma prateleira é sem [produtos] estrangeiros”

“Sem diversidade seremos assim tão pobres”