Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

De "A verdade"

sergio-figueiredo ci banif.jpg

Expresso

 

Assisti com assombro aos fragmentos disponíveis no YouTube da audição de Sérgio Figueiredo, na  Comissão Parlamentar de Inquérito ao processo que conduziu à venda e resolução do Banco Internacional do Funchal (BANIF).

 

Sérgio Figueiredo, embora visivelmente atrapalhado e pouco à vontade, não parece ter tido um rebate de consciência em relação às notícias enviesadas que a TVI produziu, em rodapé, exclamando indignado, perante os deputados que lhe apontavam a irresponsabilidade de divulgar uma notícia sem cruzar e confrontar fontes (e cuja consequência foi a rápida deterioração do banco e terá mesmo contribuído para o desfecho que se conhece), que o compromisso dele era com A verdade.

 

Em primeiro lugar, a verdade de Sérgio Figueiredo foi uma interpretação sua de factos que não teve o cuidado de confirmar com as instituições responsáveis, nomeadamente o próprio BANIF e o Banco de Portugal. Em segundo lugar, como é possível que, em termos éticos, Sérgio de Figueiredo não se questione sobre a gravidade e as consequências das verdades, para ele absolutas e mais importantes que o pânico que gerou, e os incontáveis prejuízos que a seguir se verificaram e ainda se hão-de verificar?

 

Não defendo que se omitam ou escondam problemas, por muito graves que sejam, nem que se enganem os cidadãos com a desculpa da segurança. Mas para quem tanto se reclama da importância da auto-regulação, não faz ideia do que isso é. Chega a ser assustador olhar para o semblante iluminado de Sérgio Figueiredo a falar de A verdade, como se isso fosse matemática pura. A verdade de Sérgio Figueiredo, animada pelas suas escolhas políticas e pelos seus preconceitos ideológicos será certamente diferente da verdade de qualquer outro jornalista, com opções opostas e com práticas semelhantes.

 

Estes profetas da verdade (deles) esquecem-se da responsabilidade que é tanto maior quanto mais graves e importantes forem as informações de que disponham. Como pode Sérgio Figueiredo, tantos dias depois do que se passou, não ter percebido que o que fez foi errado, contra tudo o que é bom senso e contra as boas práticas da sua profissão, assumindo-se como um heróico cavaleiro?

 

Independentemente das responsabilidades que terão certamente outros actores neste processo, nomeadamente o anterior governo e os supervisores da Troika, Sérgio Figueiredo, consciente ou inconscientemente, foi instrumento de interesses que nós desconhecemos. Para quem tanto gosta de julgar políticos, com a capa da imparcialidade e da competência, mostrou bem que não tem uma nem outra. Infelizmente não é só ele.

 

Nota: a propósito do jornalismo em crise vale a pena ler Leonel Moura.

Da dignidade

fernandacancio.jpg

 

Tenho-me abstido o mais que posso de comentar tudo o que diz respeito a José Sócrates e à envolvente da Operação Marquês.

 

Por isso mesmo vou assistindo forçadamente calada às manchetes dos pseudo-jornais e dos pseudo-canais televisivos, em que se declamam fragmentos de escutas telefónicas, mensagens de telemóveis trocadas entre as pessoas que conviviam com o ex Primeiro-ministro, com o objectivo de manter acesa a curiosidade da população, que quanto mais espreitar para dentro da intimidade das figuras públicas mais se sente igual a elas.

 

Continuo a aguardar que a Justiça faça o seu papel, acusando e julgando José Sócrates, cuja vida já está arruinada, tenha ou não culpa, tal como a vida dos seus familiares e amigos, tenham ou não cumplicidade nas suas eventuais malfeitorias.

 

Independentemente do julgamento da sua acção política, não há ninguém que possa afirmar hoje em dia, eu incluída, que não tenha dúvidas crescentes quanto à boa-fé de Sócrates, pois o que tem vindo a público pelas suas próprias palavras é, no mínimo, muito estranho e duvidoso. E aceitar que uma pessoa em quem confiámos a responsabilidade de nos governar nos usou e ludibriou é muito difícil, principalmente para a imagem que temos de nós próprios – como é possível termos sido assim enganados?

 

Fernanda Câncio foi apanhada nesta voragem. Não goza das simpatias de muita imprensa e de muita gente por inúmeros motivos: pela sua personalidade, pela sua forma de fazer jornalismo de causas, tantas vezes truculenta e totalmente engajada, mas principalmente porque foi namorada de José Sócrates e não há nada como a devassa das relações amorosas, associadas a eventuais crimes de colarinho branco de políticos, para manter acesa a chama do voyerismo. E além disso há muito quem justifique o prazer que retira com a queda em desgraça dos poderosos com o dito popular (tal como o da seriedade da mulher de César, que serve a tantos e tantas vezes é dito) - quem com ferro mata com ferro morre. Mas não deixo de admirar a sua força e a sua determinação em lutar por aquilo que acredita estar certo. Quem tem opiniões está sempre sujeito a crítica e Fernanda Câncio nunca escolheu o conforto de não se pronunciar.

 

Foi por isso com algum pudor que li o texto que publicou na Visão. Um texto de quem não vê outra alternativa se não expor-se, revelando pormenores da vida privada que sempre manteve a recato da praça pública. Infelizmente tenho sérias dúvidas de que este testemunho altere as opiniões já formadas a seu respeito. Ninguém gosta de se ver ao espelho e de perceber que não é presciente e que a sua confiança nos outros foi traída. É muito mais fácil concluir que os poderosos são vilãos e corruptos e que se acompanham de gente igual, e que quem rodeia os poderosos só o faz para se aproveitar deles. Mas, como ela própria diz, o mais importante é não perder a identidade e o respeito por si própria. Sempre lhe admirei a coragem e a determinação apesar do desacordo com muitas das suas posições.

 

À Fernanda Câncio, e a todos os que prezam a sua privacidade e o respeito pela sua dignidade, a minha total solidariedade.

Um dia como os outros (167)

UmDiaComoOsOutros.jpeg

(...) De qualquer forma, os factos falam por si, basta ir ler os estatutos de alguns colégios com contratos de associação. Um caso engraçado é o do Colégio Rainha Santa Isabel (CRSI), em Coimbra, a menos de 2 kms de excelentes escolas públicas, como a Escola Secundária de Dona Maria ou a Avelar Brotero. Como “visão educativa” a CRSI tem “somente em vista a glória de Deus e a salvação do mundo” e quer que “todas as nossas acções tendam para este nobre fim”. No item da acção educativa diz que quer viver “em bom entendimento, formando um só coração e uma só alma, pertencendo totalmente a Deus.” Diz ainda que “como escola católica que é, todas as turmas do CRSI iniciam o seu dia fazendo oração comum ou comunitária, pensada e adaptada para cada faixa etária, iniciando o nosso dia com a bênção e o encontro com Jesus Cristo.” A 350 metros está o Colégio São Teotónio, também com contrato de associação, que na sua página diz que o “objetivo do Colégio de São Teotónio enquanto Escola Católica é educar a partir dos referenciais do humanismo cristão”. Nada contra. Mas com o dinheiro dos contribuintes dum Estado laico, não. Aliás, tenho a certeza absoluta de que se uma escola islâmica com estas características fosse financiada com os nossos impostos, grande parte da direita se atirava ao ar. E muito bem, eu também me atiraria. (...)

 

Luís Aguiar Conraria

O carrossel argumentativo

carrossel.jpg

Tal como a Penélope, a rádio que me acompanhou por alguns minutos, no caminho para o trabalho, foi a Antena 1. E ouvi boquiaberta, a propósito da revisão dos financiamentos estatais à escolas privadas com contratos de associação, outro argumento diferente daqueles que têm sido bombardeados a toda a hora e momento nos jornais, nas televisões, nas rádios, para que se consiga a lavagem cerebral do costume - a esquerda radical quer destruir o ensino privado.

 

Pois para a Helena Garrido o que interessa é a qualidade do ensino, partindo obviamente do princípio que a qualidade está do lado da escola privada. E se houver uma escola privada e uma pública lado a lado, se a privada tiver mais qualidade, deve fechar-se a pública.

 

Claro que não se pode voltar a investir na requalificação das escolas como foi feito pela Parque Escolar e como defendeu António Costa a premência de se voltar a fazer. Não, isso seria enterrar milhões. A qualidade, como facilmente se pode perceber, não tem nada a ver com isso, mas na escola pública. E também não é argumento, para quem defende o rigor das contas e os cortes nas gorduras do Estado, a poupança que representa para o mesmo Estado acabar com os subsídios às escolas privadas quando as públicas estão subaproveitadas.

 

Mas o mais interessante é assistir à emergência de novos argumentos quando se percebe que os anteriores não servem o propósito pretendido. Já ouvi vários: um ataque à Igreja Católica, impedir que os mais pobres tenham acesso ao ensino privado, coarctação da livre escolha das famílias entre público e privado, e por fim este argumento da qualidade.

 

Há apenas um ponto em que estou totalmente de acordo com Helena Garrido - Mário Nogueira nunca foi um factor de qualidade e de modernização na Escola Pública, muito pelo contrário. Esteve sempre do lado das forças mais retrógradas e reaccionárias, sendo um dos grandes responsáveis por muita da degradação da tão falada qualidade da Escola Pública. 

 

Ao contrário da Penélope, ando com o sentido de humor pouco apurado.

Um dia como os outros (166)

UmDiaComoOsOutros.jpeg

(...) Entretanto, como no passado, há uma campanha montada no espaço público. Colégios que há anos pagam salários baixos e mantêm professores precários, às vezes com recibos verdes à margem da lei, apregoam a importância do emprego. Deputados que foram afoitos a degradar a escola pública e os apoios sociais falam da “igualdade” entre as crianças. Empresas que vivem de subsídios pagos com os impostos de todos contestam o ataque à “livre concorrência”. Está bom de ver que quem dirige esta campanha não está preocupado com os pais, com professores nem com os alunos, por mais que os instrumentalize para interesse próprio. Está apenas a querer manter uma renda ilegítima. (...)

 

José Soeiro

Escola Pública

dge.jpg

Uns anos depois volta a guerra das associações de ensino privado com a manipulação informativa a que já nos habituámos, tentando deixar, outra vez, tudo como estava.

 

O que é interessante é o epíteto com que se quer desvalorizar estas decisões governativas dizendo depreciativamente que é uma questão ideológica. É de facto uma questão ideológica. Enquanto os que estiveram no poder na última legislatura têm como objectivo o Estado mínimo, tendo desmantelado o que puderam dos serviços públicos, com a redução da despesa do Estado do lado da vergonhosa redução salarial, redução de investimento na melhoria das condições e nas instalações e equipamentos, para que a iniciativa privada crescesse à custa do outsourcing dos serviços públicos, os que estão no poder agora preferem rentabilizar os serviços do estado e reduzir a multiplicação dos gastos, gerindo os dinheiros públicos e reduzindo a despesa mas do lado do que se gasta em contratualização externa do que deveria ser assegurado internamente.

 

Não está em causa a liberdade de escolha. O Estado deve assegurar para todos os cidadãos a escola pública de qualidade. Só assim será possível escolher entre o público e o privado, com o corolário óbvio de que as escolas privadas deverão se pagos por quem os quer utilizar e não pelo Estado. A não ser que o Estado não consiga assegurar a obrigatoriedade constitucional que, felizmente, é cada vez menos o caso.

 

Parece-me claríssimo que é, de facto, uma questão ideológica. O desemprego dos professores existe e será cada vez maior por causa da acentuada quebra da natalidade, por causa da forma como se distribuem os alunos por turma, se reorganizaram os horários e as ofertas curriculares, etc., etc. E convenhamos que o desemprego dos professores do estado foi enorme nos últimos anos.

 

É muito interessante ouvir as pessoas que tanto vilipendiaram as obras de remodelação das escolas, transformando-as em espaços modernos e adequados para todos os que dela necessitam e em igualdade de circunstâncias, virem agora usar o argumento da falta de condições para justificar a manutenção do status quo, facilitando e incentivando o esvaziamento do ensino público e a proliferação de escolas privadas, financiadas pelo Estado.

Da necessária multiplicação da UBER

taxis 2.jpg

As manifestações a que assistimos hoje, com as marchas lentas dos taxistas nas 3 principais cidades do país são o último grito de uma época que está a desaparecer. A adaptação aos novos tempos pode ser difícil e dolorosa, mas é inevitável. Neste caso em concreto é muito bem-vinda a concorrência a um sector que não evoluiu e cuja imagem está muitíssimo degradada, por responsabilidade própria.

 

Não é impedindo que haja novas formas de angariação de passageiros, outras empresas que se disponham a servir melhor o público, com mais formação, mais profissionalismo e melhor educação, com carros mais limpos e seguros, que não precisam de arranjar trocos, com facturas automáticas e avaliações de satisfação imediatas, que estão à distância de umas teclas de telemóvel e que vão ter com os clientes, que os taxistas podem travar a inexorável marcha da inovação e da tecnologia. Não faltam casos de clientes vigarizados pelos motoristas, pagando muito mais do que deviam, com queixas de indelicadezas e grosserias, recusas de viagens curtas, conversas azedas que não foram pedidas, desaforos e perigosas corridas por essas estradas fora.

 

Se é preciso regulamentar a UBER ou qualquer outra empresa que se regulamente; se é preciso fiscalizar que se fiscalize. Mas a agressividade existente é prenunciadora da inevitabilidade. O que os taxistas deveriam era reivindicar melhor formação, melhores carros, mais profissionalismo, patrões que cumpram os seus deveres quanto aos direitos laborais, implementação de formas de pagamento com cartões electrónicos, facturas automáticas, etc. Mas antes de tudo e mais importante, mais civismo. Esperemos que o governo seja firme e promova a necessária e modernização deste sector de transportes.